sábado, 24 de abril de 2010

Ursula Kuka

Acho que nunca falei de receitas aqui no blog. Quem me conhece dos tempos de outrora, sabe que já fui uma boa mão na cozinha. Não a perdi, continuo sabendo cozinhar bem. O que foi embora foi exatamente a vontade de cozinhar. Gente, dá tanto trabalho ir ao mercado, comprar, pagar, descarregar o carro, guardar, cozinhar, lavar a louça e saber que depois vai tudo vaso sanitário abaixo. Assim, aderi já tem algum tempo por algo muito simples, chamado "comer fora". Os gastos ficaram elas por elas, não tem mais desperdício em casa, não jogo nada fora, ganho tempo e todos vivem felizes para sempre. Ou não.
Na semana do carnaval, estávamos saindo com as crianças da escola de inglês, quando uma das alunas aparece na porta distribuindo picolés. Cada uma das criancinhas Hummel entrou no carro com um. E cada um dos pais das criancinhas Hummel ficaram olhando pelos espelhos retrovisores. Pedimos para experimentar. Quem foi que disse que queríamos devolver os picolés? Foi a coisa mais saborosa que experimentamos. Como as criancinhas Hummel são muito boazinhas, viram que seus pais sofriam com as lombrigas se debatendo nas barrigas e abriram mão de suas guloseimas. Marido e eu nem pensamos em rejeitar. Só não engolimos os palitos para não dar indigestão.
Semana seguinte e eu estava desesperada atrás da menina picolé e a receita da delícia. Encontrei a mãe, que riu e deu a receita. Pensei que chegaria em casa e faria várias no mesmo dia. Só que me aproveitei do fato de não ter forminhas de picolé, para adiar minha ida à cozinha. Comprei as forminhas e adiei a compra dos ingredientes. Só que já tem semanas que tenho tudo em casa, as crianças pedem e a preguiça me chama: "vem, não levanta, fica aqui no sofá".
Mas hoje, estou eu em casa de castigo com as criancinhas, sem muitas opções de coisas gostosas para comer, e o envidraçamento da sacada que era para ter terminado terça passada, mas que só começou ontem, está longe de terminar. Decidi usar todas as minhas armas para combater a minha inimiga. Avental no corpo, chapéu de mestre-cuca, ingredientes sobre a pia e lá fui eu.
Mal pude acreditar quando a delícia ficou pronta. E foi TÃO TÃO TÃO fácil que me deu até certa vergonha pela demora. Vamos lá? Uma lata de leite condensado, outra de creme de leite com soro e tudo, uma medida de leite e quatro gemas. Misturar tudo na panela e levar ao fogo. Desligar antes de ferver, despejar nas forminhas, esperar 12 horas para endurecer (e estou esperando há 12 minutos já) e se deliciar.
Claro que provei a meleca quente. Se vai dar caganeira eu não sei, mas que ficou MARA, isso ficou. Tente também. E não se esqueça de mim.

2 comentários:

  1. maravilha. vamos (leia-se: vc) fazer em dublin qdo vcs chegarem!

    ps: tirar doce da boca de criança é o fim...

    ResponderExcluir
  2. Ei, o leite condensado de Dublinn só serve pra fazer brigadeiro...

    ResponderExcluir