quarta-feira, 26 de junho de 2013

Sobre cabelos: minha única vaidade

Há dois dias que estou chorosa. E não é TPM, uma vez que já tem quase oito anos que optei por usar o contraceptivo Mirena, e mesmo com o marido vasectomado, nada pode ser melhor do que este dispositivo intra-uterino para conter as cólicas e dores de cabeça alucinantes que eu tinha antes do uso dele.

O motivo da minha sensibilidade é "quase" que único: meus cabelos.

Quem me acompanha há anos, ali no dia-a-dia, e não aparece só para festas, necessidades e oba-obas, sabe que em 2007/2008, fiz uma dieta maluca, com acompanhamento médico quinzenal, a base de doses altíssimas de anfetaminas. O resultado da dieta começava a ser percebido de forma tão brutal, que a pediatra alopata dos meus filhos, preocupada com a minha saúde, fechou a agenda dela uma tarde inteira e se deslocou do Hospital das Clínicas até a Zona Norte. Queria conhecer o médico, saber se de fato se tratava de um profissional da saúde e, também obesa, pedir tratamento para ele. Feita a conferência, ela me deu o aval, no segundo mês de tratamento, para continuar com ele.

No sexto mês, eu pesava 60 quilos menos. Coisa mais fantástica de se ver. Várias amigas começaram a fazer tratamento com o mesmo médico. Algumas conseguiam resultado, algumas desistiam.

Os efeitos de anfetaminas no organismo só podem ser descritos por quem já as usou: suor, tremedeira, agitação. É uma droga. Por isto, foi proibida no Brasil já há algum tempo. Por tal motivo, nem todo mundo que começa o tratamento, consegue segui-lo adiante. No entanto, eu consegui. 

PAUSA: na infância, meus cabelos sempre foram lisos e escorridos. Descobri na terapia que este meu apego com cabelos vem exatamente deste período da minha vida. Minha irmã tinha cabelos cacheados, minha mãe sempre fazia lindas "maria chiquinhas" nela, e eu ficava olhando e admirando. Foram várias as vezes em que pedi para que minha mãe as fizesse em mim também, e ela dizia que no meu cabelo não dava. Já não bastasse eu me achar feia, também tinha um cabelo feio. Não, minha mãe jamais disse que meus cabelos eram feios. Mas a minha leitura de criança foi esta. Cansada daqueles cabelos lisos, um dia, deixei de penteá-los. Ao invés de passar o pente ou escova, amassava os cabelos até que eles estivessem muito secos. Com o tempo, aquela coisa lisa começou a ganhar volume. E beleza. A cor peculiar, um ruivo acastanhado, ou um castanho meio ruivo, naqueles cabelos longos e lindamente ondulados, sempre chamaram a atenção onde quer que eu passasse. Neste momento, deixo de ser o patinho feio, para me tornar o cisne, graças aos meus cabelos. DESPAUSA

Além de anfepramona e femproporex, a fórmula receitada pelo doutor milagroso também continua muitas outras coisas, como sene, cáscara sagrada e muitas outras coisas. Eu tinha que engolir aquelas gigantescas cápsulas, cinco pela manhã, cinco pela tarde. E fome? Nenhuma. Era algo que não existia. Sem comer quase nada, tinha uma energia fora do normal. Minha natureza já é de agitada, imagina então drogada? Nunca consegui fazer tantas coisas ao mesmo tempo e em tão pouco tempo.

O problema é que além dos sessenta quilos, começaram a ir embora também todas as vitaminas do meu corpo. Claro. Eu não comia. Como poderia sustentar 1,71mts de altura, em um corpo com ossos pesados, sem comer? Sem vitaminas e nutrientes, as primeiras coisas a morrer em mim foram minhas unhas e meus cabelos. 

Naquele momento, jamais imaginei que a perda dos cabelos pudesse ter algo a ver com a dieta. Ingênua, não associei nada, e passei a sofrer calada. Um dia, uma amiga me visitou e eu mostrei-lhe meus cabelos. Ela me disse uma frase que guardo todos estes anos: "você tinha os cabelos mais lindos que uma mulher já pode ter, eram sua marca registrada. Preferiria ser gorda, a ter perdido os cabelos". Contudo, a mensagem por mim recebida foi: "volte a comer, assim, seus cabelos voltarão a ser o que eram antes". 

Além do meu marido, algumas amigas vivenciaram este drama comigo. Era final de inverno na Europa. Pedi para que minha cunhada comprasse algumas boinas e me enviasse, de modo que eu conseguisse esconder aquele resto de cabelo em forma de palha que juntou sobre meu couro cabeludo.

