domingo, 10 de novembro de 2013

Sobre o Aniversário do Peteleco

Desejamos o segundo filho da mesma maneira que todo bom glutão sonha em comer tudo que gosta sem engordar. E ele demorou para vir.

Então fui ao médico que me disse que eu não engravidaria e me recomendou um tratamento de um ano. E eu engravidei.

Então sonhava muito com uma menina que fosse companheira da minha menina, que eu pudesse usar lindos vestidos, muitos laços na cabeça, todos os sapatos de verniz de todos os modelos e cores. E ela não veio. Ali começava, para mim, um grande drama.

Nunca pensei em ser mãe de um menino. Nunca entendi como as mães de meninos gostavam de seus filhos. Era como se meninos fossem algo anexo aos seres humanos. Como eu conseguiria amar aquela criança? Passei meses me perguntando.

Deitava ao chão da cama da minha filha e chorava. O amor por ela era tão forte e inexplicável, que não imaginaria dividi-lo com ninguém. Muito menos....com um menino.

Então chegou o dia em que o menino viria ao mundo. E foi uma gravidez tão complicada, que a minha única certeza na vida era a de que eu jamais pararia de vomitar e passar mal.

De repente, ouço o choro e o marido chegando com....o menino. Foi amor a primeira vista. Foi uma sensação indescritível ter aquele ser tão gordinho e perfeito ao meu lado.

Nem sei dizer se o amei mesmo naquele momento. Acredito que, na verdade, Peteleco conquistou o meu amor. Mas não levou muito tempo. No terceiro dia de nascimento, quando tive alta médica, fui avisada de que apenas eu voltaria para casa. Meu menino ficaria para mais um dia de banho de luz. Aquela foi uma das sete vidas, que economizava há trinta e um anos, embora. A segunda foi aos sete meses dele, quando, com suspeita de meningite, precisou tirar líquido da espinha. E foi uma morte cruel. A terceira, quando perdi meu pai. Posto isto, ainda tenho quatro vidas para gastar até os noventa e dois anos.

Então o menino Peteleco foi crescendo. Cativando cada professor. Cativando cada amigo. Cativando todas as pessoas. Era com gratidão que eu esperava o fim de cada reunião escolar, quando as professoras sempre pediam para falar comigo e diziam que ele era o melhor aluno da sala, que era inteligente, amigo, companheiro, obediente, enfim, tantos predicados que já ouvi, que não cabe ficar aqui elencando.

Quanto mais o menino foi crescendo, maior ele foi se tornando. Não de tamanho. Mas como ser humano. 

Ele é amigo dos fracos e oprimidos. Acolhe todos os amigos novos que chegam na escola. É um bebezão, que acredita em contos de fadas, duendes, Papai Noel, Coelho da Páscoa e ainda acha, aos oito anos, que nasceu de um pedaço de carne que comi.

Ser mãe de menino é algo que só quem é pode explicar. É você poder contar com um amor puro, sincero e infinito. Com alguém que te idolatra incondicionalmente. Que te acha perfeita o tempo todo. Além de tudo isto, ainda dei a sorte de ter um menino índigo, que me respeita, me obedece, chora quando faz coisa errada e pede perdão por ter me magoado.

Foi assim, há oito anos, que me tornei uma pessoa completa, desde que meu menino veio ao mundo para fazer da nossa família, a família do comercial de margarina.

Meu Peteleco, meu Porcaria....mamãe ama você mais que todas as fábricas de leite condensado do mundo, mais que brigadeiro quente, mais que se hospedar em um hotel com uma cama cheia de travesseiros, mais que uma semana inteira assistindo as melhores séries. Te amo além da vida e desejo que você continue seguindo o caminho de Jesus, o caminho do bem a você e ao seu próximo, que continue orando e tendo a fé que você tem e nos ensinou a ter. Você é a nossa luz há exatos oito anos.

6 comentários:

  1. Lindo! Com tanto amor explícito e implícito, só posso desejar mais bençãos e que a cada dia o crescimento deste menino iluminado possa irradiar sua luz a todos que o amam e o cercam. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Pandinha, sou mãe de menino ..............
    E que bom que você mudou de ideia rsrsr
    Muita paz e luz para o Peteleco e vocês todos juntos e felizes.
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  3. Ursula, foi uma das declarações de amor mais lindas que já vi. Com certeza o Leleco Peteleco deve sentir-se o menino mais amado deste mundo e além. Desejo à toda a família muita saúde e muito projetos em comum! Bjim!

    ResponderExcluir
  4. Feliz todos os dias para esse menininho abençoado. Muitas alegrias na vida dela e na de vocês, para que ele fique sempre bem. (Só estamos bem se os que amamos estão bem, não?).
    Peteleco, feliz aniversário.
    Úrsula, uma linda declaração, mais do que merecida, pois vc já contou o quanto o filhote é responsável, prestativo e amoroso.
    Beijos nos dois.

    ResponderExcluir
  5. "conheci" o Peteleco por meros 5 minutos... e já amei! Que doçura, que sorriso delícia, que menino lindo!!!
    Tudo de melhor na vida pra ele, e pra vocês todos, família de comercial de margarina!!!

    Bjooo

    Bel

    PS- Quero que vc saiba que entendo perfeitamente o sentimento de pós-mãe-de-menina e pré-mãe-de-menina. ;)

    (Lá ia eu clicando em "sair" novamente! Grrrrrrr)

    ResponderExcluir
  6. Você não queria, eu sempre quis. Você achava que não amaria, mas descobriu que ama demais.
    Estou botando em ordem alguns pensamentos, para conseguir colocá-los em palavras.
    Mas posso te dizer com todas as letras: é maravilhoso ser mãe, de menino ou de menina, e duplamente maravilhoso ser a vovó, também de menino ou menina.
    Amor de mãe, amor de vó, para sempre. Bjs

    ResponderExcluir