quinta-feira, 18 de março de 2010

Será que a vida continua mesmo?

Comecei a semana cheia de gás, garra, energia e esperança. Na 2a., recebo a notícia de um óbito. Na terça, quase ganho o meu atestado. Ver o problema no meu closet e banheiro da suíte foi de doer muito. O banheiro foi quebrado por dois dias seguidos e não descobriram de onde vaza. A empresa vai pagar pelo meu armário. Mas quem paga meu transtorno e minha saúde? Estou com dor no peito e falta de ar. Estou triste. Muito triste. E não é tristeza por coisas materiais deterioradas. É tristeza por conta da minha impotência perante a situação. Sei que as coisas vão se resolver, afinal, tudo se resolve. Porém, o que sobra de uma situação dessas? Crescimento? Já cresci o bastante. Sofrimento? Já sofri também o bastante. Foram dois anos de desgaste com a Cyrela e achava que depois de me mudar, as coisas melhorariam. Foi tudo ilusão. Tenho que manter a fé, respirar fundo, tentar puxar o ar de um pulmão que está tão cansado quanto tudo em mim. E orar. Sempre. Já que diz o ditado que a fé move montanhas, vou me apegar a ela!

2 comentários:

  1. por isso... vamos viver tudo que há pra viver...

    ResponderExcluir
  2. ... vamos nos permitir... pois não há tempo que volte amor, vamos viver tudo que há pra viver...

    ResponderExcluir