segunda-feira, 29 de março de 2010

Inovando

Fiz uma coisa hoje que não fazia há muitos meses. Levei as crianças à escola, voltei para casa, coloquei a camisola de novo e DORMI. Até nove e meia. Levantei, fui ao supermercado, almocei no shopping, voltei para casa, guardei as compras, algumas bagunças e assisti Vídeo Show. Quer dizer, ao menos era a intenção. Só que DORMI. De novo. Deliciosamente. Quando acordei, estava passando Sinhá Moça. A novela está sendo reprisada no Vale a Pena Ver de Novo, mas é uma novela MUITO recente. Passou e eu já tinha meu filho, e ele já ia ao berçário. Se ele começou a ir ao berçário em agosto de 2006, significa que a novela passou agora. Não deu tempo nem de esquecer a história. Ainda bem, já que hoje foi uma excessão aos meus dias normais. Juntando o descanso de ontem com o de hoje, deu para renovar um pouco e estar preparada amanhã para treinar a 3a. empregada no intervalo de sete dias.

A saga - continuação

Estou eu em casa, preparando as crianças para o banho e com a janta engatilhada. Toca a campainha. Surpresa: a empregada que viria às 3as., 4as. e 6as. já pediu demissão. Gente, juro que parece macumba. Na sexta-feira ainda pedi ao Peste para me observar, para ver se eu trato mal as pessoas, se falo alguma coisa errada. Aliás, procurei nem falar com a mulher. Mas como escreveu o Ivan Angelo na crônica da Vejinha ontem, há empregadas que também saem por conta das poucas palavras dos patrões. A desculpa da Nina: o pai está doente e ela terá de viajar. Seguinte: salário mínimo, registro em carteira, sem desconto do INSS, condução e trabalho por TRÊS dias por semana. Lá se foi mais uma. Já liguei imediatamente para outra. Começa amanhã. Vamos esperar para ver por quantos dias.

Domingo de bosta

Segundo as teorias do meu irmão, não devemos reclamar. Mas relatar não está proibido em seu manual. Portanto, vou relatar o meu domingo. Voltamos da festa no sábado e estava muito chateada com o marido. É um saco você ser muito sociável e ser casada com o seu oposto ao extremo. Marido é muito anti-social, antipático e chega até a ser grosseiro. Assim, dormi mal a noite tentando digerir anos e anos de casamento com alguém tão oposto a mim e percebendo o quanto me afastei da vida dos humanos por conta dele. Quando o dia amanheceu, estava triste. Fiquei na cama chorando, refletindo na vida. Este tempo é bom, pois é uma auto-terapia, é um tempo em que vamos descobrindo aquilo que nos incomoda para depois colocar tudo num vulcão e deixar a erupção rolar. Calma, ainda não rolou. A tarde chamei as crianças para ir ao shopping comigo e marido quis ir junto. Já que ele quer ser caipira e não falar com ninguém, que não fale nem comigo. Ou fale, mas não respondo. Shopping lotado. Eu sou muito burra, pois já sei como são shoppings domingos a tarde. Por quê não fiquei em casa tirando catota do nariz? Voltamos para casa, brinquei bastante com meu melequentinho e as crianças dormiram cedo, como sempre. O ballet da escola deles ontem apareceria no Gugu. Eu, burra que sou (várias vezes burra), resolvi assistir ao ballet. Não imaginava que o Gugu agora era um programa de calouros, como o Silvio Santos na minha infância. Chato, ruim, brega, de má qualidade e mal gosto. ODIEI. Ao final das contas, eram seis apresentações e a escola das crianças ganhou. Não porque era uma boa apresentação. Mas porque os jurados (entre eles os batidos Sérgio Malandro e Mara Maravilha) diziam que "adoram criancinhas". Ainda bem que hoje é segunda-feira...

domingo, 28 de março de 2010

Qualquer minuto faz a diferença


Dia desses liguei a televisão e parei no GNT. Passava o programa da Astrid e no exato momento, um artista (que não sei quem é) contava sobre uma experiência interessante da sua vida. Um dia, na adolescência, chegou a conclusão de que estava apaixonado por uma mulher e decidiu pedi-la para namorar. Era um sábado ensolarado e a vontade de surfar falou mais alto. Desceu até o litoral, passou o final de semana curtindo as ondas e voltou no domingo a noite para iniciar aquele que seria o romance da sua vida. Só que a moça tinha sido pedida em namoro no sábado a noite e com aquele namorado casou e teve filhos. O artista em questão ficou a ver navios.

Como um segundo faz diferença nas nossas vidas. Na minha busca por alguém para trabalhar em casa, parei na janela e perguntava por alguém para qualquer pessoa que passava pelo condomínio. Na quinta-feira, a funcionária da minha vizinha veio em casa e disse que tinha uma prima para trabalhar. Disse a ela que a prima poderia começar no dia seguinte, assim, às escuras. Na mesma quinta, ao fim do dia, consegui a pessoa para começar na sexta. E a prima me liga na sexta, por volta de 11 da manhã. Era tarde. Deu dó, pois ela disse que precisava muito trabalhar. Mas quis aproveitar aquela sexta-feira para resolver suas pendências no último dia livre. E assim ficou sem o emprego.

Não podemos deixar nada para amanhã, principalmente quando se trata de coisas importantes. O momento é sempre aqui e agora!

A festa

Às vezes, pensamos em fazer uma festa e a preocupação maior é sempre a comida. O que servir? Ontem cheguei a conclusão que a comida é a parte menos importante de uma reunião festiva. Para comemorar qualquer coisa, basta reunir um grupo de pessoas legais. Não importa o lugar, não importa o que se come. Importa sim é o prazer de estar em boa companhia. Fomos à festa da Gabi. O buffet era bem pertinho de casa, pequenino e bem simples. As crianças se divertiram muito e todos estavam felizes. Para mim não foi diferente. Papo agradável, demos boas risadas. Não vejo a hora de terminar minha casa, pois de uma coisa não abrirei mão: voltar a ter vida social!
a imagem mais singela: Gabi (a aniversariante), Lucas, Leleco e Pietra
(faltou o Pedro, que estava pintando o rosto de palhacinho)

sábado, 27 de março de 2010

O tempo passou? Não. Voou.

Fico chocaca quando me deparo com as passagens do tempo. Tudo voa. Eu ainda tenho 35 anos, mas tanta coisa já se passou. Estava lendo bobagens na internet e eis que me deparo com a notícia: "Eduardo Moscóvis terá papel em remake de TITITI". Gente, quem tem minha idade com certeza se lembra dos costureiros Jaques Leclair (será que se escreve assim?) e Vítor Valentin. E a abertura da novela, que provavelmente deve ter sido criada pelo Hans, onde tesouras se cruzam recortando pedaços de tecidos. A música? "Se pintar um negócio na esquina, corre e vê se estou lá na China...". Nossa, lembro-me de tantas coisas desta novela, parece tudo tão atual. É, não é a toa que tem tantas crianças me chamando de tia... tantos adolescentes me chamando de tia... e gente que insiste em me chamar de D. Úrsula. Ah, D. Úrsula não dá. Esse negócio de dona é para dondoca, madame ou velha. E o único momento que me sinto e assumo minha velhice, é na hora do meu sono. Na hora do sono, não há dona que resista...

Quer ser meu amigo?


Não são muitos os blogs de pessoas "anônimas" que acompanho. Os poucos, porém, são porque gosto, porque me identifico com o que as pessoas escrevem ou simplesmente admiro o que está escrito e a forma com a qual se escreveu. Dia desses, li um desabafo de uma pessoa que não conheço, mas conheço um pouco por blog. Falando sobre amizades que se vão. Amizade é algo fundamental e imprescindível na vida do ser humano. Não sei se no reino animal também existe amizade, mas para nós, é parte integrante das nossas vidas. Como o ser humano é falho, a amizade é falha, assim como o casamento. Só o amor de uma mãe por um filho é infinitamente verdadeiro e para sempre. E até disto eu duvido. O resto é temporário.

Uma amizade surge do nada. As pessoas se conhecem e começam a ficar amigas. Não existe um pedido para ser amigo. Assim como não se desmancha uma amizade com uma frase: "a partir de hoje, não sou mais seu amigo".

Em 35 anos tive muitos amigos e amigas. Que se foram, assim como se foram escolas que estudei, lugares em que morei. Foram e não voltaram, pois amizade não volta. Quando é para ficar, é eterna.

Por conta dos tombos que já tomei com amigos, hoje sou uma pessoa muito desconfiada, que mantém a guarda muito fechada. Acho que é coisa da idade, vamos aprendendo o quanto o indivíduo é falível e individualista, e vamos aprendendo a ponderar, a pesar um pouco mais antes de chamar alguém de amigo.

Tive amigas que me acompanharam por todo o ginásio. Abandonaram-me no colegial, pois ficaram amigas de gente que tinha casa na praia. Eu só tinha uma amizade para oferecer e nada mais. No colegial, fiz novas amigas e uma delas foi madrinha da minha filha, que me abandonou por egoísmo e individualismo. Depois fiz outra grande amiga, no trabalho. Éramos unha e carne, vivemos muitas coisas juntas, somos comadres, mas um dia ela me traiu. Fez fofoca de mim para meu marido, achando que ele não sabia de uma situação boba que eu estava vivendo. Se deu mal. Poderia ter contado ao marido dela o número de vezes em que ela o traiu. O que eu ganharia com isto? Acho que meu silêncio doeu mais. Terminei a amizade formalmente por email. Outra amiga de infância ficou grávida. Dei total apoio para ela ao ir morar junto com o namorado, ao traí-lo com um homem casado, ofereci minha casa para encontros secretos. E o novo namorado, o tal homem casado, traiu minha confiança dentro da minha própria casa envolvendo o que existia de mais sagrado para mim: minha filha, que tinha apenas um mês de vida.

Sempre preferi amizades com homens. Tive inúmeras. Os homens foram meus melhores amigos e minhas amizades masculinas terminaram quando me casei. Amizade entre um homem e uma mulher sempre tem passagem por um motel, sempre. Preferi abdicar dos amigos para viver um casamento feliz. Sábia decisão, que jamais me arrependi de ter tomado. Os amigos que viraram colegas virtuais fazem parte da minha história. E com eles nunca houve traição.

