quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A "quase" volta daquela que "quase" foi

Para saber de onde começar, fui verificar onde parei. E parei no dia 27 de outubro, em um domingo, quando de lá pra cá muitas coisas aconteceram.
 
Neste dia 27, fazia um mês que havia começado o tratamento. Marido Toruboi passou o mês de outubro viajando. Foi pra Chicago, Hong Kong, China, Indonésia, Tailândia e fez o caminho de volta por todos os países, retomando no último dia do mês.
 
Na segunda-feira, dia 28, tive consulta com minha médica, que vinha do Canadá, de um congresso médico. Quando entrei no consultório, ela tinha ‘toneladas’ de papéis em mãos e disse que viajou estudando meu caso e voltou com respostas. Fez uma junta médica com outros profissionais que lá estavam e me apresentou um diagnóstico que nunca ouvi falar.
 
A me ver, ela logo disse: “viajei com você, ontem fiquei lendo seu blog para entender algumas coisas e estou surpresa!”. Questione-a sobre o porquê da surpresa e ela disse que nunca imaginou que meu blog fosse um diário, com toda a minha vida aberta ao público. Logo, começou a me contar sobre tudo.
 
No início do ano, quando ela me encaminhou ao psicoterapeuta, fiz a anamnese em duas sessões e ele pediu muito sutilmente se eu aceitava passar em uma consulta psiquiátrica. Concordei, pois não tenho problema nenhum com isto. Fui ao médico, um excelente profissional que recomendo a qualquer pessoa, fiz uma série de exames na cabeça, para saber se o tempo em que tomei anfetaminas não tinha afetado nada e todos os resultados foram negativos. Fiz testes e mais testes, que, segundo ele, são internacionais e padronizados. Ele diagnosticou mais do mesmo: transtorno de ansiedade e depressão.
 
Sempre aceitei os diagnósticos, porque só continuo em um médico quando acredito nele. No entanto, a medicação que o psiquiatra me passou foi a mesma que eu já tomava, e um remédio a mais. Questionei minha médica sobre quem me medicaria a partir de então, e ela tomou a linha de frente: “eu sou sua médica, eu cuido de você”. Confesso que senti-me segura e assim prosseguimos.
 
Na junta médica feita no Canadá e estudando todos os meus diagnósticos, ela constatou, com a ajuda dos colegas, um diagnóstico que ela achava desde o início, dois anos e pouco atrás, mas que é muito difícil de dar um parecer, pois é preciso muito estudo do paciente, e agora ela tinha material o suficiente. O que tenho chama-se Transtorno de "Borderline" e é um distúrbio de personalidade, não um distúrbio psiquiátrico, como vinha sendo tratada até então.
 
Depois saímos do consultório, fomos para a sala de exames e minha pressão estava ÓTIMA, eu estava ótima, minha tireoide melhorando e no próximo dia dezenove, terei nova consulta, onde refaremos todos os exames para saber como está todo o resto.
 
Sai do consultório aliviada como nunca sai de lugar nenhum. Saber que durante tantos anos estou sendo tratada por coisas que não tenho. A doutora me forneceu algum material sobre o transtorno e nunca vi algo que descreve exatamente minha pessoa e minha personalidade. De cada dez características do transtorno, eu tenho nove. Ou seja, não há erro, não há mais dúvidas e não há mais o que procurar nesta área psiquiátrica.
 
Nestes quase quarenta dias, tenho seguido a alimentação ortomolecular à risca. Meu organismo desintoxicou por completo, porque fui a uma festa, comi quatro salgados, oito docinhos e um pedaço de bolo. Depois, tive algo que pessoas operadas do estômago conhecem como “dumping”. Você sua, transpira, vomita, sente dor até no fio de cabelo que ainda não nasceu. Depois de ter colocado tudo pra fora, retomei minha alimentação.
 
Acostumei-me, nestes quarenta dias, a não ingerir lácteos, tampouco glúten. O glúten (farinha  de trigo) é uma substância que parece uma cola. Quando ingerimos, a substância gruda nos tecidos linfáticos, causando retenção de líquidos. Passei a urinar durante o dia, coisa que não fazia. Passei a sentir saciedade com as coisas que como. Passei a não ter vontade de ingerir outras coisas. E todos em casa tendo que me acompanhar, acabam ganhando em qualidade.
 
Como arroz com feijão todos os dias, posso comer todas as verduras e saladas, pão integral, frutas, leite de soja, gelatina, carnes, peixes, DEVO comer nozes e castanhas (vinte por dia) enfim, posso comer de tudo, menos lácteos e glúten.
 
Miraculosamente, em menos de quarenta dias emagreci quinze quilos. Sem fazer dieta de restrição alimentar, mas dieta de desintoxicação. As caminhadas estão mais espaçadas, mas sempre que não chove e dá, lá estou eu.
 
Depois das crises que tive (descritas no post anterior), não tive mais nada, porque agora tomo remédio certo para a coisa certa. Estou feliz, sorridente e levantando pra seguir em frente.
 
Minha vida está tomando novas formas em vários caminhos e sentidos e tudo têm me feito muito bem.
 
Conectei-me profundamente com a espiritualidade, tenho meditado diariamente, dormido doze horas por noite (o que me sobra apenas mais doze do dia para cuidar de uma casa de quase quinhentos metros, dois filhos, marido, contas, compras, lavar, passar, cozinhar, limpar, levar aos médicos, dentistas, meditar e caminhar). Parei de assistir novelas porque realmente, o dia só tem 24 horas.
 