Nada, entretanto, fazia com que eu me sentisse feliz. Comprei lenços de diversos modelos, tamanhos, texturas. Não saia nas ruas jamais sem algo cobrindo a cabeça. Até que um dia, veio a luz: minha vizinha disse que a prima dela fazia progressivas em domicílio, e que tal tratamento poderia relaxar os fios rebeldes. Como ela fazia o mesmo tratamento nos cabelos dela, parti para a progressiva. E foi meu fim. Os cabelos que restaram começaram a cair da mesma forma que caem os de uma pessoa em tratamento de quimioterapia: em tuchos. Via minha cabeça esvaziar lentamente. A cada fio de cabelo que caia, eu comia, mais e mais, na esperança de ter a beleza resgatada. Os cabelos foram nascendo de novo, ainda ruins, e pior: brancos. Era o meu fim.

Decidi comprar estes shampoos tonalizantes e pintei aquilo que restava na minha cabeça. Os brancos eu escondi, mas a feiura continuava. Passado um ano, cabelos nasciam e eram iguais aos do Cebolinha, do Neymar, ou de qualquer outro ser real ou imaginário, que tenha cabelos espetados para cima. Decidi tentar a progressiva pela segunda vez. Pela segunda vez, passei pelo mesmo processo. Desisti dos cabelos. Desisti da vaidade. Desisti de mim.

Estava novamente obesa, sem saúde e com vários problemas psicológicos.

Acredito que na vida, nada é para sempre e eu nunca, jamais, perdi as esperanças. Foi há dois anos, enquanto me recuperava do acidente que culminou com a colocada de sete pinos e uma placa de titânio na fíbula esquerda, que conheci o meu salvador. Uma vizinha minha, jornalista, pediu para que eu ajudasse ela a divulgar o trabalho de um amigo, que era seu maquiador na tevê. Ele estava fazendo progressivas para ajudar no orçamento. Quis ser a cobaia. Se tem uma coisa que tenho na vida, é persistência. Estava decidida a tentar pela última vez. Ali, naquele momento, nascia um novo pedaço de mim.

Não renasci por completo. Foi um pedaço muito pequeno. Descobri também um cabeleireiro ótimo para fazer luzes e esta dupla, que se chama Edu e Plaft, passaram a fazer de mim uma nova mulher.

Há alguns meses, uma amiga comprou um salão de beleza. Mostrou-me a qualidade do trabalho das suas funcionárias, e decidi que da próxima vez, faria a dupla "luzes-progressiva" no salão dela, desde que ela comprasse o produto que o meu amigo usava, pois nunca mais meus cabelos caíram. Ao contrário, ganharam vida, brilho e beleza. Este produto é algo bem específico. Não tem formol, e lavo os cabelos, deixando-os secar ao natural, sem necessidade de secador ou pranchas. Passei o nome do produto para ela e pedi que o comprasse inteiro para mim, não queria que o produto ficasse no salão, pois com ele em mãos, qualquer cabeleireiro poderia "progredir" meus cabelos e eu não teria preocupações. Isto aconteceu há dois meses. Como faço tudo na vida com antecedência, queria meus cabelos feitos para meu aniversário, que foi dia sete de junho.

Começou a história: o produto não chegava. E em vários momentos, minha amiga não podia falar comigo, não atendia o telefone, pois o barulho no salão é grande, e eu aguardando ansiosa. No dia do meu aniversário, uma sexta-feira, ela garantiu que na segunda estaria com o produto em mãos, que estava comprado e estava aguardando chegar. Assim, fiquei aguardando. Semana retrasada, cansei de esperar. Sabia que meu cabeleireiro estava indo para o Chile exatamente nesta semana, e não tenho coragem de entregar meus cabelos para ninguém, por motivos óbvios. Ela me disse que o produto já havia chegado, estava no shopping e no dia 17, estaria nas mãos dela. Tentei a semana passada inteira tocar no assunto do produto, e ela desconversava. 

Segunda-feira foi a gota d'água. Estamos indo viajar, férias em família, e não quero sair nas fotos com quatro dedos de raiz que ondula e me deixa com cara de sei lá o que. Ela me disse que o produto chegou, mas foi devolvido três vezes por problema no nome dela. O interessante, é que ela tem o mesmo nome para comprar este ou qualquer outro produto que chegue no shopping. E como ela mesma me disse anteriormente, quase tudo que compra para o salão, compra pela internet. Por que com o meu produto?

Discutindo com meu marido a noite, depois de muito chorar e ser consoladas por amigas, e mais ainda, depois de ter chorado muito com o Plaft e ele ter ido desesperadamente atrás do produto para mim, como um amigo faz com o outro, meu marido disse que eu era boba de ter ficado tanto tempo esperando e pior, acreditando. Fez-me entender que a mentira é patológica, mas como várias outras doenças, as pessoas não aceitam e as mascaram. Ouvir isto fez com que eu sentisse uma raiva infinita de mim. Estou acostumada com as inúmeras mentiras ao longo de 25 anos de amizade. Mas para mim, neste caso, foi traição. Conversei ontem exaustivamente o assunto com meu terapeuta, narrando diversas outras situações de mentira, e tive uma consulta de quase três horas com minha médica ortomolecular, que já deixou de ser médica há muito tempo, e hoje é minha grande amiga, e eles disseram o mesmo que meu marido. 