Sei que faz parte da vida e ainda, infelizmente, verei meus filhos sendo traídos. Por amigos, por namorados ou namoradas, por familiares. Faz parte da vida, aconteceu comigo, aconteceu com você, que está lendo este texto, aconteceu e acontecerá com qualquer indivíduo. Faz parte.

Só não vale, porém, perder a crença no ser humano. Há que ser mais ressabiado, entrar menos de corpo e alma nas relações, conhecer o terreno onde se pisa aos poucos. Dessa maneira, as coisas tendem a dar menos errado. Mesmo assim, faz parte.

Vida em família

Ontem estava de saco cheio de tanta bagunça e sujeira em casa (sujeira por causa do pó gerado pela raspagem das portas). Deixei a Nina com o Peste em casa e me mandei. Peguei as crianças na escola, passei na vidraçaria para saber quando é que entregarão meus espelhos da sala e do hall e fomos ao cinema. Assistimos a um filme lindo, "Como treinar um dragão". Amo filmes infantis que deixam lições de vida. As crianças também adoraram. Só acho um pouco cansativo assistir a um filme em 3D. Ao final, estamos com as vistas bem esgotadas. Passamos nas Americanas para comprar os ovos de Páscoa das crianças. Já tinha tentado comprá-los durante o dia, mas só passei nervoso no supermercado. Fui com eles e cada um escolheu o seu. Comprei um para o marido também, chocolate branco, como ele adora. Voltamos para casa já "comidos"; as crianças tomaram banho e dormiram. Esperei marido chegar para assistirmos a um filme "um pouco velhinho", mas que ainda não tínhamos assistido: "Quem quer ser um milionário?". Eu só assisti o primeiro tempo. Dormi de cansaço. E de sono. Acordei no meio da madrugada para saber o resultado do julgamento e voltei ao sono com o coração mais em paz.

Levantei hoje inspirada. Queria comer comida mexicana. Chilli. Marido comprou os nachos e eu fiz a comidinha. Com direito a Tabasco. Muito Tabasco. Comemos na nossa sacada, que já está limpa e livre de obras. Olha a cara das crianças comendo:


Hoje chegou o adesivo/lousa para o escritório. Fiquei um pouco triste, pois a Playstick enviou o adesivo sem um canudo rígido, de forma que ele deformou em um pedaço e não consegui tirar o estrago. Não compro mais nesta loja. O Peste ontem pregou o organizador do escritório para mim. Agora falta ainda tapete e cadeiras. Vou aguardar o mês de abril, já que tenho mil e quinhentos dinheiros de bônus da ETNA para gastar. Iuuupppiii!!!! Olha a foto (mal tirada) do escritório:

Agora vou assistir o dr. Luiz Flávio no Jornal Hoje e dormir um pouquinho. A noite temos festinha da Gabi, amiguinha do Leleco. Qualquer novidade, eu volto. Prometo. Juro. Acreditem!!!

Caso Isabella - meu desabafo final

Freud já teorizou há tantos anos que os culpados são os pais. A máxima é forte, porém verdadeira. Uma família recebe um filho em seu seio e esquece-se da sua maior missão divina: educá-lo para o mundo. Receber um filho é uma missão e não um presente. Quando não se cumpre todos os requisitos que esta missão possui, distorce-se o caminho, prejudicando e levando danos para tantas outras famílias.
Foi isso que aconteceu com as três famílias envolvidas diretamente na vida (e na morte) da pequena Isabella. De um lado a família de Ana Oliveira, estruturada, equilibrada, sólida, com valores éticos e morais, rodeada de princípios. A adolescente Ana engravida do então namorado Alexandre Nardoni, rapaz paparicado, mimado, oriundo de uma família com posses materiais e que não poupa para dar a ele tudo que ele deseja e muito além do que ele necessita. Materialmente. Faltou muita coisa. Faltou mostrar a ele como se cresce, como se transforma em homem; e que para construir uma família é preciso ser muito homem. É preciso saber sustentar uma família, e não dar o sustento alimentício - que nem disto ele era capaz; é preciso alicerçar sua família e ele não sabia o que era isto. Surge a terceira família, a de Anna Jatobá, desestruturada, desequilibrada, com passagens pela polícia por extelionato, com um histórico de pai e filha como frequentadores de delegacias para lavrar boletins de ocorrência caprichosos, um denunciando o outro.
A família perdeu o valor há muito tempo. Alexandre, o garanhão, acaba traindo a mãe de sua filha com a menininha mimada. O elemento traição foi novidade para minha pessoa. Seu romance com Jatobá começou em novembro de um ano, mas o fim da relação com Oliveira terminou apenas em março do ano seguinte, quando a pequena Isa tinha onze meses. O motivo do fim? Traição. O menino mimado se juntou à menina mimada, de família insana e desequilibrada. Foi a atração de dois pólos negativos. O ciúme doentio da nova namorada levou-a a uma gravidez e os dois passaram a brincar de casinha. Com o nascimento de mais dois inocentes, Pietro e Cauã, o casal viveu a relação de idas e vindas, de volta para casa de seus pais a cada briga, a cada discussão. Pais estes que eram chamados pelos próprios vizinhos para apartar as escandalosas brigas. Como ficam as crianças em uma relação assim? Bem, as crianças podem ser lançadas pela janela quando um dos dois estiver de saco cheio.
Assim foi-se embora a pequena e doce Isa. A mídia divulga que justiça foi feita. No Brasil? Jamais. Os cruéis e frios assassinos foram condenados. Cumprirão 1/3 de suas penas em sistema prisional, sustentados por nós. Voltarão muito em breve para, quiçá, dar cabo às duas crianças que restaram. Sabe-se lá. Quando Jabotá sair da prisão, seus filhos terão menos de 15 anos. Ela, menos de 40. Ele ainda será o moleque mimado, que voltará para a casa de seus pais, ou para um novo apartamento que ganhará dos mesmos. Terá carro, casa, comida, roupa lavada, passada e colinho da mamãe. Caso se canse da companheira de crime, encontrará outras menininhas. E a Carol? Esta, a segunda vítima do assassinato sórdido, viverá todos os anos da sua vida relembrando seu anjinho que se foi, sofrendo a cada aniversário de nascimento e de morte da sua filha, sempre imaginando como estaria sua menina se ainda fosse viva. Ela pode perdoar um dia, mas a dor é eterna.
Já vimos este filme antes. Aconteceu assim quando Guilherme de Pádua e sua então esposa Paula Thomáz assassinaram cruelmente, com dezoito tesouradas, a atriz Daniela Perez. O casal se separou, o filho foi criado pelos avós, ambos passaram alguns anos vivendo aprisionados às custas do Estado - ou às nossas - conseguiram o indulto e voltaram a ser réus primários. Ficha limpa para ambos. Vivem suas vidas tranquilamente em algum lugar por aí, enquanto a mãe da Daniela se engajou em todas as campanhas nas quais pais perdem cruelmente seus filhos. Esteve com os pais de Ives apenas alguns anos depois. Lutou com a Cleide, mãe da Gabriela, antes da Cleide ser levada para junto da filha, esteve presente na luta pelo pequeno João Hélio, tornou-se grande amiga da família Oliveira. Isto é fuga. É dor que não se consola.
Pelas leis da doutrina espírita, todas as vítimas - as que foram e as que ficaram - possuem ligações anteriores e estão aqui para resolver o que ficou sem solução em outras vidas. Busco evoluir para entender esta relação de causa e efeito, mas não consigo. Não aceito pagar por algo que não sei que fiz. Prefiro que me diga o que devo e me esforço para acertar as contas. Em mim, resta sempre a pergunta: por quê?
Durante esta última semana, estive atenta, minuto a minuto. Conectei-me aos portais Terra, Globo, Estadão e UOL. Passei 24hs de cada dia ligada ao Twitter, acompanhando as meninas do Caso Isabella, ao prof. dr. Luiz Flávio Gomez e a Glória Perez. De tudo que li, aprendi que o individualismo das pessoas é cruel e fere. A vereadora paulistana Soninha Francine declarou no Twiter que a comoção pública e o desejo de acompanhar pessoalmente o caso é falta de terapia. Graças a Deus que ela tem seus três filhos juntos de si. Pessoas se envolvem por humanismo, por inconformismo, por clamar pela justiça, por imaginar que amanhã podem ser elas sentadas no banco de acusação, precisando da solidariedade do povo.
Eu, particularmente, me envolvo pelo fato de ter a minha Isa. Que poderia também ter sido um dia lançada aos tubarões, que também foi vítima de um pai biológico imaturo e irresponsável, com uma namorada ciumenta e passional, com uma família que acobertava qualquer ato de imaturidade ou infantilidade que o filho moleque cometia. Deus me deu a chance de recomeçar e ter a minha Isa sempre junto de mim. Ciúme e passionalidade matam. Estes elementos levaram para sempre a pequena Isa do seio da sua família que tanto a amava, e que para sempre a amará.
Ninguém conhece a alma de ninguém. Tampouco nos auto-conhecemos. É muito difícil julgar pessoas. Temos que buscar o perdão e seguir nossos caminhos, trilhando-os da melhor maneira possível, alicerçando nossas famílias e criando nossos filhos para serem cidadãos de bem no amanhã que se aproxima.
Encerro este desabafo dizendo que me orgulho de saber que nosso país conta com um jurista como o dr. Cembranelli. Faria todos os anos de Direito novamente se tivesse certeza que o teria como professor, não importa de que disciplina. Só quem acompanhou o caso Isabella e todo o julgamento é capaz de entender a grandeza e o humanismo deste homem. Fica aqui os meus parabéns ao doutor e à todos os envolvidos nesta condenação. Que agora cada um siga seu caminho, buscando sua paz interior.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Excitação

Não encontro outra palavra para nomear meu estado hoje. O Peste chegou logo depois da Nina e em seguida chegou um funcionário da Tecnum para FINALMENTE dar acabamento na minha sacada. Estou aguardando o marceneiro, que me garantiu que viria. Estou com o projeto prontinho, basta ele me dar o valor e eu lhe dar os cheques. Mais cheques. Os últimos cheques que darei por este apartamento. Ao todo foram quatro talões. OITENTA FOLHAS DE CHEQUES. De todos, faltam apenas QUATRO deles para compensar. O melhor de tudo, o dinheiro para a compensação dos meninos já está lá na conta, só basta eles cairem. Que sensação de missão cumprida. Vou sair daqui a pouco para pegar dinheiro no banco pra pagar o Peste. Aproveito para marcar manicure. Vou fazer as mãos, buscarei as crianças mais cedo na escola. Almoçaremos juntos (DELÍCIA, AMO), depois vamos ao cinema (AMO TAMBÉM) e quando chegarmos, já ao final do dia, tomaremos um delicioso banho, colocaremos nossos pijamas cheirosos e horizontaremos nossos esqueletos na minha cama para assistir desenhos! Só de pensar que 2a. feira não virá NINGUÉM fazer obra aqui, perco até a respiração de alegria! O fim está próximo. E eu que achava que o fim do mundo chegaria antes do fim da obra do Solar. Claro que faltarão coisas para eu fazer. Só que marido falou muito certo: CHEGA, VOCÊ NÃO AGUENTA MAIS. Tive que aceitar e ficar quieta, pois realmente, não aguento mais. ÁGUA! JÁ!

