quinta-feira, 23 de maio de 2013

Um conto de fadas

Era uma vez, uma menina que aos dezoito anos, decidiu casar-se com o namorado que tinha desde os catorze. Os pais, em particular o pai, foram contra; mesmo assim, assinaram a documentação necessária para o casamento da filha. Após onze anos (no total) de relacionamento e sete de casamento, tudo se acabou e ela, uma independente e bem sucedida profissional, estava grávida de dois meses, com malas semi-prontas para embarcar para a América. O anúncio da vinda do bebê fez com que sua vida e seus planos mudassem totalmente. Assumiu a filha, foi “demitida” durante a gravidez, enfrentou preconceitos e discriminações das pessoas, pois ninguém sabia o real motivo do fim daquela união. Em meio a tudo isso, ainda tinha o irmão caçula, completando os seus dezoito e rebeldes anos, para criar e encaminhar na vida. Encarou tudo com coragem e em mais sete meses, saiu de seu ventre uma linda princesinha, cercada por todo o amor materno que uma criança precisa e merece. Quando sua filha tinha pouco mais de dois anos, conheceu um sapo. Mas a menina, que a esta altura já era uma madura mulher, conheceu o sapo sem conhecê-lo na realidade. Até que em 15 de junho daquele ano de 2002, o sapo convidou a mulher para um passeio na lagoa. Ao olhar para o suposto sapo, nossa protagonista descobriu que se tratava do mais belo príncipe. Naquele mesmo dia, passaram a morar juntos, tamanha a chama acesa entre os dois; a princesinha agora tinha um rei, a quem passou a chamar de papai; nossa menina que virou mulher, agora se transformara na mais feliz das rainhas. Claro que nem tudo foi simples, afinal, o sapo que virou rei acabara de sair de uma relação havia somente quinze dias. O sonho do sapo que nunca foi sapo era construir uma família, ter seus herdeiros e ser muito amado por todos; nossa agora rainha, porém, não acreditava que um dia tentaria reconstruir um castelo. Após enfrentar todas as adversidades, um ano havia se passado e a família real foi morar em outro reino, não tão distante ainda. Passaram quase um ano longe de tudo e todos, casaram-se de papel passado e só não viveram felizes para sempre ainda, pois muitas coisas ainda estavam por vir. Mais um ano se passou e a família foi então morar em outro reino, desta vez já tão tão tão distante. E durante todo esse ano, tentaram de todas as formas completar a realeza daquela família, pedindo a Deus que lhes desse um príncipe. Para realizar o desejo, Deus fez com que eles voltassem todos para junto de seus familiares e naquele mesmo ano, já em 2005, o príncipe herdeiro do trono chegou. E todos viveram felizes para sempre. E colorim colorado.

Essa história é real. É a história da minha vida. Meu Rei, dono incondicional do meu amor, meu respeito e meu coração, chama-se Milton Hummel. Há sete anos, quando o conheci, senti algo que nunca havia sentido antes. Tive pulsações diferentes e disparadas durante meses. Até hoje, passados tantos anos, dá um friozinho na barriga quando o dia vai terminando e sei que terei meu castelo completo, com todos os personagens dentro dele. Deus me deu muito mais do que pedi. Eu só desejei na vida ter uma carreira bem sucedida, nunca nada além. Mas como devo ter sido muito boa menina, Deus me contemplou com uma família linda, com dois filhos perfeitos e um marido muito além de qualquer expectativa ou perspectiva. Alguém além de qualquer sonho.

Quando conheci o Milton, virtualmente, ele tinha trinta e dois anos. Quase um mês após o encontro virtual, encontrei-o pessoalmente e se existe algo chamado “amor a primeira vista”, foi o que sentimos naquele momento; logo soube que ele era o homem da minha vida. Porém (e toda história tem que ter um porém), achava utópico me relacionar com um rapaz tão jovem para meus padrões da época. Hoje, meu marido completa quarenta anos. E o que aprendi nestes anos ao seu lado? Que ele é o homem mais honesto, mais íntegro, mais sensível, mais amigo, mais fiel, mais bonito, mais tudo que eu já conheci na minha vida. É a pessoa que quero passar toda a minha vida, sonhando, construindo, crescendo, aprendendo, amando e sendo amada. É o pai mais perfeito que já conheci.

Nossa história transcende ao conto de fadas, ultrapassa as barreiras da realidade. Não passo um dia sequer sem agradecer a Deus por reencontrar meu grande amor, que não tenho dúvidas, está comigo há muitas e muitas vidas. Não há dia da minha vida que não peça a Deus para proteger meu marido, meus filhos e abençoar sempre o respeito e amor que temos um pelo outro. Não há dia algum em que eu não me sinta a pessoa mais importante do mundo, por tamanha graça concedida. E todos os dias, ao amanhecer, meu amor pelo meu marido consegue ser maior do que no dia anterior, quando foi dormir.

Se eu usasse Oswald de Andrade para falar do meu marido, usaria “O Rei da Vela”, pela luz que ele representa em minha vida; se usasse Shakespeare, seria “King Lear”, pela bravura com a qual ele defende e protege a nossa família. Mas como sou simplesmente Úrsula Hummel, desejo-lhe uma vida plena, eterna, com sabedoria infinita.

Meu amor, que seus próximos quarenta anos de vida sejam ao meu lado e que nosso amor, respeito e admiração continuem infinitos e duradouros. Te amo ontem, hoje, amanhã, sempre.

4 comentários:

  1. CHOREEEIIIII LENDOOO!!!


    Obrigada por fazer parte da minha vida! Obrigada por ser mais um exemplo para seguir!
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Amiga, a vida é feita de exemplos e um dia, tive os meus que segui, e deixaram de ser exemplos, e vieram novos exemplos....é o ciclo da vida!!!! Beijo grande

    ResponderExcluir
  3. Chorei 2...

    Amigaaa, quanto tempo que não passava no seu cantinho e ele está cheio de coisas novas. Seu texto impecável e cheio de sentimento como sempre.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto. Lindas palavras. Lindo amor! Parabéns, Pandoca!

    ResponderExcluir