sábado, 5 de setembro de 2009

Uma família bem grande


Queria ter uma família bem grande, daquelas com muitos tios por parte de pai e de mãe, e todos os tios com muitos filhos, para que eu tivesse muitos primos, e todos os primos fossem casados e tivessem muitos primos, para que meus filhos tivessem também uma família bem grande.

Não que minha pequena família não tenha problemas o bastante. Minha tão pequena família já é encrenca o suficiente e tem problemas de sobra.

Só acho que se a família fosse bem grande, haveria mais gente para ajudar a solucionar os problemas um do outro.

Uma coisa que lamento em minha vida (e não sou de lamúrias, pois Deus me ofereceu nesta vida muito além do que eu sonhava), é de não ter mais filhos. Graças a Deus, nem eu e nem meu marido temos problemas de fertilidade e poderíamos ter muitos filhos. Mas há alguns fatores impeditivos: somos apenas eu e ele para cuidar das crianças. Ele trabalha tal qual o inglês do início do século XIX: “Monday to Monday”. A coisa mais difícil nos dias de hoje é arrumar uma boa empregada. Fica complicado trabalhar, conseguir dar conta dos filhos e a atenção que eles exigem, e ainda manter tantos gastos que são necessários para criá-los com qualidade. Então, paramos nos dois.

Ainda bem que me é facultado o direito de sonhar... com aquela numerosa família... com a terceira idade chegando e meus doze filhos se reunindo para um grande Natal... com uma árvore gigante, cheia de esperanças depositadas... ainda bem que me é facultado o direito da Utopia!

Um comentário:

  1. Oi querida,
    Pois é, esses dias estou bem tristonha, sentindo muita falra dele.
    Muito obrigada pelo recadinho, pelo carinho.
    Precisamos ser fortes mesmo...não tem outro jeito.
    beijão

    ResponderExcluir