Dia Feliz


A mensagem do dia de hoje é: http://www.aempregadanovaveio.com.br/.


Gente, nem acreditei quando tocou a campainha às 7h50. Já estava em pé tinha uma hora. Tirei a roupa da secadora, fiz umas medições para o armário do quarto de empregada, tirei comidas vencidas da geladeira, guardei as bagunças espalhadas de ontem. Enfim, dei uma geral na bagunça e sentei. Quando ia começar a rezar para não ter que limpar a casa, toca a campainha. Nem preciso dizer como foi o meu sorriso. E N O R M E. A empregada nova chama-se Nina. E Nina é o nome de uma das melhores empregadas que tive. Só que, como sempre me acontece, as boas empregadas evaporam. Assim foi a Nina. Vamos ver a nova. Ela é casada, tem uma filha de 16 anos, não fica reclamando da vida. É de Alagoas, está há 13 anos em SP. Trabalhará na minha casa 3a., 4a. e 6a. e os outros dois dias na casa da minha vizinha de torre. Percebi que ela fala mais que a mulher da cobra. Como preciso trabalhar e estudar, se estou em casa, resolvo o problema com um fone de ouvido ou com a porta do meu escritório fechada. Ela está limpando o quarto do Leleco e, ACREDITEM, está limpando o armário (primeiro dia de empregada é tudo na vida de uma dona de casa). Agradeço pelas orações feitas por mim (e quem não fez, faça agora, please, para que a Nina e eu tenhamos um casamento duradouro).


Cheia de esperanças, sem mais para o momento, me despeço!!!!!!!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Para encerrar o dia...

Estou louca para brincar de imigar o Bonner: horizontar o esqueleto. Só não vou colocar pijama listrado. Vou tomar meu banho e me deitar (ok, são 19h14), mas antes não poderia deixar de escrever coisas boas:

- a empregada nova começa amanhã
- a empregada nova começa amanhã
- a empregada nova começa amanhã
- 3a. feira entregarão os móveis da minha sacada
- na outra semana fecharão a sacada
- amanhã o Peste termina de pintar tudo que tem que pintar
- na semana que instalarão a sacada, colocarão o papel de parede do meu lavabo
- amanhã receberemos oficialmente quase todas as áreas do condomínio (o que não significa que liberarão para uso)
- amanhã o marceneiro vem em casa ver o estrago do meu armário, fazer o desenho do móvel do lavabo (que vou copiar a idéia da Fê) e fazer o orçamento do meu quartinho de empregada/ guarda tralhas/ despensa
- semana que vem instalam os espelhos da sala
- semana que vem instalam os espelhos do hall
- semana que vem instalam o espelho do lavabo
- semana que vem chegam os adesivos engraçados de banheiro e o do escritório
- amanhã o Peste vai instalar meu organizador MARA de escritório (e depois posto as fotos)
- amanhã termina a semana, mas hoje acabou o período de maus agouros
- amanhã começa a empregada nova
- amanhã começa a empregada nova

A M É M! FUI!

Apresentando: PESTE


Este é o Peste, o cabra (da Peste) que está carinhosamente trabalhando na minha casa e na da Fê (a vizinha do 11). Em carne, osso e tinta!!!! Valeu Peste, acho que nunca vamos terminar a obra só para nunca ficarmos sem você!!!!

Louca? Eu?


Quem nunca cometeu atos de loucura ou teve momentos insanos na vida, que levante a mão. Ok, não vi nenhuma mão levantada. Portanto, o mundo é uma loucura generalizada. Há várias coisas que podem enlouquecer um indivíduo e uma das coisas que mais me enlouquece é... FICAR SEM EMPREGADA. Depois que voltei do inglês com as crianças (já com várias abordagens e pré-candidatas), o rapaz que está fazendo o envidraçamento das sacadas do condomínio me chamou por torpedo para ver a primeira janela instalada. Delirei. Eu e todo mundo que apareceu nas sacadas para olhar. Comecei a recrutar empregadas. Pedi para meus vizinhos que, se tivessem alguma pessoa trabalhando em suas casas, fizessem-me a gentileza de perguntar se tinham alguém para indicar. Eis que consegui. EU CONSEGUI. Estou super animada. A Nina começará amanhã. Virá só três dias por semana, o que para mim é ideal. Pagarei o salário mínimo, registrado e com condução. Ela é baiana, portanto, porreta. Já conhece o apartamento, já sabe que o condomínio está em obra e já sabe que as obras internas estão longe de acabar. Na casa que ela já trabalha, também houve um BIG problema de infiltração e tudo está ruindo, tal como no Solar. Portanto, hoje o dia rendeu MUITO! Estou feliz, empolgada, animada e não deixarei nenhuma mandinga estragar meu estado de espírito. Lembrei-me de uma frase que falávamos MUITO quando trabalhava na KPMG Consulting: "nada, mas nada neste mundo hoje vai abalar a minha alegria e a minha felicidade". Amém.

Meus afazeres

Estava conversando hoje com uma futura vizinha. Já nos conhecemos de outros carnavais, uma vez que nossos filhos estudaram juntos. Ambas estavam trocando idéias sobre afazeres, quando a Amanda me disse que listou os seus. Resolvi copiar:

1. Acordar os filhos
2. Preparar os uniformes
3. Trocá-los
4. Dar o leite matinal
5. Colocá-los para escovar os dentes
6. Levá-los para a escola

(SÃO SEIS E QUINZE DA MANHÃ)

A rotina muda de dia para dia, mas os itens relacionados aos filhos e ao marido são diários.

7. Pagar as contas de casa
8. Cuidar da obra
9. Contratar os serviços
10. Fazer compras de mercado
11. Cuidar da documentação, armazenagem e arquivo
12. Lavar roupas (com ou sem empregada, só eu lavo roupas em casa)
13. Organizar roupas e brinquedos das crianças
14. Organizar as coisas do marido
15. Organizar minhas coisas
16. Pensar e executar: O QUE COMEREMOS HOJE A NOITE
17. Fiscalizar ou EXECUTAR a limpeza diária da casa
18. Contratar e treinar a nova empregada (serviço semanal, praticamente)
19. Preparar minhas aulas
20. Ministrar minhas aulas
21. Preparar as provas dos meus alunos
22. Corrigir provas
23. Participar de reuniões de planejamento na escola
24. Preparar atividades extra-aula para a escola
25. Levar as crianças ao médico (atividade quase que semanal)
26. Ministrar remédios nas crianças (atividade quase que diária)
27. Levar as crianças ao dentista
28. Ir ao dentista
29. Buscar as crianças na escola
30. Levar as crianças para o inglês
31. Preparar as mochilas de escola das crianças
32. Preparar as mochilas dos esportes das crianças (não esquecer dos dias que há natação duas vezes e colocar dois jogos de roupas de natação)
33. Dar lanche da tarde para as crianças
34. Brincar com as crianças
35. Ler livros de histórias para as crianças
36. Estudar para a pós
37. Ir às aulas da pós
38. Fazer o TCC da pós
39. Ter vida social
40. Fazer vistoria no Ápice todas as 6as. feiras
41. Ir até a engenharia narrar os problemas do apartamento (tarefa quase que diária)
42. Fazer o conta-corrente (tarefa quase que diária)
43. Atender gentilmente a todos os condôminos que me procuram diariamente
44. Responder a todas as mensagens recebidas diariamente (não passa de 100)
45. Acompanhar o Twitter
46. Blogar
47. Ler os blogs que amo
48. Ler notícias e me manter atualizada
49. Tomar banho (tarefa obrigatoriamente diária)
50. Comer (tarefa de hora em hora)
51. Fazer academia (tarefa não executada)
52. Falar com o marido pela manhã e pela tarde
53. Dar atenção para o marido a noite
54. Dar e receber amor com o marido
55. Administrar a empregada
56. Verificar se todos os afazeres de casa
57. Fazer comida
58. Viver (de vez em quando)

Amém, chegou o fim do dia. Vou orar e dormir.

Caso Isabella Nardoni

Gente, está me dando nojo acompanhar por blog, por sites, pelo twitter. Estou impressionada com a cara de pau do (como chama a mídia) pai biológico da menina. O cara é frio, calculista, mentiroso, contraditório, sórdido. O pai e o advogado do cara são os piores. Como conseguem sustentar por dois anos tantas mentiras? Pena que o advogado não foi apedrejado ontem. Pena. Por falar no infeliz, estava voltando do trabalho e ele estava entrando no Fórum. Acho que voltava do almoço. Dá uma vontade de cuspir na cara de gente assim.
Quando entrei na faculdade de Direito, comecei a me apaixonar por tudo que aprendia, por tudo que tomava conhecimento. Aprendi coisas históricas fantásticas em Direito Romano, Constitucional, em Teoria Geral do Estado. Eis que chega o 2o. ano e sou introduzida à cadeira de Direito Penal. O professor, dr. Guaracy, foi um dos melhores professores que já tive, desde o jardim da infância e incluindo as quatro faculdades que estudei. Mas a matéria me dava nojo conforme o tempo passava. No terceiro ano, começamos a ter mais uma disciplina nojenta: Direito Processual Penal. Quando se começa a entender o jogo sujo por detrás de tudo, dá vontade de vomitar em toda aula. Também tive um professor maravilhoso nesta disciplina, que foi o dr. Marco Aurélio. E no quarto ano, as duas disciplinas continuaram. No quinto ano tranquei a faculdade. Nunca mais voltei.
Muita gente me pergunta o porquê de ter trancado e não voltado mais, já na reta final. O Direito me ensinou muito. Me fez crescer demais. Me deu subsídios para uma vida mais justa, mais íntegra, e mais revoltante. Por quê? Porque não nasci para defender bandido, tampouco para ver alguém defendendo-os. Sei que há outras inúmeras áreas no Direito, que para mim é uma das mais bonitas ciências. Só que há coisas que bastam. Foi o que aconteceu comigo. Bastou.
Continuo nas minhas orações, pela condenação absoluta dos réus.

