sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O mundo descartável no qual vivemos


Quando era criança, minha mãe me contou que no Japão as coisas eram descartáveis: ninguém mandava nada consertar, jogava-se tudo fora e comprava-se tudo novo. Na época do auge dos aparelhos de vídeo-cassete, sonhava dia e noite em encontrar um lixo japonês no caminho. Anos se passaram e a irmã da minha Dinda foi morar no Japão. Disse realmente que era comum andar pelas ruas e encontrar um rádio dentro do coletor de lixos. Achei o máximo. Mais alguns anos se passaram e fomos morar na Europa e vi com os meus próprios olhos: havia, sim, coisas de valor nos lixos das cidades. Só que, mais madura, descobri que as coisas eram jogadas fora não por existirem só pessoas ricas (como pensei que era no Japão). Simplesmente, não havia ninguém para consertá-las. Assim, perdiam a utilidade e serventia.

Vivemos na era dos descartáveis e acho que a foto que encontrei não tardará a ser realidade. Há coisas que quebram e que não tem sentido algum em se pagar para consertá-las. Quando me casei pela primeira vez, comprei um microondas da marca Gold Star. Durou dez anos COMIGO e depois dei o aparelho para minha irmã, que usa até hoje. FAZ DEZOITO ANOS QUE ELE FUNCIONA. Depois do velho Gold Star, comprei CINCO aparelhos novos de microondas. O penúltimo foi um Panassonic, a Mercedez da cozinha. Compramos o aparelho mais caro, com mais recursos, estendemos a garantia. Mas ele quebrou quando os dois anos também se acabaram. E lá fomos nós, por recomendação, ao velho e bom Brastemp. Domingo, vou esquentar água para um chá e o bonitinho nada de funcionar. Chamei a autorizada. Placa em curto. Ligarão depois para passar o orçamento. E vem o famigerado: R$ 219,00 para trocar UMA PLACA. Fico pensando e buscando uma explicação: se o aparelho todo custa R$ 400,00 (pois este é um modelo simples, básico, branco, o fusquinha dos microondas) e a placa equivale a mais de 50% do valor total do bem, quanto custam: o aparelho sem a tal placa, mais o prato, o gril, a mão-de-obra, os impostos, o lucro do fabricante, o lucro da revenda, a comissão do vendedor?????

É o Brasil em tempos de Japão!

Um comentário:

  1. Bicho, esse microondas atingiu a maioridade. Tá na hora de comprar um carro pra ele. Caraio...
    bjunda

    ResponderExcluir