quarta-feira, 20 de julho de 2011

Sobre ser pai, ser mãe, ser filho e ser amigo

 - Ser pai: o que meu pai foi para mim
- Ser mãe: aquilo que sou e sempre quero ser para meus filhos
- Ser amigo: aquilo que meu pai foi pra mim, o que quero sempre ser para meus filhos, e o que somos eu e meu marido

Assim formo o conjunto das pessoas mais importantes da minha vida.

Estou vivendo o momento mais difícil da minha vida. Claro que como sempre, tento disfarçar e ser forte, mas não sou. Estou desmontada e em frangalhos, me sentindo um farrapo. Contudo, com forças para caminhar e seguir em frente.

Há quarenta e dois dias perdi o controle das coisas por completo. Não só o andar, o caminhar. Perdi o controle emocional para algumas coisas. Não tenho conseguido ler, me concentrar nas coisas. Eu, que em condições normais costumo realizar todas as minhas tarefas e ainda assistir a uma temporada inteira de qualquer série em dez dias, estou há quarenta e dois dias para assistir a doze capítulos de uma temporada que adoro. Hoje, finalmente, consegui chegar ao capítulo treze.

A história primária da série não tem nada que ver com o que me emocionou, apenas um detalhe da história: a filha do protagonista, grávida aos quinze anos, casa-se, e ele faz o discurso durante a cerimônia. Neste discurso, conta que a filha ainda pequena disse-lhe que ele sempre seria o seu melhor amigo. E eu chorei.

Tudo bem, chorar tem sido uma constante para mim no último mês e meio. Na verdade acho que choro a vida inteira, mas acho que chorar é uma forma de dizer: “estou viva, sinto e me emociono”. Não tenho problema em chorar, tampouco em me emocionar.

Lembrei-me então do meu casamento e do meu pai. Quando completei dezoito anos e disse ao meu pai que ia me casar, ele disse-me com todo o amor que me dedicou a vida inteira: “filha, o papai tem a certeza de que você está errando e que este moço não é alguém que te mereça. Mas se é o que você quer, o papai assina o que precisar, e quando der errado, eu sempre vou ser seu pai e estarei aqui pra te dar forças”.

Nunca consegui entender a sabedoria do meu pai. Ele não tinha estudo nenhum. Mas foi a pessoa mais culta que já conheci, e talvez a mais sábia.

Hoje, lamento não ter mais meu pai perto de mim, até por conta de uma doença muito triste que acometeu trinta e cinco anos da sua vida. Só que tive meu pai ao meu lado nos dois momentos mais difíceis que enfrentei: quando me casei, e passei por muitas dificuldades, físicas e emocionais, e quando me separei, sete anos depois, grávida de dois meses da minha filha.

Naquele segundo momento mais difícil, quando todas as pessoas se afastaram de mim, por eu não poder mais oferecer festas e reuniões todos os finais de semana na minha casa, por eu não poder mais participar de festas, viagens e baladas, foi ao lado do meu pai que encontrei conforto. Era pra casa dele que corria todo final de semana, e lá era recebida por ele e pela esposa, com as comidinhas que eu gostava e com mimo, amor e carinho.

Meu pai era assim: exalava amor por onde passava. Uma pena que a única pessoa que mereceu todo o seu amor, não o teve: ele próprio.
Nunca quero viver a experiência de ver minha filha vestida de branco, aos quinze anos. Não para o baile de debutantes, mas para vestir um véu na cabeça. Deve ser muito triste e doloroso. Então sempre quero ser sua amiga, para poder orientá-la e instruí-la no que for preciso. Tampouco quero ver meu filho assumir a responsabilidade de um casamento antes da maturidade.

Queria poder apertar o botão mágico que é bem simples: minha filha faz dezoito anos e entra em medicina numa faculdade estadual ou federal. Forma-se dali alguns muitos anos e encontra o seu grande amor. Compram a casa própria, casam-se e são felizes para sempre. Meu filho entra na USP para cursar engenharia, economia ou direito, forma-se em primeiro lugar, entra num grande programa de trainee, vai morar fora do Brasil, casa-se com o seu grande amor estrangeiro e também vive feliz para sempre.

Sei que meu pai também sonhou isto para mim: que eu estudasse, encontrasse o grande amor e fosse feliz para sempre. Ele viveu para conhecer meu grande amor: meu melhor amigo e alguém que também chamo de marido.

Meu marido é uma pessoa maravilhosa. E desde que nos conhecemos, sempre digo para ele o quanto ele se parece com o meu pai: é culto, inteligente, gosta de coisas parecidas com as quais meu pai gostava, e mesmo sendo apaixonado por Ferraris, BMWs e Porsches, são apenas sonhos de meninos, coisas intangíveis, pois a simplicidade é o que fala mais alto nele.

Assim como meu pai, meu marido é meu amigo: sabe compreender minha chatice, respeita meu jeito mandão de ser, sabe a hora certa para me contrariar nas minhas birras de menina mimada. Sabe me dar colo sempre que preciso, sem eu precisar pedir. Faz tudo que quero e o que está ao seu alcance para me deixar feliz.