Pequenas poças d'água que levam carros


Estava quase na hora de sair para buscar as crianças na escola e levá-los ao inglês. De repente, tudo escureceu. Fechei as janelas dos quartos. A Dita Úrsula já tinha lavado as sacadas, limpado os quartos das crianças e os banheiros dos dois. Deixei o Peste pintando uns arremates na sala e cá vim eu me aventurar. Passei na padaria e estava saindo uma ciabatta quentinha. Recheada com presunto, queijo e alface. Super saudável. Comprei para mim e para as crianças, claro que acompanhando uma boa Coca. Cheguei na porta da escola e tive de subir na calçada, tamanho o alagamento. A CBN anunciou: chove forte nas Zonas Oeste, Sul e região Central de SP. Na Zona Norte, pequenas quedas d'água. Senhor, o mundo caia sobre minha cabeça e a jornalista chamando de PEQUENAS QUEDAS D'ÁGUA? O que serão grandes quedas? Consegui colocar os pintos, digo, os filhos dentro do carro. Mas não dava para chegar até a escola de inglês, que fica no topo de uma subida. Senhor (parte 2). Chegamos. Eles engoliram o delicioso lanche. E ainda bem que trouxe meu computador para narrar este episódio e fazer com que o tempo passe mais rápido. Ah, em tempo. Tirei hoje uma foto do Peste. Mas por praga dele, não acho o cabo para transferir a foto para o computador. E o leitor de cartão deste computador precisa de um adaptador para o cartão da máquina. Ou seja, vamos desfazer a mandinga do Peste.

Procura-se pela verdadeira Rose desesperadamente


A empregada "Danete" chama-se Rose. E como ontem praticamente não fiquei em casa, só hoje soube de mais histórias da Rose. Ela saiu da casa anterior onde trabalhava, pois disse que a patroa negava comida a ela. O que não foi o meu caso. Só pedi para que ela não comesse os lanches das crianças. Ela conversou com o Peste antes de ir embora e disse para ele que na casa onde trabalhava, tinha patrões maravilhosos e sentava-se a mesa para comer com a família. Mentira dela. A empregada da Margarete, que me indicou a "Danete", tem tais regalias na casa e a amiga, por inveja ou loucura, incorporou um personagem. Fico na verdade com dó, com pena de pessoas bipolares. Não bipolares como eu ou tantos outros doidos que há por aí. Bipolares psicóticos! Enfim... this is my life!


Na verdade, eu sempre AMEI os Jetsons e sempre sonhei com aquele mundo MARA em que eles vivem. E descobri que para que a felicidade de uma família seja completa, basta termos uma Rose em nossas vidas. Mas não uma Rose Danete...

25 de Março


Vindo do flat para casa pela manhã, ouvi na CBN uma notícia que mudou o rumo do meu dia: hoje é aniversário de 145 anos da rua 25 de Março. Sei que há uma infinidade de pessoas que amam aquele lugar. Tive a infelicidade de estar lá por duas vezes na vida. A primeira, foi a trabalho. A segunda, foi para tentar desfazer a má impressão da primeira. E a próxima será na próxima vida. Aqui em casa procuramos ser o mais politicamente corretos. Pagamos todos nossos impostos, não sonegamos nem um centavinho sequer. Não compramos nada falsificado e educamos nossos filhos para que eles entendam o ciclo de pessoas lesadas em algo falsificado. Sem contar que não presta. Marido viaja duas vezes por ano para fora. Uma pra China. Outra para os EUA. E adivinhem o que ele se limita a trazer em cada uma das viagens? Sua cota permitida: 500 dólares. Só. Não adianta chorar, pedir, chantagear. Ele não ultrapassa a cota e ponto. Venho de uma família de gente honesta, não temos contraventores na família. Já nos bastam os doidos. Mas marido e sogro ultrapassam os limites. No começo estranhei a rigidez dos dois com algumas coisas. Hoje entendo, apoio e pratico. Marido já me explicou que nem tudo que se vende na twentyfive é falsificado, mas tudo que se vende na twentyfive é mais barato porque não paga imposto, porque não registra funcionário, porque existe uma cadeia de gente sendo lesada por detrás do preço baixo. Fora tudo isso, não nasci pra viver na muvuca. Prefiro esperar para ter alguma coisa quando vender no shopping e meu dinheiro conseguir comprar. Confesso que dá uma invejinha das amigas quando chegam com coisas muito baratas e que não acho em loja nenhuma que não esteja na twentyfive. Então, peço emprestado e tudo fica resolvido. Mas como aniversariante tem que ganhar parabéns, vamos lá: PARABÉNS TWENTYFIVE! Você é uma muvuca, mas tem seus méritos. Pode crer!

Notícias boas


Minha cunhadinha pediu pra eu escrever um post com coisas boas. Então, dedico este post a ela. Ontem a casa estava O CAOS. O Peste passando gesso, lixando porta, argamassa pra todo lado. A sacada ainda tinha a sujeira que a marmoraria deixou para a empregada, ops, para eu limpar. Olhei para todo lado e não via saída. Até que uma luz apareceu repentinamente na minha frente. Peguei o telefone e liguei no flat, o mesmo que nos hospedamos no final do ano enquanto não tínhamos chuveiro e cama aqui no Solar. Havia dois apartamentos disponíveis, ambos com camas de solteiro. Reservei um. Liguei para o marido, que não me atendeu. Passei email e comuniquei o endereço de onde dormiríamos. Preparei uma mochila com pijamas (4), uniformes (2), roupa pro marido trabalhar, roupa pra eu usar hoje, escovas de dentes, shampoo, creme, escova de cabelo, máscaras para dormir, almofadinhas para o pequeno, Toddynho das crianças (ainda bem que a empregada não tomou), meu fiel e inseparável computador (ok, esqueci a internet 3G, o que fez o computador apenas ir passear). Passei na escola das crianças e já peguei os dois com um belo lanche no estômago. Eram 17h30. Chegamos no flat. Tudo limpinho, meus oito travesseiros em cima da cama de solteiro. Nem sombra de sujeira, nem vestígios de obra. Dei banho nas crianças, liguei a tevê, dei para eles um saco cheio de bugigangas: chocolates, salgadinhos, sucos etc. Entrei no banho, sentei no chão (banheira de pobre, lembra?) e tomei um banho de 20 minutos. Depois pedi o jantar no quarto: estrogonofe! Jantei. As crianças não quiseram comer. Dormiram. Coloquei o iPod no ouvido e continuei meu audiolivro "Há 2000 anos". Marido chegou, não quis jantar. Tomou banho e dormimos, com o ar condicionado refrescando nossos corpos horizontalizados na cama de solteiro limpa e cheirosa. Acordamos cedo hoje e cada um seguiu seu destino. O meu? Lelê, lelê, lelelelelelê...

quarta-feira, 24 de março de 2010

O novo dia começa em cada momento das nossas vidas

Fui trabalhar logo cedo. Assim como em todos os outros dias, já acordei cansada. É tanta coisa que me cansa, me desgasta e fico buscando solução para tudo, sempre. Tenho uma saga com empregada e não sei contar quantas já tive, entre empregadas, babás, faxineiras, diaristas, mensalistas, horistas (sim, na Europa pagávamos por hora para a ajudante do lar). Quando começa uma pessoa nova a trabalhar em casa, já tenho até desânimo. Já incorporei a lei da atração. Sei que a pessoa não vai funcionar e já desanimo. Ok, tenho que mudar meu pensamento, mas como? Há dois dias, começou a empregada nova. Já tive certeza no primeiro dia que ela não ficaria até o início do mês que vem. Como uma pessoa que está desempregada, com o marido doente, dois filhos pra sustentar, pode reclamar que a casa está em obras? Ontem fui fazer a compra semanal de lanches para as crianças levarem para a escola. Meus dois filhos ODEIAM comprar lanche na cantina da escola (quem me dera ter podido comprar na minha infância). De tal modo que sobra para mim comprar os quitutes. E é difícil, depois de dez anos preparando lancheiras, não sabemos mais o que inventar. As crianças enjoam dos lanches, a gente enjoa de colocá-los nas lancheiras. Preparo quatro lanches por dia. Dois para a parte da manhã e dois para a da tarde. Mais o que eles comem antes de ir para a escola, que precisa ser um achocolatado, um iogurte, um queijinho, enfim, tudo precisa ser prático. Voltei ontem do mercado com as compras e guardei tudo. A noite, vou preparar as lancheiras e ONDE ESTÁ O DANETE QUE VAI NA LANCHEIRA? A empregada nova comeu. Fiquei puta. Não é mesquinharia da minha parte, é abuso e invasão por parte da empregada. Como alguém abre a geladeira na casa de outra pessoa e come o Danete da criança? Fui trabalhar hoje e deixei um bilhete na geladeira para a moça. E de forma bastante gentil: "Rose, pode comer a carne ou o peixe que estão na geladeira, fazer algo novo se quiser, pode comer pães, frutas, mas por favor, não coma os lanches das crianças - salgadinhos, bolachas e iogurtes". Cheguei do trabalho e a empregada tinha se demitido. Deixou a chave com o Peste e disse que ia embora. Deixou um bilhete dizendo que NÃO COMEU NADA. Quem comeu? O fantasma? Poderíamos até brincar, eu e a Fê, que foi o Peste que comeu. Só que o coitado ontem nem apareceu por aqui.
Moral da história: empregadas me irritam. Tenho profunda ojeriza a ter alguém estranho em casa. Só tenho por precisar. Só que decidi abrir uma conta na 5àSec, serviço de retirada e entrega, contratar uma pessoa para limpar apenas um dia por semana e manter a casa intacta e sem ninguém para me irritar nos outros dias.
Amanhã vou vestir a roupa de "Isaura" e faxinar. E estou feliz por isto, acreditem. Estou feliz pois, ao final do dia, não terei pago ninguém para fazer as coisas que nem o nariz, a casa estará limpa do jeito que eu gosto e ninguém terá me irritado o dia inteiro.
VIVA A LIBERDADE!

terça-feira, 23 de março de 2010

Comunidade do momento: ESTOU TÃO CANSADA!



