terça-feira, 29 de setembro de 2009

A tecnologia em favor da cultura


No Natal de 2005, queria surpreender meu marido. Já tinha dado para ele todos os presentes possíveis. Uma coleção de relógios, roupas, calçados, livros, CDs, DVDs. Queria surpreendê-lo. Comprei um relógio Bulova, com um desenho diferente dos quais ele já tinha. Mas me achei repetitiva. Há algum tempo, ouvia falar em um tal de iPod, mas não tinha idéia do que era o aparelho. Sabia apenas se tratar de um walkman moderno. Procurei tanta gente para me explicar sobre o aparelho e nada. Fui ver o preço. O mais simples, custava quase 3 mil Reais. Como minha tia estava indo visitar sua família no México e todos os anos passa pelos EUA, resolvi pedir para que ela me trouxesse. Mas ela voltaria só na primeira quinzena de janeiro e queria o presente para a noite de Natal. Comprei na Saraiva.com. Quatro anos atrás, apesar de a função de tocar músicas em formato MP3 ser a mesma, o aparelho era anos luz atrasado em relação ao que há hoje.

Meu marido deixou o seu novo brinquedo por dois anos guardados, por não ter tempo de aprender a mexer. Um dia, uma amiga me ensinou a baixar músicas na internet. Quando ele me viu fazendo isso, resolveu tentar usar seu iPod. E deu certo. Assim, ele passou alguns meses baixando músicas, descobrindo novos artistas (coisas que ele adora fazer) e conseguiu preencher quase que metade da capacidade de armazenamento do seu já arcaico aparelho, de 2 GB de memória.

Depois de tanto trabalho, acabei me rendendo aos encantos do aparelho. A qualidade do som era realmente maravilhosa. Como meu marido estava indo para a China, pedi que trouxesse um iPod para mim. Ele trouxe o recém-lançado iPod Classic Vídeo, com 160 GB. Impressionante, pois o aparelhinho dele, aquele que custou tão caro pouco tempo antes, era praticamente uma sucata. Na verdade, virou uma sucata. Com três meses de uso, o aparelho caiu no chão e não teve conserto.

Enquanto me divertia com meu iPod, percebia claramente o olhar de “chupar dedo” do meu marido. Sabe o que é um olhar de “chupar dedo”? É quando uma criança olha para o brinquedo da outra e sonha dia e noite com a chegada do Papai Noel, para ter um igual. Dei meu brinquedo para ele. Comprei um celular com a função MP3, o mais barato que achei no mercado (pois odeio celular, queria mesmo um MP3 Player) e transferi algumas músicas. Só que não era a mesma coisa, já que o celular pode acabar a bateria no meio da rua e, em meio a uma emergência, deixamos de ter recursos para usar sua principal função: telefonar.

Agora, meu marido acabou de voltar de outra viagem internacional. Esteve na China novamente e por duas vezes nos EUA. Em Chicago, comprou-me um iPod Touch. Eu amei o brinquedo. Muito se falou por ocasião do lançamento do iPhone, mas nunca tive curiosidade em ver, conhecer ou saber os diferenciais. Meu iPod tem as mesmas funções do iPhone: funciona internet, leio emails de qualquer lugar onde houver rede wireless, baixo jogos, livros, possui GPS e mais um milhão de funções. Mas a principal delas: é um MP3 Player da melhor qualidade.

Assim, baixei vários áudio-livros. Já comprei trinta deles, mas não tinha conseguido ouvir quase nada, já que sempre que estou no carro, estou com as crianças, ou estou no trânsito, ávida por notícias. Em duas semanas, fiz a leitura de cinco livros que há muito estava querendo ler, mas com o excesso de leitura acadêmica que me consome neste semestre, estava impossível. Agora, ouço meus livros no banho, na cama, enquanto faço compras de supermercado, enquanto as crianças brincam em um parque. Posso dizer que minha vida é muito mais feliz com meu novo iPod.

2 comentários:

  1. Primeiro mundo é outra coisa. Percebi que seus emails agora chegam "enviados pelo meu ipod". Muito bom.
    Ainda estou no meu primeiro celular desde que cheguei à Europa. Não cabe música e não tem gps. Na verdade, nem o carregador de bateria funciona mais. Mas... enquanto houve um pingo de vida nele, sigo usando...

    bjoca

    ResponderExcluir
  2. Ah... mas meu iPod não é iPhone... eu tb só uso celular vagabundo, daqueles que a gente compra na Vivo por 10 "reau", tela monocolor. Só tive um melhorzinho pq juntei pontos na Vivo... e o telefone de casa, o tal da Embratel, que não disca mais o no. 9 faz um ano e não compro outro? Aquele aparelho da Nokia, de 1500 e bolinha????

    ResponderExcluir