sexta-feira, 11 de junho de 2010

Minha viagem para a Polônia

Tem gente que fala que sou puxa-saco da Japinha. Mas não dá para não ser, ela é uma das pessoas que mais me faz dar risada no mundo, só perde para o Peteleco, para a Than, e para a Mi (minha amiga/vizinha).
Meu irmão e minha cunhadinha casaram-se em Portugal. Ok, não é novidade. E foram, dentre outros lugares, para Óbidos, cidade que eu www.amei.com.br. Hoje, a Japinha postou no blog dela as dicas de viagem para aquela cidade. Eu fui lá e comentei que amei a cidade, e quero voltar lá depois de ir para a Polônia. A Japinha, muito das afoitas e curiosas (e geminiana e minha cunhada) me mandou um email imediatamente, querendo saber se vamos para a Polônia. Chorei de rir. O que me fez lembrar que marido já foi para a Polônia.
Morávamos em Monte Estoril, em Portugal e surgiu a viagem para lá. Eu decidi que iria junto com ele, com todas as despesas pagas por mim (com o dinheiro dele). Só que o marido decidiu falar com o chefe dele antes, e pedir permissão para a minha viagem. Claro leitores, claro, concordo com todos vocês, O QUE O CHEFE TINHA QUE VER COM A MINHA IDA À POLÔNIA? Nada. E o chefe disse: "sua esposa não pode ir". E marido não me levou. (versão contada por ele).
Como Papai do Céu está sempre ao meu favor, sempre, mesmo que pareça o contrário algumas vezes, marido chegou no aeroporto de Lisboa e perdeu sua carteira. Embarcou primeiro para Frankfurt, só com um passaporte em mãos, mais nenhum documento, cartão ou dinheiro. No aeroporto, encontraram a carteira e o telefone do flat em que morávamos. Ligaram para lá e me comunicaram da perda da carteira.
Como boa (e idiota, e burra, e estúpida, e cretina) que sou (e já era seis anos atrás), liguei desesperada para a sede da empresa. Falei para a secretária do marido que estava desesperada, pois marido chegaria na Polônia sem ao menos ter como sair do aeroporto, por não ter dinheiro nem para o táxi. A secretária, muito gentilmente, disse-me para que não me preocupasse, pois a "colega" que estava viajando com ele estava munida de dinheiros e cartões, e que o "Senhor" Milton não passaria nenhuma necessidade fora de casa.
Se marido teve amor, naquele momento, àquilo que faz dele um homem, o medo e o arrependimento de fazer coisas escondidas foi tão grande, que a "máquina" não deve ter funcionado. Também, não tem como saber, pois não é preciso ir até a Polônia para trair a esposa. Ou é?

8 comentários:

  1. agora conta o final... quando ele voltou vc deixou a cara dele roxa, ou era mesmo só uma amiga????????????????? kkkkkkkkkkkkkkkkkk..

    Criei uma conta no twitter só por sua causa e vc nem me aceita sua má... vc é ruim... mas te amo mesmo assim

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Úrsula td bem?
    Os seus post são super hiper mega ultra legal. Amo ler tudo.
    E entro todos os dias, pois é impossível ficar sem....
    Beijos,
    Gi ;)
    P.S. Obrigada por ser a segunda seguidora do meu blog.

    ResponderExcluir
  3. Tenho certeza que o Milton não falou que ia uma colega de trabalho pra não te chatear, ele seria incapaz de tal ato. Ele é anjinho e te ana de montão dá pra ver nos olhos dele.
    Agora o chefe dele é um horroroso.
    beijinhos Ursinha, amo vc.

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou ciumenta, mas não sou boba. Se é que você me entende ! hahahaha
    Brincando...o marido foi fiel, com certeza...esperamos, pelo menos.

    ResponderExcluir
  5. O que os olhos não vêem o coração não sente! Pelo menos eu me iludo assim!!!!
    hahahahah

    ResponderExcluir
  6. Gente, é melhor pensar como a Mi: o que os olhos não vêem, o coração não sente!!!

    ResponderExcluir
  7. Morri de rir (para variar) com essa história.

    Bjss

    ResponderExcluir
  8. Jaque, até eu dou risada hj em dia, mas já quase matei marido...rs

    ResponderExcluir