Passo o dia inteiro falando de comunidades. Papo de quem já foi viciada em Orkut e, no momento, busca sustentar o único vício - comer - dando uma paradinha básica na padaria da esquina. Fato é que ando cada dia mais cansada. Não sei se é estresse, estafa, cansaço, saco cheio. Sei que o dia aqui no Solar começa muito cedo, cinco e trinta da matina e todos os moradores estão acordados. Hoje, oito da manhã AINDA e eu já tinha ido até a reunião da escola da minha filha, ao supermercado fazer compras para a semana, ao depósito de construção comprar argamassa e enchido o tanque do carro. Ufa. Na verdade, já estava dentro do meu apartamento desembrulhando as compras. Acho que passo os dias esperando com que eles se acabem logo para que eu possa dormir. Só que me deito pensando nas mil e uma coisas que tenho para o dia seguinte. Estou sem vontade de estudar. Sem vontade de trabalhar. Pensando em fugir, pensando em férias, pensando em dormir. SOCORRO! Alguém pode fazer uma novena para que os problemas do Solar se resolvam, para que eu encontre novamente um eixo para tocar minha vida?

segunda-feira, 22 de março de 2010

O aniversário do contador de visitas da Pandinha

Limpando emails velhos da caixa de mensagem, encontrei o email de um ano atrás, quando fiz meu cadastro para colocar um contador de visitas no blog. Claro que não fui eu quem colocou o contador, o trabalho sujo tinha que ficar para meu irmão. Fiquei feliz ao ver que no período exato de um ano, meu blog teve 24100 visitas. O que dá uma média de 2 mil visitas por mês, sessenta e seis visitas por dia. Considerando que eu não sou nada e nem ninguém além de mim mesma, nunca sai na capa da Caras, nunca participei do BBB, nunca fui manchete do Estadão e nem da Folha de São Paulo, acho significativo ter um número tão grande de visitas. Obrigada para todos os leitores que ficam acompanhando minhas loucuras e devaneios. Obrigada pelos comentários feitos no blog e pelos inúmeros emails que recebo também comentando minhas "loucurinhas". Que o Blog da Pandinha complete 50 mil visitas nos próximos 365 dias!!!!

Ponto para a modernidade

O professor Luiz Flávio Gomes está dentro do tribunal onde daqui a instantes, iniciará o julgamento do casal Nardoni.

Vejam que interessante os tempos de hoje: o professor Doutor está publicando no twitter passo a passo do que acontece naquele tribunal. De modo que as notícias para os twitteiros chegarão muito antes que qualquer outra mídia.

É o futuro, minha gente!

Olha o que marido achou...

Recebi a mensagem do marido com o enunciado "olha o que eu achei" e fui logo pensando que era algum carro barato, já que a única coisa que ele tem feito além de trabalhar é pesquisar carros. Ruim não é pesquisar carros, é a indefinição sobre qual carro ele quer. Ontem ele chegou a cogitar comprar uma Doblô, carro que ele jamais gostou. Enfim, graças a Deus que a mensagem não era sobre carros... mas a foto de uma das melhores coisas da minha vida... meu bebezinho, que agora já tem 4 anos e um mês a mais que na foto:
Ele tinha uma cara de gnomo, de duende, de leprechaum, qualquer coisa do tipo, menos de bebê!

A obra inacabável do Solar

Acho que agora falta pouco. As portas de casa estão na fase final de pintura. Ok, é a 3a. vez que estão sendo pintadas as mesmas portas, mas é a última. Ainda não defini o que fazer em uma das paredes da sala. Marido acha que tem que ficar branca. Eu tenho certeza de que ela precisa de alguma coisa a mais. Mas o quê? Meus adesivos devem chegar logo, logo. Desisti de pintar os quartos das crianças. Também desisti do papel de parede do meu quarto. Agora só vou colocar o papel no lavabo (e quando digo "agora" quero dizer "neste exato momento em que estou escrevendo"). Os espelhos dos banheiros que estão faltando devem chegar nesta semana. Na semana que vem, chegam os da sala e do hall de entrada. Amo espelho. Se eu pudesse, moraria em uma casa espelhada. Danem-se os muitos quilos a mais que insistem em ficar colados no meu corpinho de sereia. Ainda estamos com o dilema armárioemboloradodocloset. Hoje, a Engenheira me disse que meu marceneiro está com preguiça de tirar o armário e, portanto, disse que o bolor vai sair. Que raiva. Nem no marceneiro se pode mais confiar. Hoje também começou a empregada nova. Passei a noite tendo pesadelos com ela, mas ela é muito mais esperta do que pareceu na "entrevista". Fico realmente com dó de uma empregada que começa a trabalhar em uma casa bem no dia em que estão sendo lixadas onze portas. A casa está uma poeira, uma sujeira, tudo branco e melecado. Amanhã colocarão a famigerada pingadeira/soleira na sacada. O cara pediu para comprar 2 sacos de argamassa. A moça que recebe o cheque disse que só um era o suficiente. Quem vou ouvir? O "Peste", que está pintando a casa e disse que é melhor comprar mais 20 quilos de argamassa. Ao todo? Vinte e cinco quilos. Valha-me Deus! Um dia tudo isso vai acabar e só sobrarão as histórias para darmos boas risadas. Enquanto isto, 'xeu ir comprar mais argamassa!

Os delírios de consumo da família Hummel

Ontem, depois de ter dormido por catorze horas initerruptas e saboreado uma deliciosa bacalhoada portuguesa, eu DORMIR! De novo! Foi um sono bem rapidinho, mas foi um sono MARA. Quando acordei, com uma energia que só eu sabia o quanto era, quis sair para procurar sofá para a sacada. Há meses que estou procurando o tal sofá, mas tenho o dom de gostar de coisas muito caras. Como o tal "dom" não vem acompanhado de dinheiro, fico na saudade. Meu vizinho tinha comprado um sofá legal, com um preço quase legal; super confortável, combinava com o ambiente e lá fomos nós. Achamos o sofá e compramos dois, de dois lugares cada (não sei para que comprar tanta coisa, se daqui dois anos terei de me desfazer de TUUUDOOO). Comprei também três pufes, sendo que um tem assento almofadado e tampa removível. Para meu filhotinho guardar brinquedos lá dentro e nos fazer companhia! O bom é que prometeram entregar dia 30. E como os vidros também devem ser entregues no dia 30, entrarei no mês de abril cheia de alegria!

domingo, 21 de março de 2010

Isabella Nardoni

Uma das piores coisas da vida é julgar alguém. Nestes dois anos, me abstive de julgar o casal Nardoni pela acusação do crime da pequena Isabella. Amanhã começa o julgamento mais esperado dos últimos tempos. Parte do país vai parar para assistí-lo. A mídia não mostra outra coisa nas últimas semanas.
Após ler e reler, ver e ouvir tantas coisas, não dá para ter dúvidas. Se não foram eles, quem foi então?
Acho interessante nesta história toda, o papel do pai de Alexandre, que defende ferrenhamente o filho e a nora como inocentes. Até onde vai o amor paterno por um filho? Supera o sentimento de justiça, de lealdade, de honestidade, de bom caráter?
Espero justiça. Quem tem filho, passou os últimos dois anos se questionando: "e se fosse comigo?".
Que Deus ilumine a alma, o espírito, o coração de todas as pessoas envolvidas no caso. A vida da pequena Isabella não voltará. Ela veio ao mundo com esta curta missão e não sabemos qual a ligação dela com o pai e a madrasta, para que sua estada neste mundo tenha sido interrompida de forma tão cruel. Deus sabe o que faz, sempre. E para tudo há uma explicação, mesmo que não esteja ao nosso alcance.

Brincando de escrever diário

Enquanto minha bacalhoada está no forno e a casa inteira cheirando MUITO BEM, vou falar um pouquinho de tudo. Ontem vieram instalar os espelhos dos banheiros. Como o dinheiro é pouco e os gastos são muitos, as coisas vão sendo feitas a medida em que os cheques pré-datados vão sendo compensados, para que eu possa passar novos. O rapaz trouxe os espelhos dos dois banheiros e faltou o do lavabo, que vem segunda-feira. Claro que no Solar dos Hummel, até instalar um espelho na parede vira problema. O espelho do banheiro das crianças não serviu. Deu uma diferença de 0,25 cm, e como mandei fazer bem rente à parede, gesso do teto e frontão da pia, não teve jeito, o espelho voltou. Durante esta semana, nosso banheiro foi totalmente quebrado, mas sexta-feira colocaram tudo no lugar. Só não descobriram ainda de onde vem o vazamento. Deixaram uma grade de respiração aberta dentro do nosso box para aguardar uma grande chuva e tentar encontrar a saída para o problema. Na sexta, veio o marceneiro, para ver se é possível recuperar o armário do closet. Espero que sim. Prefiro muito mais não trocar o armário, vai dar menos trabalho, fazer menos sujeira. Só que se ele disser que não tem jeito, não vai ter jeito. Não sei ainda a resposta sobre este ponto, uma vez que na sexta-feira me desliguei de tudo e resolvi relaxar. Deu certo, já que até dormi a última noite. A notícia boa é que instalarão os vidros na sacada ANTES DA PÁSCOA! Viva! Fiquei muito feliz. Feliz por quê? Como se eu comemorasse Páscoa. Quem sabe um dia! Amanhã começa a empregada no. 10.978 na minha casa. Vamos ver por quanto tempo. Eis uma coisa que já perdi as esperanças há muito tempo: ter uma boa empregada. Apesar de perder as esperanças, nunca deixo de tentar.

Ontem fomos ao aniversário da filha do chefe do marido. Afe. Coisa mais sinistra ir a uma festa onde não se conhece ninguém. Marido e eu mantivemos a boca ocupada durante toda a festa, assim o tempo passou rápido!

Falando em marido, hoje ele foi trabalhar. Mas não no seu trabalho habitual. Foi trabalhar de comprar plantinhas. Nosso Solar está precisando muito de plantas e as únicas que tenho são os três vazos de pimenteira que espalhei pela casa. Quando secam, compro outras. Agora ele foi comprar plantinhas para nossa sacada. Quer deixar tudo pronto e bonito antes de viajar. Dia 11, marido embarca para suas longas viagens EUA/China. Sempre fico com saudades depois do 3o. dia, mas confesso que os dois primeiros são maravilhosos. Vai ser a primeira vez que terei minha maravilhosa/deliciosa/gigante cama só para mim. No 3o. dia bate um vazio, no 4o. choro de saudades, no 5o. tenho febre, no 6o. já estou quase habituada a estar sozinha... e quando ele chega, é duro ter que dividir o espaço novamente. Mas em uma hora já me acostumo a ser casada de novo!