Muitas pessoas me chamam de muitas coisas: apelidos, formas carinhosas, mas nada na minha vida superava ouvir meu pai me chamar de “filhinha” aos trinta anos de idade. Amava ouvi-lo me chamar assim. Por isto só consigo chamar meus filhos pelo nome quando estou brava com eles. Chamo-os de filhinho e filhinha o tempo todo. É minha forma de dizer a todo momento o quanto os amo.

Sempre falo para meu marido da importância da cumplicidade e de fazer algumas coisas com as crianças, do tipo levar na banca de jornal e deixar comprar todas as revistas que quiserem.

Quando criança, éramos muito pobres, mas só hoje percebo as dificuldades financeiras nas quais vivemos. Porque dentro daquelas limitações, meu pai me dava dinheiro escondido da minha mãe para comprar doces na porta da escola, deixava eu comprar sonho na padaria, fiado, antes de ir à escola, pedia para eu comprar alguma coisa e me dava o troco pra gastar com minhas bobagens. Era tão pouco, mas foi tanto, que só quem viveu estas coisinhas escondidas, sabe o quanto foi bom.

Adoro ser cúmplice dos meus filhos. Não faço nada que meu marido não saiba, mas adoro pegar os dois e falar: “vamos ao shopping só nós três e tomar sorvete escondido do papai?”. Não, meu marido não nega sorvete para as crianças, mas quero criar neles a cumplicidade de algo só nosso. Eles adoram. Também gosto de levá-los à banca de jornal, e de dar dinheirinho para eles, mesmo que eles não precisem do dinheirinho, pois diferente da minha infância, podemos entrar no mercado e comprar absolutamente qualquer coisa que eles queiram, podemos entrar na padaria e comprar toda a fornada de sonho para eles, mas o fazer juntinho e meio que “em silêncio” vai deixar momentos marcados em suas cabecinhas.

Hoje é dia do amigo. Muitas pessoas entram e saem das nossas vidas. Não existe um melhor amigo para a vida toda, porque a vida de cada indivíduo se torna diferente em vários momentos, as pessoas se distanciam, se separam, mesmo que ainda exista aquele grande carinho entre elas.

Meu pai sempre será guardado dentro de mim como um grande amigo. Assim como meu marido é o melhor amigo que já tive, e este, não quero ver jamais se distanciar de mim, pois quero sempre caminhar ao seu lado e viver com ele os seus e os meus desejos. E espero sempre poder estar perto dos meus filhos, e por eles ser considerada alguém para contar, como contamos com amigos.

Feliz dia do amigo!

13 comentários:

  1. CHORAY!

    AMIGA Q POST LINDOOOOO!
    SEU PAI FOI UM GRANDE HOMEM!
    E QDO LEIO HISTORIAS ASSIM DE PAI E FILHA (QDO A ISA SADY ESCREVE SOBRE O PAI DELA EU TB EMOCIONO) EU PERCEBO Q A DISTANCIA Q HA ENTRE EU E MEU PAI É PURA BURRICE!
    MEU PAI ERROU DEMAIS NA VIDA E HJ PAGA UM POUCO POR TD Q FEZ, PIOR DO Q ELE PAGAR, É ELE SABER Q ESTA PAGANDO.

    MAS EU AMO MEU PAI.
    COM TODOS OS ERROS DELE, DEFEITOS, ESCORREGOES.
    ELE UM DIA FOI MEU MELHOR AMIGO TB. MEU REFERENCIAL. HJ Ñ MAIS, HJ ISSO TD É A MINHA MAE, PQ DURANTE ANOS ELA FOI MEU PAI. SEGUROU SOZINHA EMOCIONAL E FINANCEIRAMENTE UMA CASA, 3 FILHAS E UMA VIDA ABANDONADA!

    HJ TENHO MEU MARIDO Q TB TEN LA SEUS DEFEITOS, MAS AINDA BEM É COMPLETAMENTE DIFERENTE DO MEU PAI.
    PQ IGUAL AO MEU PAI, JA BASTA MEU PAI!

    AMIGA FELIZ DIA DO AMIGO.
    Ñ NOS CONHECEMOS PESSOALMENTE, MAS ISSO É UM MERO DETALHE APENAS.
    QUEM DISSE Q PARA ESTAR JUNTO É PRECISO ESTAR PERTO???

    MUITOS BEIJOS DE QUEM TEM POR VC UM CARINHO GIGANTESCO!

    ResponderExcluir
  2. Pera... deixa eu me recuperar...

    Pronto, agora posso dizer: simplesmente o texto mais lindo que vc já escreveu. Tão cheio de profundidade e sinceridade que emociona.

    Feliz dia do amigo tbm minha querida. Sinta o meu abraço, já que não posso dá-lo pessoalmente. Você é muito especial.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Vemcha,

    Concordo com o comentário acima, este foi o texto mais bonito e mais emocionante que vc ja escreveu. Dá pra notar a sinceridade e sua emocão em cada detalhe, em cada palavra.

    Não conheci seu papis, mas tenho certeza do grande homem e do grande pai que ele foi.

    Seus filhinhos sempre vao falar de vc com todo esse carinho também!!

    Beijao! Amo estar nesta família :)

    ResponderExcluir
  4. Querida amiga,

    Estou emocionada com o seu texto!
    Lindo, lindo!
    Tenho certeza que de onde seu pai estiver ele está olhando por você.
    Imagino a saudade que bate... Tenho certeza que ele se orgulha muito de você!
    Feliz dia do amigo pra você, que é uma amiga muitooooo querida, amada e especial!

    ResponderExcluir
  5. Minha amiga, só não chorei de passada que estou com seu post.

    Nem preciso dizer o quanto me identifiquei, o quanto meu pai era TUDO, e o quanto o Caio hoje é TUDO pra mim. Também sempre achei os dois muito parecidos, de cabeça, de cultura, sabedoria, o quanto ele me entende e me acolhe, e aguenta minhas birras de menina mimada.

    Hoje escrevi um post sobre os 10 meses da Nina, mas estou tão cansada, passamos o dia no Aquário e foi muito legal ver a carinha dela.
    Nem sabia que hoje era dia do amigo...mas com certeza, amigos se afastam, se separam, por milhões de razões, às vezes nem sabemos o por que.
    Hoje eu tenho UMA amiga de verdade, que sei que posso SEMPRE contar com ela. Apesar de não nos vermos sempre, nem nos falarmos sempre, ela é a número 1.
    Fico magoada sim pois perdi amizades que gostava muito, mas não tem o que fazer.

    Enfim querida, apesar da Nina me deixar maluquinha e eu sempre dou uma passadinha e uma fuçada para ver como você está.
    Adorei te conhecer e quero te reencontrar viu.

    Fique bem...super beijo

    ResponderExcluir
  6. Putaquepariu! Pegou pesado, gorducha! Vez ou outra recebo comentários do pessoal chorando no meu blog, mas agora fui e que abri o bico. E acho que fiz isso não só porque o texto é lindo, mas principalmente porque essa história eu conheço inteira. Com certeza o véio tá ajeitando o bigode e rindo feliz por vc ter encontrado o companheiro perfeito, afinal.
    Love u

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo! Me fez lembrar meu pai, repensar mina infância, em todas as dificuldades, mas também todas as alegrias que ele me proporcionou. Meu pai era uma pessoa simples, culta embora nunca tenha estudado, e tinha um coração muito bom, quase inocente.
    Bom, vou parar por aqui porque vai pegar mal chorar no trabalho.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Amiga, levemente atrasadíssima, li seu texto e me emocionei. Este ano resolvi ignorar o dia do amigo no melhor estilo "dia do amigo de verdade é todo dia", e mal respondi delicadamente as mensagens mais pessoais que me chegaram.

    Não sei se fiz certo, mas estou tão desencantada da vida (deprê mode on) que não me animei pra nada, não mandei uma única mensagem sequer nesse dia.

    Mas essa sua visão de que pai é amigo e de que você construiu uma amizade especial com seus filhotes, me tocou, e muito. Desejei escrever um post inteiro sobre isso, quem sabe ainda sai?

    Bjoooo


    Sinto mais ou menos a mesma coisa, e fiquei com vontade de escreve

    ResponderExcluir
  9. Line e Bel, nada de chorar, juro que não foi este o intuito! Mas colocar as emoções para fora é sempre bom né meninas? Um beijo grande para vocês!

    Para quem escreveu antes delas, o próximo post é dedicado à vocês!!!

    ResponderExcluir
  10. Panda, eu tive o prazer de estar com sua familia por algumas vzs e sou mto feliz por ser parte do seu circulo de amigos...
    Seu texto foi emoção pura! E realidade pura tb! Seus filhos são fofos, educados e puros como td criança tem de ser. E vc e o Toru formam um casal q dá gosto de ver!!! É uma familia feliz e que serve de exemplo!
    Com certeza isso não se construiu a toa, seu pai teve grande influencia na sua base de como formar uma familia. E sim, amigo de verdade e para sempre ao nosso lado só mesmo pai/mãe e com sorte (graças a Deus no nosso caso acertamos,rs) nossos maridos.
    Estou aqui me sentindo pessima amiga. Da minha cama posso ver os presentes de aniver seu e do Milton q ainda esperam minha prometida visita pra serem entregues. Mas juro, vou superar essa minha vida confusa e teremos nossa tarde bem gostosa!
    Um gde beijo pra vc! Te love U!

    ResponderExcluir
  11. DaniDani, nossa vida é uma grande obra, e cada dia vamos colocando um tijolinho para ter certeza de que a base é consistente. Dá trabalho, mas se o resultado é positivo, vale a pena! Beijos no core

    ResponderExcluir
  12. Quanta sabedoria seu pai teve!
    Admirável! Pra mim, supera qualquer um que a gente vê por aí chamado de sábio!

    Você é linda, por dentro e por fora!
    Cheia de amor, e isso importa muito!

    Fazer essa viagem em aqui em seu blog tem me dado a oportunidade de refletir!

    ResponderExcluir
  13. Sheronh, que bom poder te dar esta oportunidade amiga. Refletir é um dos melhores remédios pra alma! Bjs

    ResponderExcluir