segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A educação nos tempos de... agora!

Recebi um email da minha amiga blogueira Carolzinha, falando sobre educação. Coincidência ou atração, estou ensaiando há alguns dias um texto para o pós-eleição. Então vamos lá:

Já é sabido por muitas pessoas e não é mais segredo que um país só se desenvolve através da educação. Mas e os governantes, querem educar? Claro que não, pois quando se educa, tira-se o indivíduo de um mundo alienado, ensina-o a pensar e quem pensa, questiona.

Pessoas me olham indignada pelo fato de eu não votar. Não voto e não faço segredo disto. Não voto porque não há um candidato decente pra votar. Não voto porque sou contra a obrigatoriedade do voto. Não voto porque acho um absurdo o valor que é descontado do salário do meu marido todos os meses, referentes à INSS e IR. Pagamos caro por uma assistência médica padrão executivo que é cada dia menos aceitas pelos médicos. Sabem por quê? Porque um convênio reembolsa na faixa de 30 dinheiros por consulta mensal a um médico conveniado. E quando a consulta é particular, custa 300, 400 dinheiros. Compensa mais o médico atender apenas um paciente particular por dia, que atender 10 convênios. Conta besta.

E não fica só por aí. Pagamos caro todos os meses pelo assistencialismo e pelo paternalismo do governo que hoje controla nosso país e cala a boca dos órgãos de imprensa. Querem matar o quarto poder.

Contudo, se houvesse educação....ah, como tudo seria diferente.

Semana passada, minha filha de 10 anos, que cursa o sexto ano (antiga quinta série) me disse que está aprendendo raiz quadrada, e que achou muito fácil. Perguntei a ela: "filha, se a mamãe não tivesse obrigado você, três anos atrás, a estudar tabuada todos os dias até decorar, você acha que seria fácil?". Ela respondeu taxativa que não.

Hoje, as escolas particulares são todas apostiladas. Existem as apostilas "Sistema Anglo", "Sistema Etapa", "Sistema Dom Bosco", "Sistema Positivo", "Sistema Uno". Excelentes materiais didáticos que antes eram produzidos por grandes editoras, encalham agora nas livrarias. Usa-se um sistema engessado e conteudista. E a criança, aprende alguma coisa? Claro que não.

Tirei meus filhos de uma escola particular em junho, para começarem o segundo semestre em outra. Em termos de valores, nada mudou, pagamos exatamente a mesma coisa. A diferença é que na outra escola havia 35 alunos na sala de aula. E nesta, há apenas 20, sendo que todos os professores contam com o apoio de uma auxiliar em tempo integral dentro da sala. Além de minha filha ter um ensino com qualidade, foi despertado nela o interesse em aprender, já que nos cinquenta minutos que VOAM de uma aula, a professora consegue ouvir as dúvidas dos alunos. Mas além de quase dois mil dinheiros por mês gastos com as crianças em uma escolinha de bairro, ainda pago mensalmente pela vergonha que é o ensino no Brasil.

A escola hoje não ensina o aluno a pensar. Não obriga o aluno a estudar. Os pais terceirizaram a educação integralmente. Cobram da escola atitudes que deveriam ter com os filhos, e não toleram que professor fale mais alto com o seu pobre filhinho. É a era da marginalização. A formação para os bandidos de amanhã.

Meus filhos estudam em uma escola localizada no centro dos condomínios de luxo da Zona Norte de Sampa, onde fica o metro quadrado mais caro da região. Na escola deles, é cheio de madames de salto alto e bolsa Louis Vuitton. Os filhos mandam nas mães. Elas obedecem. Os pais ficam ganhando o dinheiro, as mães gastando no shopping, e os filhos são entregues para a escola para serem educados e saírem gênios, capazes de ingressar na USP sem qualquer problema.

Muitos pais esquecem-se, porém, que o Brasil tem sequer um ensino superior de qualidade. A USP, a UNESP, a FGV, e tantas outras instituições renomadas no Brasil não fazem parte da lista das 200 melhores universidades do mundo. Eu disse DUZENTAS. Para mim, tanto faz se aqui eles estudarem na USP ou na UNIBAN. Quero que eles estudem, que eles aprendam, que se dediquem, e que não vivam na mediocridade. Porque aluno que tira cinco para atingir a média, é no máximo medíocre.

Semana passada, Peteleco ficou de castigo na escola. A irmã estava passando pelo prédio da educação infantil e o viu sentado sozinho. Quando chegaram em casa, ele não queria falar o porquê do castigo. Perguntou se eu brigaria com ele. Respondi que não. Então me disse que a "prô" o deixou de castigo porque ele "mandou" nos amigos. Expliquei que quando ele está na escola, a professora é quem dita as regras, e ele já havia sido castigado por ela no ambiente em que errou. No dia seguinte, fui falar com a professora.

Como sou uma mãe "nova" no universo das dondocas, a coitada da professora ficou meio acuada. Agradeci a postura dela com o meu filho, e pedi que ela o repreenda sempre e quando precisar. Confio nela e sei que a docência no Brasil só se exerce por amor. Ela me abraçou com os olhos cheios de lágrimas. Agradeceu por eu estar na vida dela e disse que gosta muito de mim.

Criança precisa brincar. Mas quando chega a hora de estudar, é pra levar a sério. Minha filha fez caderno de caligrafia, decorou tabuada, e com o irmão não serei diferente. Quero que meus filhos leiam cada vez mais: jornais, revistas, livros, gibis, vejam filmes, aprendam a viver, para aprender a criticar, para formarem suas opiniões. Ensino para a Bibizoca que nem tudo que um professor fala é verdade. Pois muitos professores entram em sala e deixam suas máximas, tomando a criança aquilo como verdade, quando a verdade é única para cada indivíduo.

Vamos educar e formar nossas crianças, em parceria com as escolas, e transformar este país em um lugar realmente pronto para crescer. E um país só cresce se educa seu povo!

3 comentários:

  1. Por isso te mandei o texto, sabia que ia filosofar em cima dele.....hehehehehehe

    Agora faz um post só com ele para que outras pessoas concordem.

    Beijos, amo vc.

    ResponderExcluir
  2. Excelente post Pandinha!
    Adoro sua maneira de educar. É por isso que eu faço a campanha: Nem Dilma nem Serra, para Presidencia vote Pandoca!! rs
    Sobre sua alergia, vi a foto... menina, sério que estava pior?? To arrepiada aqui de imaginar...
    Se cuida!
    Beijos enormes!

    ResponderExcluir
  3. Amei seu texto e como você tem clareza do mundo que vivemos. Se todas as mães dos meus alunos fossem assim!!! Faria estes alunos voarem sem dificuldades!!! Beijos

    ResponderExcluir