segunda-feira, 17 de maio de 2010

Comédia da vida privada

Eu sou igual ao Nelson Rubens, aumento mas não invento. Marido fala que sou exagerada e sei que sou mesmo, mas o dia de hoje foi cagado, sem aumento e nem exagero. Vou contar aqui porém só duas situações engraçadas (para quem não as viveu).
Fui resolver uns assuntos na rua pela manhã e resolvi entrar no shopping para comer fondue de frutas com chocolate. Eu sei que só os gordos entram em um shopping e pagam 4 dinheiros para estacionar e 4 dinheiros para comer um fondue, então eu fiz isso sim. Como estava atrasada para pegar as criancinhas Hummel na escola, praticamente engoli todo o fondue. Ou quase todo, pois consegui fazer uma sujeira na minha camiseta que fiquei com vergonha de descer na escola das crianças.
Bom, só fazendo um adendo para contextualizar a situação, nunca na vida passei tanto cheque sem fundo. Claro que tratam-se de pré-datados, mas se existisse o dinheiro, seriam cheques à vista e com desconto. Como não são, são cheques sem fundos. E na felicidade de ver os últimos 20 caindo neste mês de maio, decidi também fazer uma economia bem grande em casa. Não dava para tirar a NET (pois nosso condomínio de alto-padrão Cyrela não tem antena coletiva), não dava para cortar a empregada (questão de sobrevivência), nem a energia elétrica (preciso justificar?), tampouco tirar as criancinhas Hummel da escola. Sobrou então a conta do mercado para reduzir. Como não dá para parar de comer, decidi que esvaziaria armários e freezer e tenho feito comidas criativas. Abro o freezer, vejo o que tenho disponível, misturo com o que há no armário, coloco no fogo e vira um delicioso jantar. O cardápio de hoje tinha arroz com ovos mexidos e linguiça calabresa e legumes de acompanhamento. Como tinha uma canja na geladeira, achei mais nutritivo alimentar as criancinhas com ela e fazer o restante para marido e eu. As criancinhas jantaram na cozinha, eu terminei o arroz, deixei os legumes cozinhando no vapor, liguei a máquina em um ciclo para lavar e secar e sentei na sala para "internetar". Depois de duas horas, levantei para ver em que estágio estava a máquina e por mais silenciosa que possa ser uma máquina moderna, sim, ela faz ruídos. (para que eu continue, preciso que você, leitor, respire bem fundo e sinta o cheiro que vou narrar; respirou? Ok, vamos continuar) Então a porta da cozinha estava fechada. Quando abri a porta, além da luz de fundo do fogo aceso, quase fui morta pelo cheiro de queimado. Corri e desliguei o fogo. A água dos legumes evaporou, os legumes sumiram na parte de cima da panela, e esta foto abaixo é o que restou da minha panela de inox. Infelizmente não consigo passar pelo computador o cheiro. Só estou com dó do meu próprio nariz.

7 comentários:

  1. ai ai ai ai, esquecer a panela no fogo é terrível, mas se isso te consola, na vida todo mundo faz isso, pelo menos 1 vez rs

    bj

    ResponderExcluir
  2. Nao foi assim q te ensinei a ser dona de casa!!! ahuahauhau

    ResponderExcluir
  3. ta igualzinho ao primeiro arroz do Thiaguinho... parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, só que não restou nadica, queimou TUDO!

    ResponderExcluir
  5. Vivi, confesso que foi minha primeira vez... Muris, viu sua falta o que me causa?

    ResponderExcluir
  6. e eu fiquei com do da panela..tão bonita...
    é isso aí..vai internetar em vez e cozinhar!!!
    hahaha
    bj

    ResponderExcluir
  7. Amiga Lilly, segui seu conselho... deixar a panela queimando no fogo é sinal de MUITO estresse!

    ResponderExcluir