segunda-feira, 28 de junho de 2010

Daqui há alguns anos....

Você já pensou como será sua vida daqui dez anos? Dez anos atrás, tinha minha filha menos de ano de vida. Casar de novo era o plano mais remoto da natureza. Ter outro filho, só em outra vida. Continuava firme no meu propósito de morar nos Estados Unidos, mas com uma bebê recém-nascida, as coisas tinham que ser realmente bem planejadas. Retomava meu trabalho após o término da licença maternidade, desta vez, em carreira solo. Fazia o horário que bem entendia, ganhava muito mais dinheiro, trabalhava feito uma camela e vivia a saga das babás.

Cinco anos atrás, neste exato dia, estava grávida do meu Peteleco. Estudava Administração de Empresas na UNIB de Interlagos, morava em Moema, mas havia comprado o apartamento de Santana há vinte e oito dias e me preparava para mudarmos de casa. Já levava alguns anos de casada com o marido Toruboi. Tinha morado um ano no Chile, outro em Portugal, abandonado minha carreira de executiva empresarial, para virar executora do lar.

Dois anos atrás e eu começava a dar uma reviravolta na minha vida. Graduando-me em Letras, planejando retomar a vida profissional, tinha passado por um regime rigoroso, estava linda, maravilhosa e de bem com a vida. Tinha perdido meu pai um ano antes, e aguardava ansiosa pela entrega do Solar, programada para dali um ano. Fomos viajar com um casal de amigos, fizemos vários planos.

Hoje: meus amigos se separaram, e minha amiga já tem um bebê, com três dias de vida, cujo pai não é o ex-marido. O sonho do Solar transformou-se em um pesadelo, que me deixou hipertensa, trouxe-me uma obesidade de apenas trinta quilos, e tornou-me uma pessoa muito desconfiada e com medo de comprar qualquer coisa, de investir em qualquer projeto. Sou professora, de inglês, espanhol, português e literatura portuguesa e inglesa. Minha filha fará onze anos, meu filho cinco. Tenho quase uma década de casada com o marido Toruboi. Tenho planos para o futuro: morar no Canadá.

Não dá para prever nada em nossas vidas, até porque, não sabemos até quando ela irá existir. Podemos sonhar. Devemos sonhar. Como já disse Marcelo Rubens Paiva, em sua obra "Feliz Ano Velho", "a vida é apenas um grande sonho, sem despertador para acordar...". Temos que viver intensamente cada momento, sem planejar muito, pois o livre arbítrio, para mim, é relativo.

O que eu quero hoje? Eu só quero ser feliz...

3 comentários:

  1. Foi exatamente o que quis dizer com o meu post de quando a vida faz planos diferentes dos nossos... o grande X da questão, é a forma como as pessoas lidam com essas mudanças que a própriz vida impõe...

    Saudadonas... tenho muita coisa para lhe contar. Depois te mando e-mail.

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  2. isso tudo me fez lembrar várias frases, dentre elas:

    "As Vezes construímos sonhos em cima de grandes pessoas... O tempo passa... e descobrimos que grandes mesmo eram os sonhos e as pessoas pequenas demais para torná-los reais!" Bob Marley

    Apesar das pessoas, devemos sonhar sempre...

    bj

    ResponderExcluir
  3. Carolzinha, to esperando as notícias, as fotos do casório, TUDO!

    Senhora MM, o que seria das nossas vidas sem nossos sonhos? Nada!

    Lov ús

    ResponderExcluir