sexta-feira, 9 de abril de 2010

Nada é coincidência; tudo é providência


Apesar de não ter o hábito de usar frases prontas, a máxima acima é verdadeira. Estava em casa com as crianças de pijama, nós três, deitados e assistindo filme. Bateu os tais cinco minutos. Liguei na padaria e perguntei quais seriam as sopas da noite. Caldo verde, sopa de feijão e creme de mandioquinha. Todo mundo topou. Tiramos nossos pijamas e fomos para a padaria, tomar sopa acompanhada de suco de laranja (dupla estranha heim?).

À nossa frente sentou-se uma mulher com seu filho. Conversávamos a respeito das sopas e quando demos uma pausa, minha filha perguntou se a moça vivia em nosso condomínio. Repassei a pergunta para ela e a resposta foi negativa. Começamos a falar sobre o condomínio em que moramos.

Contei para minha mais nova amiga de infância sobre os dissabores que passamos e ainda estamos passando. Disse que estou esgotada, cansada, chateada e tudo que passei e ainda estou passando é um dos fatores desencadeadores da minha constante crise de enxaqueca. Enquanto recolhia seus pertences para ir embora, a moça pegou um pedaço de guardanapo e fez algumas anotações. Pensei que deixaria com a Ana, a simpática atendente que nos serve todas as noites sopas, sanduíches e pizzas. Ledo engano. Ela dirigiu-se até mim e me entregou o papel com seu nome, telefone, email e a informação mais importante: um mantra budista para que eu atingisse paz e sabedoria para lidar com as dificuldades que estou lidando.

Achei um gesto único. Contei para ela que marido e eu queríamos muito ser budistas, procuramos por certo tempo (inclusive no Chile) um lugar para frequentarmos, mas nunca o encontramos. Eis a providência. O grupo se reúne na rua debaixo da qual moramos.

Foi um encontro muito gostoso, saí da padaria com outro astral e com muita esperança de este ser mais um passo que vou dar, dentre tantas mudanças que estou provocando na minha vida, para atingir a tão sonhada serenidade.

3 comentários:

  1. Aaaahhhhhhhhhhh. Eu achei que a mulher era uma justiceira que ia dar cabo dos pilantras da construtora...

    ResponderExcluir
  2. ursula, eu sempr acho que a gente não perde nada conversando, trocando uma ideia.
    eu tambem uso a expressão FIQUEI AMIGA DE INFANCIA pra dizer que acabeid e conehcer uma pessoa e a afinidade foi tanta que parece uma amizade antiga.
    sem duvida vcs desfrutaram de um jantar gostoso, com companhia agradavel e ganhou uma boa amiga
    e teus filhos tiveram um bom exemplo: viram a mãe sendo simpatica e conquistando uma pessoa.
    isos é uma lição pra eles.
    meu filho numero um diz sempre que minahs amigas são super...que são o máximo... e isso é muito bom, pois me sinto cercada de amigas fantásticas.
    eu acho que as mereço...eu cultivei cada amizade com carinho.
    e vejo que vc tb ´assim.
    muita sorte pra vc em suas mudanças ...
    bjs
    lilly

    ResponderExcluir
  3. MV, e olha que nem estávamos tomando Guines...

    Lilly, vc está super correta, foi muito legal conhecer a Lú. Aliás, nos últimos tempos, apesar de coisas difíceis que tenho passado, tenho conhecido pessoas MARA!

    Super beijo!

    ResponderExcluir