O bacalhau está me chamando. Se eu lembrar, tiro uma foto do bicho e coloco aqui! Bom almoço para quem o tiver!

Hoje é domingo


Dia abençoado. Fui deitar ontem muito antes das 19 horas. Acho que dormi lá pelas 19. E acordei nove horas da manhã de hoje. DIRETO, sem intervalos comerciais, sem interrupções, sem insônia, sem pesadelo. Gente, dormir por catorze horas initerruptas é tudo que um indivíduo precisa para repor forças e energia. Vivi minha noite de hibernação total. Levantei inspirada, estou fazendo uma bela bacalhoada portuguesa, com direito a quase tudo. Só vai faltar a azeitona, já que ninguém em casa come azeitona. Que bom, assim ninguém passa mal! Um ótimo domingo para todos, cheio de glórias e vitórias!

sábado, 20 de março de 2010

O perigo mora ao lado

A piton de cinco metros
a captura da bicha marvada pelo bombeiro
(e um print screen da tela da Globo.com)

a querida Tia Má, que encontrou a bichana

Estava ontem lendo notícias online quando me deparei com a notícia de uma cobra encontrada em escola da Zona Norte. Li a notícia que não me disse nada, por não conter maiores detalhes. Acordei de madrugada, quatro da matina, com fortes dores de cabeça. Despertei e fui ler meus emails pelo iPod, quando recebo um link de uma amiga, com os seguintes dizeres: "amiga, você viu o que aconteceu na Floresta?". Cliquei para ler a matéria, mas se tratava de um vídeo. A cobra de ontem foi encontrada na Floresta Encantada, escola que meu filho estudou até maio do ano passado, escola onde estudam vários amiguinhos dele e, mais ainda, escola de propriedade de uma pessoa muito querida e especial para mim. Fiquei em estado de choque. Não sei ainda de maiores detalhes, mas para mim ficou claro que aquela cobra com CINCO METROS não chegou até uma sala de aula, caminhando na escuridão da noite, por acaso. A notícia diz que o proprietário fez um b.o. e espero que a história seja averiguada e os responsáveis punidos severamente. A escola tem mais de duzentas crianças na educação infantil e berçário, mantém um alto padrão de higiêne e limpeza e mais de trinta anos de tradição em Santana. Foi uma das coisas mais estranhas que já vi e ouvi! Espero que tal fato não prejudique o andamento da escola da minha querida tia Sônia!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Aproveitando a minha tarde livre

Nada melhor para aproveitar a tarde livre: comprar. Eu, que AMO comprar pela internet, me diverti. Já tem tempo que estou pesquisando adesivos. Coloquei alguns no quarto da minha filha em dezembro, logo que nos mudamos. Ainda quero um bem grande, de árvores, para a sala. Algum com motivos geométricos para cima da cabeceira da nossa cama, e alguns com palavras para o lavabo. Eis que achei hoje dois que não estavam na lista: o olhinho espião, para colocar na caixa dos sanitários, e um risque e rabisque, cuja função é de lousa, para colar no escritório, ao lado do organizador que comprei sábado passado e está vindo de Curitiba! Agora, não vejo a hora de chegar tudo!!!
o organizador, que tem em várias cores; o meu é preto (www.desmobilia.com.br)
o adesivo/lousa para o escritório
e abaixo o adesivo espião; achei demais!

Ápice na Caras

Hoje resolvi apertar o DANE-SE. Fizemos vistoria das áreas comuns pela manhã, depois viemos excursionar em casa: eu, engenheiro da Tecnum responsável pelo condomínio, diretor da Tecnum e dono da Tecnum. Ainda não se sabe de onde vem a umidade do armário. Vamos ter que aguardar. Aguardemos. Fui tomar café na padaria com a Fê, que já não era mais café, e sim, almoço. Após receber a notícia de que minha assistente do lar iria embora às 14 horas, desisti de lutar para manter a casa em ordem. Dispensei o Peste, que estava pintando as portas e fui para a manicure. Que delícia! Aparei minhas quatro patinhas, coisa que não fazia há quase três meses. E no salão, estou eu lendo a revista Caras, quando vejo uma ilustre vizinha estampando três páginas da revista, juntamente com seu marido e o bebezinho na barriga, que está por chegar! Achei o máximo do engraçado ver uma vizinha na Caras. Quase que me vi na revista! Que o Papai do Céu abençõe a vinda do pequeno Samuel, e que nossa querida Rita, apresentadora do Jornal da Rede TV tenha um parto tranquilo e abençoado!

quinta-feira, 18 de março de 2010

Todos podem, alguns buscam, poucos conseguem!

Nunca tive dúvidas de que tudo de ruim que passamos, é para medir o tamanho do nosso prêmio adiante, na estrada da vida. Ano passado contei aqui no blog da minha ex-personnal que estava indo para Londres. A Tati se formou em Educação Física com muita dificuldade. De família simples, começou a trabalhar ainda no Magistério, para conseguir um suado emprego e pagar a faculdade com o salário. Após formada, tomou vários puxões de tapete, mas não esmoreceu. Nunca. Passou quase um ano em um processo seletivo para trabalhar como personnal em cruzeiros internacionais. Sem falar uma palavra de inglês e sem televisão a cabo em casa, estudou sozinha, tudo que pode. Trocou aulas de educação física por aulas de inglês, mas foram meia dúzia. Todo o esforço foi dela. Viajou pelo Brasil durante o processo seletivo, tudo com a sua grana. Esforçou-se até o fim e teve seu esforço recompensado quando carimbou o passaporte rumo à Londres, para a última fase do processo. Lá, na terra da rainha, passaria três meses em curso. Se aprovada, partiria para Miami, iniciando seu primeiro cruzeiro. Se reprovada, voltaria ao Brasil. Após quatro semanas, recebeu a notícia da sua aprovação e na semana seguinte embarcou para a Ásia. E lá está minha amiga, viajando mundo afora, feliz, realizada e vencedora. Ontem, a Tati nos mandou fotos de Brunei, com um texto delicioso, fotos lindas e muita alegria em cada palavra. Se o mundo fosse feito de mais pessoas batalhadoras e persistentes como a Tati, que não passam por cima de ninguém para atingir seus objetivos, teríamos um mundo melhor. Que ela seja exemplo para muita gente!!!!

Será que a vida continua mesmo?

Comecei a semana cheia de gás, garra, energia e esperança. Na 2a., recebo a notícia de um óbito. Na terça, quase ganho o meu atestado. Ver o problema no meu closet e banheiro da suíte foi de doer muito. O banheiro foi quebrado por dois dias seguidos e não descobriram de onde vaza. A empresa vai pagar pelo meu armário. Mas quem paga meu transtorno e minha saúde? Estou com dor no peito e falta de ar. Estou triste. Muito triste. E não é tristeza por coisas materiais deterioradas. É tristeza por conta da minha impotência perante a situação. Sei que as coisas vão se resolver, afinal, tudo se resolve. Porém, o que sobra de uma situação dessas? Crescimento? Já cresci o bastante. Sofrimento? Já sofri também o bastante. Foram dois anos de desgaste com a Cyrela e achava que depois de me mudar, as coisas melhorariam. Foi tudo ilusão. Tenho que manter a fé, respirar fundo, tentar puxar o ar de um pulmão que está tão cansado quanto tudo em mim. E orar. Sempre. Já que diz o ditado que a fé move montanhas, vou me apegar a ela!

terça-feira, 16 de março de 2010

Dor sei lá onde

Neste exato momento, começa o trabalho de quebração do banheiro da suíte. Aquele o qual não reformei para não ter poeira no apartamento, para não ocasionar alergia em ninguém em casa, para não ter dores de cabeça. Agora dói a cabeça e o coração ao mesmo tempo!

AS PIORES DE ALTO-PADRÃO







Tem vezes que fico me questionando linguisticamente, e analisando a semântica da expressão "alto-padrão". Nem tenho muito a dizer, as fotos e o vídeo usam da figura de linguagem da personificação e dizem por elas. Este é o meu imóvel de alto-padrão. O vídeo a seguir é uma junção de pequenas imagens que fiz no dia em que foi detectado o vazamento no meu apartamento. A água, na mesma intensidade que está escorrendo no vídeo, escorreu por DUAS HORAS. Foram meses de água armazenada em um duto. As fotos foram tiradas AGORA, NESTE EXATO MOMENTO, de dentro do armário do meu closet. Armário montado na semana do Natal de 2009, ou seja, há menos de três meses. Os pontos pretos são BICHOS. Isso mesmo. BICHOS. Alguém tem algo a comentar?


video

segunda-feira, 15 de março de 2010

A vida continua, mas não para todos

Foi com grande pesar que recebi hoje a notícia do falecimento do professor Sérgio Gabriel. Cheguei em casa e havia um email de uma ex-professora, fazendo o comunicado. Imediatamente, liguei para outra ex-professora, que confirmou a triste notícia. O Sérgio me deu aula de Metodologia de Ensino da Língua Inglesa. No início, tive certa resistência com a disciplina e com a pessoa dele, mas com o tempo, fomos criando vínculo. Impossível lecionar língua estrangeira hoje sem lembrar de tantas dicas e macetes que ele nos deixou. Segundo o que soube, o professor teve uma bactéria pulmonar que o levou de maneira quase que fulminante. Até onde sabemos, ele não deixa filhos. Apenas saudades. Descanse em paz, Professor!

E a vida continua

Depois de uma semana de muitas turbulências, espero começar uma semana de colheita. Acredito te sido a semana passada a mais difícil de todos os tempos: crianças doentes, falta de empregada, alagamento na sacada, dois carros quebrados e um guinchado, reunião de conselho, vistoria de entrega das áreas comuns, entrega do projeto da pós, aulas, trabalho, pintura. Ufa. Chega.

