sexta-feira, 8 de outubro de 2010

O tempo caminha... e a idade vai junto!

Uma das lembranças mais fortes que tenho da infância, é da minha finada tia Ana com medo de completar trinta anos. Assim, cresci achando que fazer trinta anos transformava a mulher em um monstro.

No dia 6 de junho de 2004, estava no último dia dos meus 29. Aguardei a transformação e no dia seguinte acordei igual. Nada tinha mudado em mim. Nem fisicamente, nem psicologicamente, nem mentalmente. Nada. Virar Balzaquiana foi apenas um novo adjetivo para se juntar a tantos outros que denominavam minha pessoa.

Os anos se passaram e neste completei 36. Não sei ao certo o que aconteceu, mas passei a rejeitar a idade, inconscientemente. Todas as vezes em que alguém me pergunta quantos anos tenho, automaticamente respondo: "trinta e cinco". Em seguida, corrijo. 

Passei a perceber que cabelos brancos nasciam na minha cabeça. O que até o ano passado eu resolvia arrancando, não teve mais solução. Eles apareceram em quantidade, e a solução nesta semana foi apelar para uma tinturinha básica.

No último final de semana, sentada no sofá vendo tevê com o marido Toruboi, comecei a perceber que ele já tem muito mais cabelos brancos que aqueles poucos fios grisalhos de outrora. Percebi que ele começou a envelhecer, que começaram a surgir sinais no rosto. Se ele, meu amor, meu companheiro, está envelhecendo, eu também estou.

Nunca fui adepta de cremes. Nada além de um hidratante. Em outros tempos, um Vasenol era suficiente. Hoje uso Victoria Secret, totalmente financiado pelo meu irmão e minha cunhadinha. Não tenho manchas na pele, já que não posso tomar sol. Não posso ficar usando creminhos, pois minha pele sensível mal suporta um protetor solar. Foi neste ano que comprei minha primeira base. E acho que ela vai durar até o dia do vencimento, já que minha pele realmente se irrita com tudo.

Hoje, conversando com uma vizinha que é ginecologista, descobri algo que para muitos não é novidade, mas para mim foi. Os óvulos da mulher envelhece. Se uma mulher de 55 anos engravidar, corre sério risco de ter um bebê com má formação, pois o óvulo já não era como antes. 

Pensei que está bem perto de chegar os 55, de me encher de rugas, de não poder mais procriar, de chegar os pés de galinha. Percebi como meus filhos cresceram, como minha mãe envelheceu, meu pai até já morreu. E o tempo vai passando, passando, tão rápido que mal percebemos. Quando nos damos conta, passou.

Assim, continuarei vivendo no meu mundo de Poliana, utópico, idealista, o melhor mundo de todos. Vivendo, aprendendo, curtindo, crescendo, amadurecendo...

Um comentário:

  1. Putz, envelhecer é chato pra cacete. Deixar a adolescência já está me dando trampo. Mas não se preocupe... vou arranjar um lugar bacana pra gente morar e curtir os anos sem muito stress...
    bjoca

    ResponderExcluir