quinta-feira, 17 de março de 2011

Inveja ou o quê?

"O que você fez durante todos estes anos enquanto eu trabalhava?

Perfeito se respondeu que também trabalhou. Que acordou tão cedo quanto eu e teve turnos de trabalhos iguais ou, muitas vezes, maiores que os meus. E hoje estou eu nesta vida confortável de dondoca, podendo ter tudo o que quero, podendo desfrutar de um lar com boas instalações, realizando viagens pelo mundo enquanto você continua acordando cedo todos os dias e levando uma vida injustiçada.

Você só esqueceu de anotar detalhes. Durante todos estes anos tivemos sim cargas horárias parecidas. Será, contudo, que a energia foi a mesma? Será que você não esteve na zona de conforto aguardando que algo acontecesse, enquanto eu aproveitava toda e qualquer folga que tinha para investir nas mudanças?"

A cena narrada pode ser mais comum do que imaginamos. Muitas pessoas não se conformam com a vida daquele que está próximo ter mudado, ter se tornado uma vida mais próspera, enquanto sua vida continua a mesma de outrora, muitas vezes beirando a mediocridade.

Para que consigamos levar nossas vitórias sem cobranças internas, pois as externas não há como abortar, temos que saber exatamente o ponto em que nos distanciamos das pessoas. Em que momento aquele grande amigo que caminhava junto conosco ficou para trás. Não foi no momento em que você sempre acordou as cinco da manhã enquanto o amigo dormia até as oito. Não foi no momento em que você voltou tarde para casa por anos a fio, aprimorando seus estudos para conquistar o status de hoje, enquanto o amigo investiu o dinheiro dos estudos em viagens, passeios e afins. O momento da distância é o momento da decisão de trilhar um caminho diferente.

Eu trilhei o meu caminho diferente e hoje posso gozar e fruir do conforto que busquei ao longo deste distante caminho.

A inveja pode ser destrutiva para quem a recebe, mas é muito pior para quem a emana, pois o indivíduo está tão preocupado em ver o que o outro está vivendo de bom, que esquece de trilhar o seu próprio caminho.

Procuremos cada vez mais viver nossas próprias vidas, pois a viagem que um segue pode não ser boa para outro. Pense a respeito!

2 comentários:

  1. É Úrsula...como dizia minha sábia e amada avózinha: "Você só vê a pinga que eu bebo mas não vê os tombos que eu levo..." Ou seja, a maioria adoro julgar sem antes verificar os fatos! Será mesmo que a pessoa que está bem, tem um carro legal, uma casa bonita, quitada, um rosto feliz, uma vida com qualidade, tem tudo isso porque possuí PURA SORTE???? Ou possuí tudo isso por que CONQUISTOU???
    Adorei seu ponto de vista no post porque penso e sinto exatamente igual!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Eita, amiga, alguém pisou no teu calo hoje, foi?
    Demorei de vir aqui (a vida tá dura, cada vez mais dura) e quando venho tá tudo escuro, umas mudanças que ainda não entendo... mas, enfim... cada um sabe de si.

    Um xêro, e que tudo melhore dentro de você.

    (Se entendi tudo errado, perdoe. É a mente cansada!)

    ResponderExcluir