No Apice:
  • nosso novo Conciérge, Daniel, começou a trabalhar. Foi super bem recebido e veio com muito gás. Assim esperamos que ele continue. Semana passada sanei várias dúvidas com ele. Mesmo quando não há a resposta, ele tem alguma resposta e isto nos dá segurança.
  • após o alagamento na minha sacada (que ainda não consegui publicar no Youtube o vídeo), houve uma semana de investigação e na 6a. feira, quando o Diretor da Tecnum veio pessoalmente à obra, descobriu-se o problema: um cano cortado DESDE A CONSTRUÇÃO. Imaginem que a água foi canalizada no shaft durante alguns meses. Só assim, entendi o tanto de água que vazou. Ufa!
  • a reunião de conselho foi a mais light até agora. Haverá outra assembléia, dia 13/04, para aprovação da instalação de câmeras no condomínio. É um serviço da maior urgência, posto o tamanho do nosso empreendimento e os atos de vandalismos que já começaram. Tiveram a pachorra de quebrar um espelho GIGANTE do espaço fitness e colocar duas pesadas anilhas para esconder o estrago. Um absurdo. Fora os atos de copulação já presenciados. É o fim, realmente.
  • na sexta-feira foi nosso quarto dia de vistoria das áreas comuns. Foi uma semana que tudo andou bastante por aqui e tivemos a liberação do espaço mulher, ateliê de artes, salão de jogos adulto, salão de festas infantil, saunas, spa de descanso, fitness, brinquedoteca e espaço gourmet. Faltam somente algumas áreas, mas tudo está caminhando muito bem.
Nesta semana, estarei um pouco ausente. Tenho planejamento para entregar (minha Coordenadora está um pouco muito demais brava), aulas para dar, trabalhos para fazer, aulas para assistir, consultas no dentista para desmarcar e dar andamento à obra.

Em tempo, fomos até a Etna no final de semana. A loja está com uma promoção de aniversário bem legal. A cada xx valor em compras, ganha-se bônus progressivo para gastar na loja em abril. Compramos duas poltronas para a sala de estar e ganhamos 300 reais em bônus. Adoro prêmios e descontos. Também conseguimos comprar os tapetes da sala de estar e da de jantar, com um preço bem legal, na Casa Fortaleza/Lar Center. E aproveitando a dica do blog Chega de Bagunça, comprei um organizador MARA para o escritório. Tudo que eu precisava para ser feliz! Nesta semana também instalam meus espelhos dos banheiros, se DEUS QUISER a soleira também, para aguardar ansiosa pela instalação dos vidros da sacada.

Uma semana cheia de glórias e bênçãos para todos nós!

sexta-feira, 12 de março de 2010

O executivo e o terno

Na antiguidade, as pessoas andavam peladas. Não sei precisar há quantos mil anos, mas podemos ver que na época de Cristo já havia roupas. Então, a falta delas vem de antes. O tempo foi passando e tradições foram surgindo. Até onde conheço (e não conheço a fundo), a formalidade ao vestir partiu-se da nobreza. Na Inglaterra, no período vitoriano, homens que andassem pelas ruas sem os clássicos ternos e cartolas eram tidos como baderneiros e execrados pela sociedade. Falo o clássico terno, já que hoje muitos homens usam terno para trabalhar, mas um terno de duas peças, o que não é um terno. O terno possui três peças, que inclui um colete entre a camisa e o paletó, além da calça.

O mundo foi se modernizando e a rigidez inglesa diminuiu. Só que a veste já estava disseminada mundo afora. E no Brasil, terra de índios e a mais tropical das tropicais, faz-se obrigatório o uso do terno.

Muitas empresas cairam na real, botaram as mãos em suas consciências e aboliram a veste. O Grupo Pão de Açúcar, com alguns muitos mil funcionários aderiu e marido deixou de usar terno e gravata. A qualidade do trabalho aumentou. E se isso não fosse fato, grandes empresas não copiariam.

É chique ver um homem de terno. Mais chique, porém, é ver um homem limpinho, já que terno é quente, faz o cara suar e ficar com aparência gosmenta.

O terno também remete ao "executivo". E pessoas adoram status, adoram ser chamadas de executivas. O executivo, porém, nada mais é do que aquele que executa, portanto, quem menos deveria ser chamado de executivo são os grandes líderes de empresas, já que só ordenam e nunca executam.

Durante minha década e meia trabalhando em RH, vivenciei momentos interessantes. Quando se trabalha em uma sub-área específica, denominada "recrutamento e seleção de executivos", todo mundo quer ser seu amigo. Comigo não foi diferente. Ainda mais quando o mercado fez uma pequena mudança para "recrutamento e seleção de executivos de alto nível". É muito nome para pouco trabalho. Todo mundo quer levar o nominho no seu crachá, pois o ser humano possui quase que naturalmente a síndrome do pequeno poder. O quase fica por conta das exceções.

Fato é que o terno também remete o homem à imagem de poder, tanto que as duas peças, terno e calça social, foram adotadas para o uso de seguranças pessoais ou corporativos.

Aqui no condomínio, nossos seguranças são obrigados a usar paletó e gravata. Até os que ficam fazendo a segurança externa (entenda-se NA RUA). Sob o calor desumano que tem feito em Sampa, o uso de vestuário pesado torna-se um fator desumano, que atrapalha o serviço de qualquer indivíduo, transforma a capacidade de raciocínio do ser. Quem consegue produzir dentro do forno, tostando feito a pururuca do leitão na ceia de Natal?

Ponto positivo é que nossa "diretoria executiva" do condomínio vai abolir o paletó dos nossos seguranças externos, após muita pentelhação e insistência minha. Moramos apenas em um condomínio e precisamos que ele seja seguro, mas o terno não vai barrar a entrada do ladrão. O que vai impedir que soframos algum grande dano em caso de ataque é a rapidez e esperteza do profissional que estiver na guarda na hora do ocorrido (que nunca ocorra!!!!). Com o peso do terno e a inconveniência que ele causa, quem conseguirá usar a esperteza na hora "H"?

Confraria do Ápice

Seis da madruga. Marido saiu pra trabalhar e levou filhotinha para a escola. Filhotinho continua em resguardo. Estou completamente acordada, apesar de estar morrendo de sono e ainda poder dormir um pouco. Não consigo. A cabeça está a mil e não posso perder nem um minuto sequer, para tentar enterrar esta semana como uma das pioresdaminhavida.com.br.

Ontem teve mais uma reunião de conselho. Estou ficando cansada delas. É muita gente reclamando semanas a fio, dizendo que vai participar, vai falar, mas na hora, cadê? A de ontem nem acabou tão tarde. As coisas estão começando a se organizar (ou a serem organizadas). Fomos apresentados ao novo Conciérge do condomínio (que ele tenha sorte e apoio).

Houve um episódio interessante. Na verdade dois:

1. Fizemos uma AGO (Assembléia Geral Ordinária) e votamos uma verba para a individualização da leitura de água. A administradora levou-nos dois orçamentos de empresas que conhece e já trabalha. Alguém levou mais QUATRO. De empresas que pegou na internet, sem conhecer o trabalho. Senhor, para que fazer nosso valioso tempo ser perdido pela falta de objetividade? Ficou então decidido que o administrador optará entre as duas por ele eleitas e fechará contrato.
2. A discussão entre semana passada e esta foi: PODE UM CONDÔMINO PARTICIPAR DAS REUNIÕES DE CONSELHO? Juridicamente, sim. Apiciamente, não. Foi votado por CINCO dos SEIS conselheiros que condôminos NÃO PODERÃO MAIS PARTICIPAR DE NENHUMA REUNIÃO DE CONSELHO. Quem foi o voto contra? Quem será? Ou melhor, quem serei?

Preciso de trégua

A semana ainda não terminou. Confesso que tenho medo do fim. Em meio ao temporal que vivi durante ela, nada poderia culminar em outra coisa, que não EU DOENTE. A rinite está atacadíssima, e pelo que conheço dos meus quase trinta e seis anos de sinusite, esta também veio. Comecei o básico tratamento com corticóide ontem. Salva-me Pai. Junto com as "ites",recebi o diagnóstico do meu notebook. São quase quatro dígitos para o conserto. Questionei o técnico se valia a pena, uma vez que o marido está indo em abril para EUA e China. Ele me explicou que é uma máquina com UM ANO E UM MÊS de uso (alguém tem a sorte de esperar a garantia vencer para quebrar algo? Eu SEMPRE venho com o bilhete premiado). Que é a melhor marca, que vem os melhores periféricos. E que NÃO VALE A PENA abortar a máquina totalmente. E o que custou tão caro? Só o HD e a placa. Chorei.

A saga de zicas começou sexta passada, com meu carro descarregando a bateria, lembram? Pois bem. Estou na reunião ontem, 20hs, quando recebo torpedo do marido, dizendo que a Porto Seguro está guinchando o carro dele. Mais tarde, ele manda outro dizendo que era só bateria e estava na Porto da Rio Branco trocando a arriada por uma nova. Mais dinheiros gastos. Não chorei. As lágrimas já se acabaram.

A Fê ontem disse que a mãe dela vai nos dar um defumador de presente. Preciso de dois. Três. Quatro, assim fica um para cada membro da casa. Pois não computei aqui nos gastos DUAS CRIANÇAS DOENTES. E nem tinha pago a fatura do cartão ainda com os cinco vidros de antibiótico, ao simbólico valor de 109 reais cada um, que eles tomaram por conta da sinusite de fevereiro. Agora acabaram-se os dinheiros junto com as lágrimas. Morri!

quinta-feira, 11 de março de 2010

Tic tac tic tac tic tac tic tac tic tac

Estou em meio ao caos. Minha sacada continua totalmente destruída. Hoje vieram instalar o painel da tevê, que compramos dois meses atrás (o tempo que meu marceneiro levou para fazer TODO o apartamento, a loja especializada levou para fazer UM painel). O eletricista veio instalar as cróicas nos banheiros, closet e corredor. Ele também tinha que fazer toda a fiação do escritório (não aguento mais fios se enroscando) e instalar as iluminações da sala. Não deu tempo. Tinha de ir embora às 15hs, para poder ir ao banco (raiva!). Minha casa está em estado de miséria. Uma hora, me sentei. Fiquei olhando, espirrando, passando mal. Chegou o pedreiro com tijolo e cimento para tampar o buraco da minha sacada. O mesmo será aberto no apartamento da Fê (minha vizinha). Até seria uma "troca" de lugar do buraco entre a gente, se a sacada dela não estivesse MUITO pior que a minha. E mais: infiltrou água no chão da sala INTEIRA e da sacada INTEIRA (a minha só pegou metade). Desde segunda-feira, ainda não foi descoberta a origem do vazamento. A nova especulação é ESGOTO. Ontem, ligou para o marido o diretor da Tecnum. Virá em casa amanhã visitar nosso buraco. Prometo tirar foto, só não prometo postar (saca a expressão "direito de imagem"?). Em casa está sem nada para comer. Preciso comprar coisas básicas e até tentei hoje pelo www.paodeacucar.com.br. A entrega, porém, seria só no sábado e NÃO VOU GUARDAR COMPRAS. Entrega, aqui, só de 2a. até 6a. Precisava ter ido até a faculdade buscar meus materiais da pós. Não consegui. Daqui a pouco tem reunião de Conselho (estou um caco para raciocinar, hoje vão adorar minha neutra presença). Amanhã tem MAIS UM DIA de vistoria no condomínio e tentativa de entrega de áreas comuns (alguém quer ir no meu lugar? pago um Biskrok). Preciso fazer as unhas. Tenho que elaborar as provas dos meus alunos, pois preciso entregá-las na coordenação até a próxima 4a. feira (se eu não for demitida por não ter ido trabalhar nesta semana). Querido Papai do Cèu, me dá uma forcinha na matemática? Ou multiplica meu dia ou divide minhas tarefas. Amém.

