domingo, 6 de junho de 2010

Hoje é meu último dia de vida

Assim deveríamos viver: todos os nossos dias, como se fossem o último. Hoje é, sim, o meu último dia. Com 35 anos de vida. Amanhã, quando acordar, tudo terá mudado na minha vida: terei uma noite a menos de sono, nunca mais voltarei a idade de hoje, nunca mais poderei fazer as coisas que deixei de fazer hoje.
Não é drama. É realidade. Não é para ninguém achar que estou ficando louca. Sou louca e não resta qualquer questionamento sobre minha (in)sanidade.
Tenho pensado muito sobre minha vida: minha avó paterna faleceu aos trinta e seis anos de vida, idade que adentro daqui poucas horas. Minha tia paterna, se foi aos quarenta e quatro. Ganharia mais oito anos de vida, e neles, poderia ainda fazer muita coisa, mas daqui oito anos, o Petelequinho ainda terá doze e precisará muito de mim. Meu pai deu uma esticadinha na saga da família Lemos, chegou aos cinquenta e um. Ganho mais dezesseis. Seriam dezesseis anos suficientes para que eu faça tudo o que quero?
Pensei no que quero da vida: casei-me com um homem maravilhoso, honesto, trabalhador, e não posso dizer que ele me dá tudo que eu quero, mas me dá todo o seu dinheiro e com ele posso comprar tudo o que quero. Tenho dois filhos, que não posso dizer que são perfeitos, já que perfeição só a divina, mas posso dizer que são saudáveis e felizes. Conquistei minha casa, o Solar dos Hummel, que apesar de tudo que passei com a Cyrela, um dia tudo vai passar, e aqui sempre será o "apartamento dos sonhos". O que mais eu quero?
Quero viver. Muito além dos cinquenta e um anos. Quero cuidar de mim, da minha saúde, do meu bem estar, da minha dor de cabeça, do meu refluxo gastroesofágico, do meu peso, da minha felicidade. Quero voltar a fazer muitas horas de academia por dia, tal como eu fazia oito anos atrás, quando abandonei aquela vida que tinha em busca do sonho de viver esta que tenho hoje. Quero desestressar, fazer massagem no meu corpo, fazer ioga, virar budista, encontrar o equilíbrio entre o corpo e a mente. Quero ser um ser espiritualizado, não quero me importar com as pessoas ou com as vidas que levam, pois nada deve me importar. Já cantou a dupla um dia: "eu só quero ser feliz...".
Hoje é, sim, o último dia da minha vida com trinta e cinco anos. E amanhã será o último primeiro dia com trinta e seis. Assim, todos os dias das vidas, minha ou sua, são os últimos. Então, vamos viver intensamente!
p.s.: post inspirado no filme o qual assisti hoje: "As férias da minha vida", uma comédia romântica com a Queen Latifa no papel principal, e que deixa uma linda lição. Recomendo, indico e aconselho.

6 comentários:

  1. Concordo... dentro de 5 dias será meu último dia de 23... sei lá.. é estranho pensar nessas coisas... perdi minha irmã querida com 23, ainda tenho tanto a fazer, tantas pessoas a ajudar, as vezes penso noq ue ela faria hoje se estivesse viva...

    Que Deus esteja com ela...

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho alguns dias de vida de solteiro e tô aqui contando nos dedos ! hahaha

    Feliz aniversário pandoca

    ResponderExcluir
  3. Boa, gorducha!! Esse é o espírito! Bora aproveitar ao máximo essa velharia que tá chegando! Parabéns in advance... love u

    ResponderExcluir
  4. Carolzinha, vc vai fazer aninhos também... viva os geminianos!

    Ká, vem comer um bolinho!

    MV, nada de parabéns pelo blog, pode vir aqui, to perandu...

    ResponderExcluir
  5. Adorei esse post!
    Temos que aproveitar cada dia ao máximo mesmooo!!
    By the way, já assisti umas 10 vezes esse filme. E a cada vez me faz pensar em uma coisa diferente.
    Tudo bem que as vezes eu choro, pois pega em umas feridas, sabe?
    Mas tudo bem. Ando vivendo na base do se joga.rsrsrrs
    Beijocas

    ResponderExcluir
  6. Ká, preciso te confessar... tb chorei... por isso decidii viver intensamente... vamos juntas para o Leste Europeu???? Hospedarmo-nos em um five star???
    Beijocas

    ResponderExcluir