quarta-feira, 2 de junho de 2010

Vida, luta e luto

Há uma linha muito tênue entre a vida e a morte e por mais clichê que seja, basta estarmos vivos para morrer. Vivi uma situação de choque tão grande hoje. Estava terminando a sexta aula e não sei por qual motivo resolvo olhar o livro de ocorrências. Tenho três alunas no nono ano que são unha, carne e cutícula. Vi que na última sexta-feira, duas delas saíram após o intervalo. Brinquei com as duas e questionei o que elas foram fazer fora da escola. Uma delas me fez sinal para ficar quieta, apontando para a terceira amiga. Pensei: "puxa, estão fazendo coisas escondidas da amiga?". A aluna dirigiu-se até mim e cochichou: "fomos ao enterro da mãe dela, Maestra". Não consegui responder. Faltavam 20 minutos para o término da aula. Peguei minhas coisas e sai. Fui falar com minha coordenadora, que confirmou a história. A mãe partiu, aos quarenta anos de idade, deixando meus dois aluninhos órfãos, a Belle, com 14 anos, e o Matheus, com 12. Que ela descanse em paz.

5 comentários:

  1. Coisa triste né?
    Eu já convive com a morte assim, bem de perto quando o pai do meu filho morreu.

    ResponderExcluir
  2. Como vc disse, basta estar vivo para morrer.

    Historias assim me fazem lembrar que ainda estou viva, e preciso ir pra rua e sair da net, pq o sol esta brilhando forte la fora e a vida vai alem da tela do computador. Obrigada pelo texto... fui!

    ResponderExcluir
  3. Bom meninas, la vida es bela, pero es rapida! Vamos vivê-la!!! Bejus

    ResponderExcluir
  4. não e´fácil perdr a mãe nesta idade.
    pai não segura a onda., vc sabe muito bem

    ResponderExcluir
  5. É amiga, há coisas que só Deus explica...

    ResponderExcluir