Como criar o bloqueio da aprendizagem

Minha filha tem dez anos, completados ao final de novembro passado. Cursa o sexto ano de uma escola particular, na cidade de São Paulo, apostilada recentemente por uma das maiores instituições de apostilamento do país. Amanhã, fará uma prova de inglês. Perguntei o que cairia na prova e ela me disse que a matéria estava fácil, pois é a mesma que está estudando no inglês fora da escola (meus dois filhos estudam inglês na PBF) e como lá não é necessário fazer prova, ela aprende sem ter medo e consegue fazer uma boa prova na escola regular.

Bingo para mim, que vivo defendendo a idéia de não haver avaliação escrita. Avalio meus alunos de outras maneiras e eles AMAM minhas aulas. O ponto aqui, porém, é outro e em outra disciplina. Semana que vem, haverá prova de DG (desenho geométrico para os antiguinhos como eu). Senta minha filha ao meu lado e pede: "mamãe, pode colocar o grafite no meu compasso?". Respondi que sim e perguntei se havia outro grafite maior. Ela disse que precisávamos comprar, e também a um outro compasso. Por quê? Porque a professora disse que se ela não consegue enfiar o grafite no compasso, é problema dela e a ser resolvido em casa. Pior, vai descontar nota da minha filha.

Meu Deus, vivemos no ano de 2010. Os cursos de Psicologia e Psicopedagogia são cada vez mais concorridos em boas instituições de ensino superior. Teóricos no mundo inteiro tentam encontrar soluções mais e mais modernas para sanar os problemas de aprendizagem. Será que a solução não seria cassar a licença de lecionar de uma professora como esta?

Como minha filha poderá gostar de uma matéria super legal que é DG, se a ignorante da professora usa de um método anti-pedagógico e cruel com ela? Tenho pena da minha filha, por ter que estudar com seres bossais. Tenho pena dos outros colegas dela. Porém, tenho pena desta indivídua que se intitula professora, mas não passa de uma terroristazinha que massacra a educação já tão massacrada.

quarta-feira, 10 de março de 2010

O tocar de um telefone

Toca o telefone no Solar:

- Alô? Por favor a Úrsula? É ela? Oi Úrsula, aqui é seu coordenador da pós-graduação. Você ainda se lembra dela? Por acaso mudou seu objeto de pesquisa? Vai falar agora sobre a Cyrela, ao invés de focar-se na Psicopedagogia? Quem sabe se as pessoas que hoje acabam com a sua paz tivessem um dia sido orientados por um bom Psicopedagogo, não teriam tido distúrbios na aprendizagem e o mundo no Ápice seria melhor. Cai a ficha. Vamos. Você está atrasada. O curso vai acabar e você não terá passado do módulo 3. E o seu TCC? Hello, acorda!

- Claro professor. Sim professor. O senhor tem razão professor. Freud tem razão professor. Piaget tem razão professor. Nádia Bossa tem razão. E o professor Mário Nogueira também. Amanhã compareço ao campus para retirar meu material, encomendado e pago desde janeiro. Obrigada professor. Desculpe-me pela ausência prolongada. Claro que conseguirei retomar meus estudos e dar prosseguimento aos mesmos. Obrigada por me trazer de volta ao mundo real. Boa tarde professor. Até a próxima aula.

terça-feira, 9 de março de 2010

Questions, always questions, a lot of questions...

Por quê será que tem gente que extrapola na chatice? Vivo buscando resposta para esta pergunta. Conheço gente tão chata, mas tão chata, que fico imaginando o indivíduo na fila do Céu, minutos antes de reencarnar:

(ABRAM UMA NUVENZINHA PARA A IMAGINAÇÃO)

"
- Vamos lá, todo mundo já pegou tudo que queria na ala COISAS BOAS?
(O CHATO) - Eu não quero nada.
- Como nada, meu filho? Está muito próxima a hora da sua reencarnação.
(O CHATO) - Vou para a fila das coisas MUITO BOAS então.

E NA FILA...

- Agora vamos distribuir CHATICE, quem vai querer?

O cara fica sozinho. As pessoas nem se importariam de receber um pouco de chatice, para viver no mundo em equilíbrio. Mas o cara já é tão insuportável, que as pessoas o isolam, deixando a chatice todinha para ele. Feliz e satisfeito, o 'mané' pega todo o estoque de chatice e reencarna. E um dia, cruza meu caminho."

Senhor, dai-me paciência, além da que fiquei horas na fila, além de todas as que consegui furando fila, além de todos os vales extras que recebi por bom comportamento aí e cá. Dai-me paciência!

AZEDUME

Imaginem um iogurte estragado. Azedo. Coalhado. Vencido. Agora imaginem um carregamento deles. Agora imaginem uma fábrica que produz iogurte para distribuição nacional (brasileira) parar de repente, por falta de luz, por alguém não ter pago as contas, fazendo azedar toda uma produção. Imaginaram o tamanho do azedume? SOU EU! Muito prazer. Tem dias em que eu deveria me mudar para Nova Iorque e viver no tolerância zero. Lá é meu lugar!

Postando de um Ipod

Há vezes em que ficamos meio de saco cheio. É problema atrás de problema, nenhuma solução e para complementar, sempre tem gente desocupada para encher as paciências. Só que quando estou tolerância zero, preciso encontrar forças e contar até um milhão para não mandar alguém até PQP. Hoje estou tolerância zero. Vou me trancar no banheiro e enfiar os dez dedos na garganta pra ver se vomito tudo que tem dentro de mim e surge um pouco de paciência! SENHOR, DAI-ME PACIÊNCIA.

Ah, também estive pensando. Tem gente que pensa que ser conselheiro de condomínio é ter cadeira política cativa e que, saindo da sala da assembléia, o próximo posto é o Planalto. MAIGÓDINHO!

Andanças no Solar

As crianças estão com escarlatina. Ontem, voltei na pediatra. Como não podiam tomar medicação oral por conta dos vômitos, dá-lhe injeção. E dá-lhe dor de cabeça para encontrar alguém que as aplicasse. Não consigo entender como uma faculdade de Farmácia forma um profissional que não sabe aplicar injeção. Eu não sei. Mas sou de Humanas. Ponto. Meu questionamento com maus profissionais da área da Saúde já vem de longe. Graças a Deus, a enfermeira do colégio das crianças conseguiu um farmacêutico (claro que um senhor, e não deve ter se formado nestas porcarias que existem hoje e ousam dizer que são faculdades). Injeção aplicada e... mais febre, mais criança doente, mais noite em claro, mais sofrimento. Meu filhote LAVOU o carro do marido com vômito. Podem dizer ECA. E depois agradeçam por não estar dentro daquele carro. Ainda bem que marido vai trocar de carro. Alguém quer comprar um carro que foi vomitado? Hoje, voltamos na pediatra. 40 de febre que não cessa de jeito nenhum é de doer. Além da escarlatina, estão com uma virose, que até tem um nome, mas esqueci. Como uma criança de 4 anos emagrece 1 quilo em 3 dias? A mãe passa um ano engordando o leitão para que ele esvazie do dia para a noite. Bom, estou só o pó. E procurando uma empregada. E sem trabalhar, já que não tenho quem cuide das crianças. E com sono. E cansada. Entretanto, não perco a fé de que as coisas vão se acertar e daqui a pouco, os dois estarão correndo de um lado para o outro; espero que eu tenha tempo para recuperar minhas forças e conseguir gritar: SOSSEGUEM!!!!

Não gosta? Então fica quieto!

Tem gente que enche a boca para falar mal dos outros. Acho que quem não tem o que falar de bom, deve ficar de boca calada e ponto. Não sou a favor do tal "falem mal, mas falem de mim". Não devo nada pra ninguém e não faço nada de mal pra ninguém; ao contrário, busco fazer o bem sempre que posso. Então, não fale mal de mim. Contudo não é de mim que vim falar, e sim, da manchete de hoje: HEBE CAMARGO.

Ontem, Hebe completou 81 anos. Ainda está em fase de recuperação de um câncer recém descoberto e recém operado. Não sei por qual motivo, causa ou circunstância, Hebe nasceu no Dia Internacional das Mulheres, tampouco porque escolheram ontem para seu retorno pós-cirúrgico. Só sei que o programa foi uma coisa emocionante ao extremo.

Não assisto ao Programa da Hebe. Porque não assisto nada na televisão, porque durmo cedo para conseguir acordar cedo, porque o Programa da Hebe não me interessa. Só não posso ignorar que ela é um ícone da televisão. Não posso desrespeitar uma senhora de 81 anos que está trabalhando firmemente, enquanto vivemos no pais do "bolsa família", onde cada vez mais mulheres e homens jovens se encostam no Governo para viver com o mínimo. Não posso ignorar que a Hebe é uma sumidade.

A prova viva foi ver no mesmo programa: Xuxa, Ana Maria Braga, Gabi, Astrid Fontenelle, Amílcare (vice-presidente da Rede TV). Hebe emocionou-se. Os convidados, idem. E duvido que algum telespectador ficou indiferente a tanta emoção.

Hoje, o programa foi assunto no Twitter. Dei uma bisbilhotada no Youtube para ver alguma coisa e consegui assistir a abertura do programa. SHOW. AMEI. EMOCIONEI-ME TAMBÉM! PARABÉNS HEBE!