quinta-feira, 1 de abril de 2010

A viagem


Nunca usei nenhum tipo de droga. Sou tão careta, mas tão careta, que ano passado comentei perto da minha filha que alguém deveria estar fumando cocaína. Minha pequena de nove anos disse-me que cocaína não se fuma, se cheira. Aprendeu na aula de ciências.
Não digo que nunca me droguei com entorpecentes querendo receber louros. Pois o que me drogo com comida intoxica os uficiente meu organismo. A diferença é que não fico doidona.
Já passei pela fase do vício com chocolate, do vício por batatas inglesas assadas (por nove meses almoçava DUAS batatas quase que diariamente). Já tive a fase do vício por amendoim, do vício por salgadinho, do vício por pastéis. Sou de fases, assim como a lua também é.
Só que... eu me drogo sim. Uso remédios para dormir. Não é constante. E como tenho que ir ao médico para conseguir a famigerada receita, e como tenho preguiça de ir ao médico, e como nenhum médico libera a receitinha sem exames e questionamentos, cuido dos meus comprimidos como se fosse um tesouro. Uma cartela de comprimidos precisa durar o ano inteiro e a quantidade dentro dela varia, de 15 até 30 comprimidos (dependendo da história que contei ao médico). Portanto, não posso me considerar uma viciada.
Escrevi por inúmeras vezes sobre minha insônia e o sofrimento que ela me proporciona. Tem momentos, porém, que a insônia vai me deixando em um estado de nervo e tensão que só o comprimidinho para me livrar da dor. Assim foi ontem.
Eu não estava com insônia. Só estava tensa, tenho dormido tarde e acordado cedo. Falta muito pouca coisa para fazer no Solar e a empregada nova já está no seu terceiro dia, sem cara de que não vai voltar na 2a. depois do feriado. O marceneiro desmontará o armário do closet e outro profissional fará finalmente minha despensa. Falta o papel de parede do lavabo que ainda não passei para dar o cheque para a decoradora e dois adesivos personalizados que estão em produção. Os espelhos da sala devem chegar hoje, o do lavabo semana que vem e o fechamento da sacada está por vir. CHEGA. Não fiz tudo que gostaria, mas fiz muito além do que um dia imaginei ou sonhei. Minha casa está linda, é minha casa, nenhum lugar do mundo é melhor que ela.
Assim, afastando os problemas de obra e de empregada, achei que era hora de relaxar e gastei uma pílula mágica. Juntando o meu cansaço, foram necessários apenas alguns minutos para que eu saísse de órbita por volta das dez da noite de ontem e só voltasse ao mundo real quando deu oito da matina de hoje.
Que delícia que é dormir. Naturalmente é bem melhor, mas a pilulazinha me dá a sensação de uma grande viagem. Acho que na fórmula do remédio usam algo para fazer com que a pessoa morra por alguns instantes, já que nem sonhar eu sonho. E o dia seguinte é tão zen, tão zen.
Segunda-feira, quando me perguntarem se viajei no feriado, vou dizer que sim. Mas é um segredo. Meu e da bolinha de dormir.

2 comentários:

  1. outra dia eu precisei carregar uns equipamentos pesados por vários km... tinha acabado de voltar da academia. depois corri um tanto no fim da tarde e, na volta pra casa, ajudei uma moça a empurrar um carro. nunca dormi tão bem na vida. nem sua pílula faz tão bem...

    ResponderExcluir