quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Dreams come true


Três anos se passaram e eu até achei que tivessem voado. Foi só quando parei para listar os acontecimentos, que me dei conta do quão lento foi o processo. Mas meu sonho se realizou e para coroar o momento da vitória, convido vocês, pessoas especiais, para fazer parte dele.

Engraçado é ver que tudo está terminando praticamente onde começou: com a compra do nosso apartamento. Sai de casa para realizar o desejo de estudar Letras, vontade esta que nutria desde os meus dezessete anos. Fui estudando outras coisas, fui me aprimorando profissionalmente, e sentia que o sonho só crescia. Meu filho, hoje com quatro anos, era apenas um bebê e minha filha, uma menina. Hoje, ele é um moleque saudável e feliz e minha filha, uma pré-adolescente rebelde. Ambos cumprindo seus caminhos.

Em três anos, perdi meu pai e a dor me fez pensar em desistir. Meus professores não deixaram; deram-me suas mãos e continuei.

Em três anos, vivi o processo de adoção da minha filha, com visitas à fóruns, assistentes sociais, psicólogas, reuniões com advogados; também tive vontade de parar, mas continuei.

Em três anos, meu marido começou e concluiu um MBA na Fundação Getúlio Vargas; foram horas de estudo e dedicação, mas encaixei meus estudos nos intervalos dos dele e continuei.

Em três anos, minha filha sofreu um acidente grave e teve uma pneumonia complicada. Foram meses de sessões de fisioterapia no braço fraturado, mais outras tantas de fisioterapia pulmonar; foram consultas e mais consultas aos médicos; foram várias injeções quando, muitas vezes, não tinha quem as aplicasse; mas eu continuei.

Em três anos, tive meu filho doente por inúmeras vezes. Crises alérgicas, tratamentos, vacinas de beriglobina e eu batendo de porta em porta para conseguir quem fizesse as aplicações; foram consultas semanais, tarde da noite, mas me mantive firme e continuei.

Em três anos, meu marido esteve por três vezes na China, outras vezes na França, nos EUA, e eu tocando a casa, as crianças, a vida e os estudos. Continuei.

Em três anos, tive de me afastar por duas vezes da faculdade por ter contraído pneumonia. Ainda tive crise de hipertensão, emagreci sessenta quilos e engordei trinta, fiquei careca, tive depressão e não tive de onde arrancar forças para levantar e seguir em frente. Mas segui, continuei.

Em três anos, conheci um mundo que eu achava não existir. Vivi uma prova de fogo junto aos colegas de sala e a noite, em minhas orações, questionava a Deus o que ele queria me mostrar com tanto sofrimento. E mais uma vez, mesmo sem ter a resposta, segui o caminho e continuei.

Hoje, sei que Deus colocou tantas dificuldades no meu caminho, para que eu soubesse reconhecer meus esforços, minhas honrosas notas mesmo com tantas pedras no caminho. Mas acima de tudo, que eu soubesse agradecer aos meus Mestres pelas horas de ensino, pelos perdões às faltas oficialmente injustificadas, pelo carinho e amizade de cada um deles. E para que eu fizesse dois amigos especiais, que seguirão os rumos da minha vida onde quer que ele me leve: Eliana e Murillo.

É com muito carinho que agradeço cada pessoa que fez parte do processo, mas principalmente ao meu marido que financiou o meu sonho, que soube entender todos os dias minha ânsia pelo estudo, minha gana por boas notas, meu mau humor por muitos dias dos mais de mil que se passaram, à doutora Maria Helena, pediatra dos meus filhos, minha amiga e conselheira, a quem recorri nos momentos mais difíceis. E meu agradecimento especial para Deus, meu guia espiritual para todos os momentos bons e ruins.

4 comentários:

  1. VEMCHA,

    Parabéns pelo diploma, pela persistência, pela família linda e por tudo o que conquistou!!

    Agora que vc ja realizou vários sonhos, invente outros e continue acreditando!!!

    Parabéns de novo!! Tô mega orgulhosa!

    Beijão, VEMCHA

    ResponderExcluir
  2. Caralho, gorducha! O sprint final é tão complicado, que a gente só se dá conta da conquista um tempo depois. Tb acho que, se há alguém a agradecer, esse é o cunhado. Parabéns aos dois. 2010 parecer ser um ano para viver mais e sofrer menos.
    Amo

    ResponderExcluir
  3. VEMCHA... ainda tenho TANTOS SONHOS... ainda bem, pois qd os sonhos acabam, a vida se vai junto... no momento, meu sonho material é a casa de campo e o não material são sobrinhos japinhos e japinhas... vai me ajudar ou não?

    MV.. se a gente parar de sofrer, a graça da vida termina... e eu já estou aprovada na pós... IUPPPIII... vou sofrer mais um pouco...kkkkk

    Love ús forever

    ResponderExcluir
  4. Muito linda a sua historia!
    por favor onde conseguiu comprar Beriglobina, pois tenho uma filha de 03 anos q precisa tomar essa vacina a cada 10 dia s e não encontro, poderia me ajudar?
    Desde já obrigada!

    ResponderExcluir