sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Biografias


Ler a biografia do Paulo Coelho me fez refletir muito. Até levei mais tempo que o normal para concluir a leitura, pois por várias vezes reli algumas coisas, enquanto pensava na vida. Pensava na vida dele, na vida de outras pessoas famosas as quais já li as biografias. Pensando na minha vida e na vida de tantos outros pobres mortais.

A vida de todo mundo é uma grande história, sem um gênero definido. Em toda história de vida, há humor, aventura, drama, terror, comédia, tragédia. Toda história de vida é interessante. Claro que todo indivíduo poderia escrever sua biografia. Pessoas públicas, porém, aguçam nos indivíduos o interesse em suas vidas particulares. Os pobres mortais são ignorados, como apenas “mais um”.

Paulo Coelho escreveu diários durante toda a sua vida. Também gravou fitas K7 e, juntamente com os diversos livros, guardou tudo em um baú. Deixou escrito em seu testamento para que tudo fosse destruído após sua morte. E mudou de idéia quando decidiu que Fernando Morais escreveria sua biografia.

Eu sempre gostei muito de escrever. Cartas, bilhetes, diários, cadernos. Tenho muitas coisas guardadas e outras as quais infelizmente, me desfiz. O que tenho guardado é o suficiente para que eu tenha tomado a decisão de nunca parar de escrever.

Há mais de sete anos, conheci meu marido pela internet e trocamos muitas mensagens eletrônicas, até depois de casados. Certo dia, ele começou a imprimir tudo para que eu guardasse. A falta de tempo fez com que ele abandonasse um pouco esse projeto pessoal e como esse tempo parado foi muito grande, todas as mensagens foram apagadas da sua conta de mensagens, que foi dada como inativa. No dia em que descobrimos isso, foi-se embora uma parte da nossa história.

Da parte que ficou, decidi reler. Fazia muito tempo que não mexia naqueles papéis. Foi muito emocionante reviver tantas coisas, saber detalhes do início da nossa relação que nenhum de nós dois relembrava. Gostei de ver todas as mudanças que os quase oito anos fizeram em minha vida. Envelheci, amadureci, mudei, cresci; sou outra pessoa.

Confesso que houve coisas daquela Úrsula de outrora que me deixaram com saudades. E vou procurar resgatar tudo de bom que ficou para trás, e deixar para trás coisas da Úrsula de hoje que não me agradam muito.

Acima de tudo, continuarei registrando coisas da minha vida, para que de tempos em tempos, seja possível fazer uma reciclagem na minha pessoa e seguir meu caminho, sempre buscando evoluir.

2 comentários:

  1. O bom dos blogs é que eles podem ser uma biografia em tempo real. E tem gente que escreve 489 posts num único dia. Lá se foi minha manhã... hehhee

    ResponderExcluir
  2. Pior é ter que responder tudo e ainda comentar em 1.978 fotos no Orkut... afe... lá se foi meu fds...

    ResponderExcluir