terça-feira, 28 de abril de 2015

Sobre o Clone

Se você chegou até aqui buscando uma pesquisa científica sobre clonagem, pode fechar a página e recomeçar a busca.

Agora se você chegou aqui por qualquer outro motivo, causa ou circunstância, vem comigo!

Preciso de um clone. Quem nunca?

Sei que nos dias de hoje, pessoas trabalham exaustivamente, seja em empresas, seja em casa, seja de qualquer forma. O tempo fica cada vez mais curto; com as redes sociais cada vez mais presente em nossas vidas, temos cada vez mais pessoas para administrar e menos tempo para cada uma delas. Se trabalhamos em dez empresas, resgatamos contato com todos os ex-colegas de trabalho com uma alegria contagiante e logo de cara vem o compromisso: "vamos reunir a turma?". 

Fato é que os encontros nunca acontecem. Assim, vamos nos afastando dos que estão fisicamente perto e sem tempo sequer de responder mensagens enviadas por tantos ex-colegas que agora são nossos amigos mais importantes de toda a vida. São amigos do ensino Fundamental, do Médio, da Faculdade, da Pós, pais dos amigos dos nossos filhos da época do Jardim da Infância, amigos dos nossos pais que não se conformam como crescemos.

Saindo da vida social e da profissional, ainda temos que dar conta da família, dos parentes. Estarmos presentes em festas, eventos, encontros, jantares, casamentos, aniversários. E tudo precisa ser feito em 365 dias apenas. Porque assim que soarem as doze badaladas da meia-noite de 31 de dezembro...o calendário zera e começamos tudo de novo. Prometemos que neste ano vamos conhecer o bebê da amiga que nasceu três anos atrás, mas a amiga mora do outro lado da cidade e são precisas três horas para ir e outras três para voltar.

Em meio a tudo, a empregada faltou. Ficou doente. Na semana seguinte, o filho número 3. Na outra, feriado prolongado. Depois o marido. A vez do filho número 5. Vem a irmã enferma e ela não tem como deixa-la sozinha. Fazer o quê? Se virar.

Ainda tem a nossa vida: ficamos doentes por N motivos. Estresse, esgotamento físico, mental, problemas com o lugar em que moramos, o carro que quebra quando mais precisamos dele, o filho quebra a perna no dia em que você não tem sequer um segundo disponível, a filha adoece repentinamente e precisa entrar na quarentena. Ufa. Acho que se alguém leu até aqui, se cansou.

Mas nem contei que a irmã apareceu de repente com um tumor e precisou ser operada emergencialmente. Que a dengue quase me pegou, mas no fim foi simplesmente uma crise de sinusite....na verdade, duas. Nada que dois antibióticos diferentes não pudessem curar. Não curaram. Ficaram resquícios. E as altas doses de corticóide? Haja inchaço no corpo todo. Que a enxaqueca resolveu atacar em mim sem mandar recado ou pedir licença. Que o marido mora há quase um ano em outra cidade e quando preciso estar presente ao lado dele, aos finais de semana, tem festa na escola de um, exposição na escola de outro. Não posso esquecer de pegar o remédio que deixei manipulando. O filme novo estreou no cinema, preciso leva-lo. Ai....duas festas neste mesmo final de semana, aniversário da amiga da filha e do amigo do filho. Corre pro shopping comprar presente. O marido de uma grande amiga está com câncer. Como ajudar? A prima se separou do marido e você quer muito estar presente, mas ela mora muito longe. Fazer o quê?

De uma coisa tenho certeza: preciso de um clone. Não sei como, mas preciso. Pois além de tudo, estou eu novamente nas salas de aula, cursando uma graduação de cinco anos, em uma faculdade cuja média bimestral é 7,0. Na qual os professores não aliviam. Além das aulas diárias presenciais, há matérias online semestrais, atividades complementares e mais umas mil horas de estágio, entre cultural e profissional.

Fato é que, se eu sobreviver a todo este terremoto, mais uma vez venci etapas que, em breve, voltarão em novo ciclo e cá estarei eu, de novo, desabafando com uma tela de computador! E como já cantou Titãs...."o pulso ainda pulsa...".

5 comentários:

  1. Que bom que tirando um ou outro contratempos, os pequenos desvios de trajetória, as coisas continuam seguindo bem, vc voltando a estudar e a como sempre a gerir e tomar conta da família, espero que até a próxima postagem vc não fique tanto tempo sumida, sentimos sua falta, e fico sem jeito de ficar mandando e-mail pra saber como vcs estão, fico parecendo enxerido, e da vergonha, um grande abraço pra vcs, e espero que esses contratempos se resolvam da melhor forma possível.

    ResponderExcluir
  2. Eu cheguei aqui através do Blogloving... (risos)
    De toda forma, é bom saber que você está viva! Sinto sua falta por todos os canais...
    Beijo e melhoras pra essa situação toda aí, já que o clone ainda não vai dá pra ser agora!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belzita, qd vc volta para Sampa? Saudades amiga. Mas a vida da gente da 180o de guinada quase que constantemente e eu vivo tentando me ajustar! To por aqui!!!! Beijos

      Excluir
  3. Fer, saudades! O FB me deixou um pouco desmotivada para varias coisas, mas acredito que vou estar mais presente por aqui. Bjs pra vc e para a Erica, e se quiserem noticias, meu email: ursulahummel@hotmail.com!

    ResponderExcluir
  4. Nesta data foi meu aniversário. Se vc estivesse no FB, certamente ele a lembraria. Saudade de você.
    Isso mesmo, a vida anda muito corrida, mas com saúde e paz a gente consegue.
    Beijo, Ursula.

    ResponderExcluir