segunda-feira, 17 de junho de 2013

Explicando a "classe média" a uma criança de sete anos

Meu filho de pouco mais de sete anos me perguntou o porquê de todo mundo tem falado tanto sobre a classe média, e em seguida, a pergunta:

- “O que é classe média?”.

A terapeuta da minha filha já me dizia: você dá informação demais para estas crianças. Responde apenas o que eles perguntam. Acontece que eu não sou prolixa, de maneira nenhuma. Minha objetividade faz com que as pessoas muitas vezes tenham raiva. Contudo, não consigo falar com criança sem contextualizar. Então comecei a explicação:

- “Filho, o ser humano é um ser gregário, ou seja, ele vive entre outros seres e depende destes para viver. Vivemos em comunidade, um ajuda o outro, pois ninguém é capaz de produzir tudo que precisa para viver. Desde que o mundo existe, existe guerra por causa de terras e por causa de poder. Então vamos pular lá pro século XVIII, que está bem pertinho da gente e quando ocorreram dois importantes movimentos para o mundo de hoje: as revoluções Francesa e Inglesa ou Industrial. Elas foram responsáveis por um momento de pensamento do homem, e dão início ao sistema capitalista de produção, que é sucessor do feudalismo. Calma que vou te explicar tudo!

O sistema capitalista é um sistema no qual as pessoas trabalham buscando ganhar dinheiro. É o que nós vivemos. Nestas duas revoluções, surgiram as indústrias. Até aquele momento, o trabalho era feito de forma manual. Pouca gente tinha o poder, o dinheiro nas mãos. Eram os senhores feudais, os donos das terras, a menor parte da população. Quando o homem aprende a pensar, e faz a revolução Francesa, e aprendendo a pensar descobre que não precisa ficar na mão dos senhores feudais, cria as máquinas e surge a revolução Industrial, o mundo se torna capitalista. Todo mundo trabalha por dinheiro, por capital, cada um quer ganhar mais que o outro. Está entendendo?

Para que tudo isto aconteça, existe uma ciência, que é a Sociologia. Ela nos faz pensar o mundo de forma crítica, percebendo as coisas à nossa volta, com raciocínio crítico. É por isto que as duas revoluções foram tão importantes, pois são as responsáveis pelo pensamento.

A Revolução Francesa durou dez anos, tendo início em 1789. É neste movimento que surgem os primeiros pensadores, os Iluministas, que pautam a ciência na razão. Os principais pensadores são Jean Jacques Rousseau, John Locke, Voltaire e Montesquieu. O Iluminismo propõe uma nova organização social. O indivíduo, dotado de razão e perfeição inata, é destinado à liberdade e igualdade social. A razão é o motivo pelo qual o indivíduo construi novas formas de vida. E assim, já começamos a falar em Liberalismo, cujas ideias e princípios eram os mesmos do Iluminismo. Você é pequeno para entender tanta coisa. Mas sua irmã, com treze anos, já entende bem tudo isto.

Na Inglaterra, Thomas Hobbes e John Locke foram os precursores da Revolução. Quando ela surge, existe a necessidade de produto (tecido), matéria-prima (lã). As ovelhas (matéria prima da lã) precisavam de pastos, com isso começa a desapropriação de terras. Quanto mais terra, mais pasto, mais tecido e maior a riqueza. Locke afirmava que o homem vinha ao mundo como uma caixa vazia, e para criar condições de falar, andar, ouvir, ver, precisava ser estimulado e a experiência é passada de indivíduo para individuo, formando, assim, a sociedade. Assim, afirma ser o homem um ser social por natureza, podendo perecer sem tal aprendizado.

A lei é algo criado com o intuito de organizar a sociedade, e nesta época, ela já existe há muitos séculos, pois desde o Império Romano – lembra que lemos sobre ele? – começaram a existir.

Muitos países não concordaram com o capitalismo. Achavam que todos deveriam ser iguais, e ainda acham. Estes são chamados de países socialistas. Só que mesmo os países socialistas têm maneiras diferentes de exercer o socialismo. Se a gente pegar Cuba, Venezuela, que ficam aqui na América, e pegar o exemplo da Suécia, da Coreia, veremos que são socialismos diferentes. Um deles quer o poder. O outro, nivela o povo pela educação, e a partir da educação, algumas pessoas podem e tem o direito de ter mais “capital” que as outras.

E onde entra a classe média que você me perguntou? Vou explicar pra você usando a nossa família, ok?

A mamãe começou a trabalhar muito cedo. O papai, um pouco mais tarde. Entretanto, sempre trabalhamos muito. Hoje, o papai trabalha quinze horas por dia, nós não temos empregada, a mamãe cuida da casa, das compras, das contas, das roupas, da comida e da família. Tudo para que possamos economizar dinheiro para outras coisas. Quando alguém trabalha com honestidade e sem preguiça, vai evoluindo no trabalho. A pessoa também precisa estudar sempre. Não pode parar. Estudando e trabalhando muito, a pessoa vai mudando de cargo e recebendo mais salário. Veja nosso caso: a mamãe e o papai eram muito pobrezinhos. Então resolvemos morar fora do Brasil, para tentarmos conseguir algum dinheiro para comprar uma casa própria e parar de pagar aluguel. Foi difícil, a mamãe ficou doente, mas nós conseguimos. Quando paramos de pagar aluguel, aquele dinheiro começou a sobrar, e aí compramos o apartamento em que morávamos. E conseguimos pagá-lo, assim, mudamos para esta casa que moramos hoje. Então ontem – no passado – éramos muito pobrezinhos. Hoje, somos chamados de classe média.

Para muitas pessoas, é feio ser classe média. É pecado. Não é uma coisa boa. Porque para muitas pessoas, quem pertence à classe média são pessoas que sentaram debaixo da árvore que dá dinheiro, com um guarda-chuva virado de ponta-cabeça, e ficaram esperando cair dinheiro. A classe média é formada por um povo trabalhador que lutou para mudar de vida. A classe média é a classe que paga taxas absurdas de impostos. Quase metade de tudo que o papai recebe pelo trabalho dele, vai para o governo. E muita gente não entende isto. É como se pertencer à classe média fosse um pecado. Muitos ainda chamam a classe média de burguesia.

Enquanto tudo isto acontece, nosso governo pensa em se tornar um governo socialista. Mas os programas sociais do Brasil não estão muito certos. Porque o verdadeiro programa social começa com a educação. A partir do momento em que todos os brasileiros tiverem direito à educação de qualidade, todos terão direito a lutar por bons empregos. Hoje, o governo tem muitos programas sociais, que distribui benefícios às pessoas, levando muitas a não lutar pela mudança de vida, porque elas não estudaram, e não sabem e nem conhecem o outro lado da vida. Deu pra entender um pouco filho?”.


“- É confuso, mas deu sim mamãe. O papai trabalha e o papai dos meus amigos trabalham e o governo dá o dinheiro da metade do salário deles para as pessoas que não querem trabalhar?”.

Um comentário:

  1. Mamãe maluquinha!

    Eita mulher inteligente! rss

    Eu resumiria, acho muita informação para uma criança.

    Mas enfim. O que mais importa é como ele concluiu! Bastou para saber que esse menino é mesmo filho de Panda!

    Beijo,

    ResponderExcluir