sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O dia em que aderi ao “tolerância zero” e segui os conselhos do meu irmão para falar palavrões


“Aviso aos intolerantes e menores de idade: este texto contém palavras de baixo calão que não fazem parte do meu vocabulário e estão sendo usadas em caráter temporário com o intuito de desabafar!”

Alguns posts atrás, meu irmão deixou uma crítica, de que eu devia falar mais palavrões, para descontrair meus escritos. No último domingo, porém, descobri que falar palavrões alivia o acúmulo de estresse causado pela ignorância alheia. Estava eu com minha filha e meu sobrinho, NOVE HORAS DA MANHÃ, na Leroy Merlin, comprando coisas da nossa casa em obras. Recebo um torpedo ridículo de uma das pessoas ridículas (uma das, já que foram muitas), que estudou comigo nos últimos anos. Não pensei, não pestanejei, respondi na lata: “enfia no cú”. Até eu me assustei com minha agressividade. Mas aquilo me fez bem. Recebi a réplica e trepliquei: “enfia no cú”. Assunto encerrado.

Estou de saco cheio da atitude e da falta de atitude de muitas pessoas. Estou cansada de ouvir nego falando que eu levo vida de madame, que não trabalho, que sou mulher de executivo bem sucedido. Quando casamos, meu marido e eu não tínhamos nada de material na vida. Tinha meu carro, zero, quitado, mas várias dívidas no banco. Ele, um carro, zero, carnê com 35 prestações para pagar e várias dívidas no banco. Estamos para completar oito anos de casados. Saímos do país e fomos morar fora, com uma criança de três anos de idade. Enfrentamos tudo com a cara e a coragem. Na Europa, enquanto as mulheres dos outros expatriados passavam os finais de semana em Paris fazendo compras, eu, a madame, ficava em casa, estudando inglês, francês, batalhando para encontrar comidinhas brasileiras para agradar ao paladar da família, cuidando da casa e do bem estar de todos. Após dois anos de MUITA LUTA, voltamos e conseguimos comprar nosso apartamento. E três anos atrás, vendemos meu carro e compramos uma ximbica velha para eu me locomover. Compramos nosso apartamento, este o qual nos mudamos há um mês. Para pagar as prestações, cortamos tudo: telefone (e mudamos para o Livre, da Embratel), reduzimos a velocidade da internet, deixamos de pagar o clube o qual somos sócios, tiramos os pontos digitais de televisão à cabo, cortamos pizzas, passeios, viagens e afins. Tudo por um sonho. Meu marido sai de casa antes das seis da manhã todos os dias e nunca volta antes das oito da noite, salvo em caso de força maior. Eu acordo cedo e por volta de seis e meia da manhã, já estou com as crianças na escola. Estudo sem parar desde que minha mãe me matriculou no maternal, aos três anos de idade. Minha casa está sempre limpa e arrumada, meus filhos alimentados, cuidados, acompanho religiosamente a escola, médicos e tendo ou não empregada, nunca faltou camisa limpa e perfumada para meu marido trabalhar. Ah, ia me esquecendo: também sou professora e dou aulas de inglês e espanhol. Só tenho hora para acordar, e jamais para dormir. Tudo na minha vida foi e é galgado com muito esforço e sacrifício, pois nasci pobre, cresci pobre, estudei em escola pública e nunca tive ninguém para estender as mãos financeiramente para NADA na minha vida.

Enquanto isso, há gente que nasceu pobre, mas que através dos esforços dos pais, teve condições de vida muito melhores que as minhas. Estudou em boas escolas e teve todas as oportunidades possíveis para estudar em boas faculdades: bons cursinhos, apoio financeiro, casa com comida e roupa lavada e passada. Tem gente que casa com tudo pronto e de mão beijada: ganha apartamento dos pais, com direito a reforma, decoração, mobília. E quando o casamento não dá certo, por motivos muito diferentes aos que levaram o fim do meu primeiro casamento, ainda há o suporte material da família, coisa que eu nunca tive e agradeço por isto, pois foi assim que aprendi a buscar o pão nosso de cada dia.

Estou cansada de ouvir merda e fica aqui o meu desabafo, seguindo o conselho do meu irmão: VAI TOMAR NO CÚ!!!!! E vai tomar no cú meu irmão também, já que está fazendo hora para me dar um sobrinho!!!!!

3 comentários:

  1. huahahuhuahuahu
    puta orgulho!!!
    vai tomar no cú todo mundo!!! heheheh

    ResponderExcluir
  2. TOMA NO CÚ...DEMOROU PRA XINGAR A TAL PESSOA...HAUHAUHAHA

    MAS E O MEU MOVIMENTO...O DO LIGA O "FODA-SE" ???

    ESPERO UM POST DESSE MOVIMENTO...

    BJO

    (ESSE BLOG JÁ FOI MAIS PEDAGOGICO)

    ResponderExcluir
  3. Caraca meu! até que enfim soltou os bichos chutou o pau da barraca! Demoro...
    Tenho pavio curto, ainda hoje o vizinho jogou cocô de cachorro no meu quintal, e eu devolvi acertei no vitrô do banheiro. KKKKKKKKKK e toma lá... dá cá.
    Se a gente baixar a guarda êles trepam!

    ResponderExcluir