segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

De olho no Brasil


Fui levar as crianças à escola; eram seis e quinze da manhã. Como de costume, liguei o rádio na CBN e ouço a triste notícia: morte de um torcedor após briga entre as torcidas do Palmeiras e do São Paulo.

É vergonhoso ouvir um tipo de notícia assim. Nosso país se orgulha por ser o país do futebol e do carnaval. Às vésperas da maior festa do país, discutia-se como seria o desfile do carnaval paulistano, que conta com duas escolas oriundas de torcidas: Mancha Verde e Gaviões da Fiel. Futebol é esporte e esporte é saúde. Como pode acabar com morte por tiro, por bomba?

Policiais pagos com o dinheiro dos nossos impostos (e muito mal pagos, diga-se de passagem) que deixam suas famílias em um domingo, correm risco de morte por tentar apaziguar os bandidos que saem de casa dizendo que amam seus times, mas estão simplesmente em busca de arruaça, de guerra. No jornal matinal da Globo, os apresentadores Renato Machado e Alexandre Garcia se questionavam o porquê de tanta violência.

O motivo é simples: falta proibição, falta punição para os bandidos disfarçados de torcedores. Como coibir, porém, estes marginais de baixo calibre, quando nosso Congresso está cheio de outros tipos de marginais, que incham a máquina de empregados, roubam o dinheiro do contribuinte e matam milhares de pessoas por fome, por doenças, por falta de segurança?

Este é o Brasil que se orgulha de sediar Copa do Mundo, Olimpíadas. É o Brasil que camufla tanta coisa podre por debaixo dos panos. É o Brasil que condena o Kassab como bode espiatório às vésperas de eleições nacionais. Acho o Kassab um idiota, mas se é para prender, que prendam a todos os políticos bandidos. É o Brasil.

2 comentários:

  1. Triste ver nosso futebol manchado assim. Mais triste ainda ver nosso país dirigido por esses pilantras. Viva o Arruda!

    ResponderExcluir