sexta-feira, 2 de abril de 2010

Entre Páscoas e lembranças de infância


Falando de bombons Garoto, fui levada a uma viagem até a infância. AGAIN. Ok, quem não quiser saber da minha infância, pula este post. Vale o registro. Somos em três filhos em casa. Minha tia materna mais velha teve duas filhas e a caçula teve quatro. Posto que minha mãe é a filha do meio, somos no total de nove netos por parte dela. Não tínhamos carro em casa, e todos os sábados saíamos do Horto Florestal para irmos até Santa Cecília, onde moravam meus avós maternos. Na verdade, ou íamos até o Lauzane Paulista a pé para tomar um único ônibus, ou tomávamos o 1757 na porta de casa, descíamos em Santana para tomarmos o metrô, fazíamos baldeação na Sé para finalmente chegar ao nosso destino. O itinerário com metrô foi introduzido mais tarde, uma vez que quando nos mudamos para o Horto, não existia ainda a estação terminal Santa Cecília (solicitamos a todos que desembarquem nesta estação). Meu avô trabalhou a vida toda na extinta Casa de Detenção, saindo de lá para a aposentadoria. O que não tinha acontecido ainda na minha infância. Ele trabalhava todos os sábados e quando chegava do trabalho, tinha em sua casa de quarto, sala, cozinha e banheiro, os nove netos reunidos, junto com suas três filhas e a esposa. E o que o bom velhinho cearense fazia para agradar a todos? Passava no Peg Pag (uau, essa foi velha demais) e comprava muita mortadela (pobre, mas limpinhos!), muitos pães e caixas de bombom. Garoto. Depois que todo mundo comia seus pães, era a hora do véio abrir todas as caixas de chocolate e fazer chuva. Eu, como neta mais velha, sempre era privilegiada com uma caixa só para mim, de modo que nunca precisei me estapear com a galera para conseguir um Serenata de Amor. Uma pena que meu avô tenha partido antes de brincar de chuva de bombom com seus dez bisnetos hoje no mundo. Como o tempo evoluiu, acho que a marca do bombom seria um pouco melhorzinha também. Mas valia a festa... saudades de tantas coisas (eita nostalgia que me acompanha no feriadão!).

6 comentários:

  1. na verdade a estacao final é barra funda. eu nao lembrava da mortadela, mas as caixas amarelas de bombom são inesquecíveis. e as 500 canetas 'bic 4 cores' que o vô tinha no bolso?

    ResponderExcluir
  2. Menina....sonhei com vc essa noite...hahahahaha

    Bjooos

    ResponderExcluir
  3. MV, vc ainda era muito criancinha... mas o vovô tinha uma caneta chamada REPLAY, a caneta que apaga tudo... show!!!! E a estação Barra Funda surgiu MUITO TEMPO DEPOIS....

    Than, to esperando o sonho... CURIOSAAAA....

    ResponderExcluir
  4. Ursinha, a frase diz "recordar é viver" .
    Adoro recordar minha infância junto com meus irmãos, damos muitas risadas.
    Faz querer agradecer a Deus mais ainda porque tivemos uma infância pura e cheia de amor e ainda continuamos juntos podendo rir de cad detalhe.

    ResponderExcluir
  5. Olá!!!
    Sou novata por aqui, te encontrei atraves do blog da Than e achei seus posts o Máximo!
    O jeito de escrever, os assuntos... To adorando!
    Estou te seguindo, ok. Se quiser, dá uma passadinha no meu cantinho tb...
    Bjinhus, boa semana!

    ResponderExcluir
  6. Jacquinha, é tão tão tão bom ter coisas boas pra recordar... será que nossos filhos as terão? Lov ú

    Oi Dani... muito prazer e bem vinda aos meus devaneios...rs... vou lá te visitar! bjs

    ResponderExcluir