quinta-feira, 8 de abril de 2010

A ignorância pode ser um caminho

Não sou a pessoa mais informada do planeta. Estou longe, contudo, de ser a mais desinformada. Ouço rádio apenas quando estou indo ou voltando do trabalho, não assisto televisão, mas leio várias vezes por dia as principais notícias dos principais portais de internet. Em uma das minhas idas ao trabalho, escuto na CBN uma pessoa da ONU (que não me lembro nem o nome e nem o posto ocupado) pedindo para que cessassem as campanhas de arrecadação de alimentos e remédios para o Haiti, uma vez que já havia coisas o suficiente, mas não havia um sistema de distribuição, e comidas começavam a estragar. Chego no trabalho e meus alunos estão fazendo uma campanha para arrecadar leite para o Haiti. Expliquei para eles o que eu havia acabado de ouvir e perguntei quem estava organizando a campanha. Caramba, virou um rebuliço na escola que já dura três intermináveis semanas. Até a diretora da escola teve que interferir. A escola começou uma campanha para o Haiti sem se informar sobre como fazer chegar os alimentos até os necessitados. Acho o máximo fazer com que as crianças exerçam a cidadania, a caridade, a ajuda ao próximo. Só que processos precisam ser completos desde os seus inícios: como, quando, para quem, para que, para onde. São perguntas que precisam estar respondidas no cronograma de trabalho antes que o trabalho se inicie. Mas, contudo, porém, entretanto... vamos arrecadar. Precisando sempre há alguém. Se eu não ouvisse rádio, teria poupado meus ouvidos de tanto assunto em torno de latas de leite...

2 comentários:

  1. manda pro rio. certeza que tem gente lá precisando muito!

    ResponderExcluir
  2. E eu sou besta de falar? Deixa o leite lá... (só tem 6 latas...)

    ResponderExcluir