sexta-feira, 9 de outubro de 2009

A diferença entre TER poder e PENSAR que tem poder


Em seu significado mais geral, a palavra PODER designa a capacidade ou a possibilidade de agir, de produzir efeitos. Tanto pode ser referida a indivíduos e a grupos humanos como a objetos ou a fenômenos naturais.

A palavra PODER deriva do latim “possum, potes, posse", poder, ser capaz de; significa, entre outras coisas, “ter a faculdade ou a possibilidade de” e “possuir força física ou moral; ter influência, valimento”. [Fonte: Dicionário Eletrônico Houaiss]

E para nós, o que é o poder? Como tudo, cada indivíduo tem sua interpretação sobre o que vem a ser poder. Para mim, o poder é uno e vem apenas de Deus. Não é aqui um discurso religioso. Esse Deus pode ser qualquer Deus que exista dentro de cada um, independente de credo, de raça, de religião. Deus não proíbe. Deus não pune. Deus orienta e nos dá o livre arbítrio.

Há pessoas que pensam ser Deus e acreditam ter o poder em suas mãos. Oxalá seja só uma crença. Não somos nada em nossas vidas, pois em qualquer momento, aquEle que realmente tem o poder, pode nos tirar tudo, pode nos tirar a única coisa que vale a pena: a própria vida. E ela se vai, sem hora marcada, sem importar-se com sexo, com cultura, com dinheiro. Vai a hora que Deus decide e pronto.

Nos dias de hoje, é comum ver pessoas na briga pelo poder. Na verdade, a luta por ele existe desde que o mundo existe; só que na época dos gregos e romanos, os Imperadores eram mais explícitos ao mostrar que achavam ter o poder. Agora não. Basta que alguém ascenda a um cargo melhor na empresa, para que se desfaça do colega que até então era seu par, mas tornou-se seu “inferior”. Inferior, para mim, é aquele que se acha superior a outrem. A pessoa que subiu um degrau na escada, torna-se “suprema” perante aqueles que estão no degrau debaixo. E para os ex-colegas, que sentirem-se lesados, para quem vão reclamar?

Até e inclusive em ambientes acadêmicos podemos enxergar, em muitos professores mundo afora, a sede pelo exercício do poder. O professor imputa faltas em aulas, para alunos que não as fizeram. Pois ele subentende ter o poder em suas mãos. Ele também acredita ter o poder na hora da correção de uma avaliação. Mesmo que se trate de um aluno que se esforce, que tem um histórico respeitável com relação às notas naquela disciplina. Para quem o aluno reclama?

Vivemos em um mundo que tudo podemos. Lembro-me no segundo ano do curso de Direito, quando iniciamos a disciplina de Direito Penal I. O Professor nos explicou que temos direito a tudo, inclusive, a matar. Nossa legislação não proíbe ninguém de matar, apenas pune, nem sempre, aqueles indivíduos que o fazem.

Assim é a sociedade e o poder. Nós podemos tudo. Temos a liberdade de expressão, mesmo que um dos maiores jornais do país esteja sob censura há quase três meses. O simples fato de “O Estadão” expor diariamente em seu jornal virtual ou impresso tal notícia, já lhe garante uma liberdade de expressão. Mesmo estando sendo punido, de alguma maneira, por ter dito algo que não agradou a alguém, o jornal se libertou da opressão e disse o que queria. Assim continuarei. Mesmo que eu seja punida de forma arbitrária por aqueles que julgam ter poder, exercerei o meu ser político, o meu direito de expressão. Mesmo que eu não tenha a quem recorrer contra a arbitrariedade. Direi aquilo que eu achar que devo, sem a intenção, jamais, de ofender ou prejudicar alguém. Mesmo que a moeda da troca seja algo que possa a vir me prejudicar. Mesmo que alguém julgue realmente, ter algum poder sobre outrem. Viva a liberdade de expressão e abaixo ao poder e a repressão.

2 comentários:

  1. como diriam raimundos: "liberdade de expressão! deixa eu falar, filha da puta!"

    ResponderExcluir
  2. Ou como diz o novo hit do Youtube: "vai tomar no cú"

    ResponderExcluir