Amanhã começa uma secretária nova, que virá diariamente, e assim terei mais tempo para responder a tudo e a todos, com as devidas atenções que as pessoas merecem e retribuindo todo o carinho que tenho recebido.
 
É isto meus amigos. Estou leve por dentro e por fora. A médica disse que eu perderia uns dois quilos por mês, mas o tratamento para a tireoide está fazendo grande efeito, pois até eu mesma me surpreendi com a perda toda. Eu estou feliz e retomando coisas da minha vida que deixei pra trás quando resolvi ser apenas mãe e esposa.
 
Agora, me reencontrei como um ser individual que tem desejos, gostos, necessidades e estou em primeiro lugar na minha vida. Sempre que sobra tempo, dedico a quem precisa, mas só se sobra. Assim vou caminhando.
 
Mais uma vez, agradeço imensamente todo o carinho recebido. Espero que meus exames tenham melhorado assim como meu estado geral melhorou. Que o coração esteja forte, que os nódulos na tireoide tenham diminuído com a medicação e que eu siga em frente cuidando de mim.
 
Um grande beijo com amor e carinho para todos!

14 comentários:

  1. Ursula, boas notícias!!!
    Fico feliz que tudo esteja encaminhado para que você esteja melhor a cada dia.
    Sempre aqui na torcida por você!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Nossa, eu jamais poderia supor que se passa tudo isso com vc... =(

    Mas agora dá pra focar no tratamento correto e aí sim viver como se deve. Feliz que vc tenha encontrado esse caminho e mais ainda em saber dos resultados tão a curto prazo. Conseguir se olhar de outra forma, se perceber, enxergar... coisa boa!

    Torcendo aqui, sempre!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Para uma mãe, imagina o que significam essas palavras de uma filha.
    Parabéns, continue firme e determinada em todos os momentos.
    Continue apegada a Deus. Força.
    Beijos com muito amor de Mãe.

    ResponderExcluir
  4. Feliz em vê-la feliz. Você é uma lutadora. Admiro-a cada dia mais. Mal vejo a hora em que você irá relatar a sua vitória. Comemore cada batalha vencida e saiba que aqui torcemos por ti.
    Bjs querida.

    ResponderExcluir
  5. Fico feliz e emocionada com suas palavras.
    Você lutou, correu atrás para se tratar!
    É isso amiga, não podemos ficar paradas esperando as coisas cairem do céu.
    Você vai melhorando cada vez mais, porque a auto-estima também está crescendo.
    Parabéns minha querida pela sua força.
    Beijos lindinha.

    ResponderExcluir
  6. Ursula,
    Fico muito feliz que você esteja vivendo essas coisas novas e que tenham descoberto o seu diagnóstico,.. Essas mudanças só continuarão te trazendo coisas positivas e boas, que agregarão ainda mais valor para sua vida!
    Você merece as melhores coisas!
    Beijos Bruna Ribeiro

    ResponderExcluir
  7. Continue assim pensando em você, fazendo por você e querendo melhorar por você...terá muito resultado. FORÇA, FÉ, DETERMINAÇÃO. bj. Ana Paula

    ResponderExcluir
  8. Querida, quanta notícia boa!!!
    Fico REALMENTE muito feliz com o rumo que as coisas estão tomando! Também estou numa dieta de reeducação alimentar, sem qualquer "farinha" (de trigo, de mandioca ou de milho), o que significa que estou comendo mais folhas e legumes. Das frutas, o médico me cortou banana e maça que eu AMO e isso está me fazendo falta. Mas estou comendo tudo com "m" (coincidência): Mamão, manga, melão, melancia... enfim, vamos indo. #tamojunto!
    Ah, boa notícia: Meu visto americano saiu ontem! Estou em Recife, vim resolver o visto e lamber a cria. Volto hoje pra casa.
    Beijãaaaaaooo!!!

    ResponderExcluir
  9. Uma das melhores notícias que recebi nos últimos tempos. Isso é sinal de que energia positiva (nossa) aliada a sua força e autodeterminação dão resultado! :) Beijo grande

    ResponderExcluir
  10. Estou feliz por você. E diante de tudo isso que li acho que já posso te ligar ainda que você não tenha autorizado kkkkk.
    Love You.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Não sei se entrou ou não meu comentário rsrsrs
    Mas só pra dizer que tô feliz com você e que vou te ligar ♥♥♥♥

    ResponderExcluir
  12. Estou feliz por você. E diante de tudo isso que li acho que já posso te ligar ainda que você não tenha autorizado kkkkk.
    Love You.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Amiga, tenho CER-TE-ZA que comentei aqui... será que vc não liberou??? *magoei*
    Pior é que a DDA aqui nem lembra o que foi que disse, pra poder repetir agora! hahahahaha
    Fico feliz de você ter voltado a dar notícias, e tranquilizar nossos corações. Vai com fé, que a fé não costuma faiá.
    Beijoooo

    ResponderExcluir
  14. Já descobri o que houve! Dãaaaa!!!
    Comentei no post do Peteleco, e quando fui comentar agora estava "deslogada". O caso é que essa BOSTA de google coloca o botão "sair" no lugar que normalmente deveria ser o "publicar". Então... comentei aqui, cliquei em "sair", fechei a página e fui embora. Agora que desvendei o mistério, vou voltar pra comentar no Peteleco.
    Bjooo

    ResponderExcluir