Sempre soube das mentiras. E sempre deixei com que minha amiga acreditasse que eu acreditava. Não me fazia mal. Como sempre diz meu marido, eu pago qualquer coisa para fugir de um conflito. Porém, estou crescendo. Estou renascendo. Com a ajuda do meu marido e destes dois profissionais da saúde, mais um tratamento espiritual que estou fazendo graças a uma grande amiga, a querida Gi, estou me curando de muitas coisas, inclusive da estupidez. Assim, decidi que não vou mais passar as mãos na cabeça das pessoas. Da mesma forma que eu estava doente e fui atrás de ajuda e de todas as alternativas para me curar, acredito que todo mundo pode - e deve - também fazê-lo. 

Com a ajuda de uma amiga querida, consegui com urgência uma pessoa de confiança para retocar as luzes, e meu anjo salvador veio em casa fazer minha progressiva. Agora vou viajar bonita, feliz, com a alma lavada e muito mais madura.

Nada em nossas vidas acontece por acaso. Pessoas entram e saem o tempo todo. Algumas voltam, outras se perdem no tempo. O que não posso perder, jamais, é meu caráter, minha dignidade, meu compromisso que tanto prego com a verdade e com o respeito ao próximo. Este tombo serviu para muitas coisas, e só tenho a agradecer minha amiga, pelo mal que ela me fez. Espero, de coração, que ela entenda o tamanho e a gravidade do problema da sua vida, e vá em busca da cura. 





Legenda das fotos: na primeira, meus cabelos antes da queda total; na segunda, os cabelos lisos da infância (foto do meu primeiro RG); as três seguintes foram tiradas quando recebi da minha cunhadinha as boinas e o tamanho da minha felicidade (detalhe para o pouco e estragado cabelo sob as boinas)

6 comentários:

  1. Meu amor... você sabe muito bem, pelo que me conhece, do meu conceito de amizade.

    Tudo que tenho e sou, você sabe em tão pouco tempo de amizade.

    Você, é uma das melhores coisas que me aconteceu! Senti esperanças aflorarem depois que conheci você.

    De tudo que você falou aqui, fica o aprendizado!!!


    Qualquer coisa, estou aqui amiga, você sabe!

    Amo você!

    ResponderExcluir
  2. Muitas vezes, quando estamos insatisfeitas com algo na nossa aparência, nos apegamos à outra coisa e para muita gente pode parecer pouco ou sem sentido.
    Que bom você ter encontrado alguém para resolver esse problema!
    Como dizem por aí, no final tudo dá certo, se não deu ainda, é porque não é o final.
    Com cabelo assim ou assado, está bonita do mesmo jeito. Faz um rabinho, bora curtir a vida que é só o que importa.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Panda,

    Você é linda de qualquer jeito!
    Já te falei que adoro o seu sorriso?
    Tenho raiva de gente mentirosa!! De gente que corre , mente! Mas ainda bem que você enxergou. Não era amizde vrdadeira.
    boa pra frente!

    ResponderExcluir
  4. Além de tomar a decisão certa, compartilhar isso, desabafar também ajuda!
    Querida, sei que pra muita gente pode parecer normal mentir, mas saiba: você está certa em esperar a verdade. Afinal de contas, fazemos a imagem do outro pelo que nós somos.

    Beijo, e boa viagem, divirta-se muuuuuito!!!

    ResponderExcluir
  5. Pandinha mais fofa da blogsfera. Como assim tu não queria ter o cabelo lisão??? Esse sempre foi meu sonho que eu realizei através da progressiva. Daria um beijo na boca de quem inventou essa maravilha. Embora hoje em dia eu não faça mais. Substitui pelo botox capilar.

    Os cabelos não são minha única vaidade, mas certamente é a maior vaidade que tenho.

    É a parte do corpo que eu mais amo, que eu mais cuido e mais admiro. E já sofri na mão de profissionais picaretas. Hoje em dia minha irmã é a única que cuida das minhas madeixas, nela eu confio de olhos fechados.

    Quanto a sua amiga mentirosa, nem sei se ela é tão amiga assim, porque amigos de verdade não mentem, não é mesmo??

    Às vezes precisamos de um "sacode" para acordar diante de algumas situações.

    Felicidades sempre. Te conheci praticamente ontem e tenho um carinho gigantesco por você. Amo Pandas, rs.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Minhas queridas....as palavras que recebi de vcs foram tão gratificantes, que gosto mais de vcs, que dos cabelos!!!! Onrigada pelo carinho!!!! Beijos

    ResponderExcluir