quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

É o amor

Não é título de música sertaneja. É apenas o título do meu coração.

Sou uma pessoa completamente apaixonada, cujo coração nunca deixa de amar. Lembro-me ainda na pré-escola, quando estava sendo alfabetizada, escrevi minha primeira carta de amor para o Paolo, meu pseudo-pretendente. O que me fez gravar tão bem a imagem daquele tempo tão distante, foi a gozação da minha mãe com meus erros de português. Freud está certo, as mães são sempre culpadas.

Depois do Paolo, gostei de outro menino. Deste já não me lembro, pois para não ser chacotada de novo, não escrevi carta. Uma pena. Preferiria ter na memória aquele amor que vivi na escola Fernão Dias Paes, lá na Pedroso de Moraes, quando morávamos na Rebouças. Mudei-me aos nove anos para o Gastão Moutinho e lá vivi várias outras paixões. 

O grande problema que tenho é que perco o tesão quando conquisto aquilo que quero. Assim, ia conquistando minhas paixões, desinteressando-me de todas e encontrando novas "vítimas" por quem suspirar.

Os anos se passaram e vivi intensamente muitas paixões. Até que fiquei adulta. Minha primeira grande paixão na vida adulta veio aos 23 anos. Outra aos 25. E a derradeira aos 27, quando encontrei o meu marido.

Nunca pude me imaginar apaixonada por tantos anos pela mesma pessoa. O melhor é ter a certeza de que esta paixão não tem fim, pois a cada dia que passa só se fortalece.

Lembro-me da minha adolescência e do meu caderninho de versos: "prefiro sofrer de amor, a sofrer por não amar". Uma máxima, verdadeiríssima. 

A paixão é a bateria para o coração. É muito bom amar, estar apaixonada, viver momentos de intensidade quando o coração bate forte e acelera.

O ser humano é gregário, precisa de seus semelhantes para viver. Eu preciso do meu amor, meu marido, amigo, companheiro. Aquele ser que fez minha vida mudar para sempre, em todos os sentidos. Aquele ser por quem eu choro de saudades, com quem eu divido minhas angústias, em quem desconto minhas raivas, aquele que chamo de marido.

Amar é saudável. Amar e ser amada é elixir da vida. Pois quando tudo dá errado, temos um ombro para chorar, alguém para ficar junto em silêncio, para dizer coisas que só dizemos quando amamos. Amar nos dá essa liberdade.

Por isso que amo...profundamente...infinitamente. Amo e sou amada. E que assim sigamos felizes por todos os nossos dias!

Um comentário: