quinta-feira, 13 de agosto de 2009

O saldo das férias


Tivemos as férias mais difíceis dos últimos tempos. Não foram apenas problemas de saúde que assolaram nossa família. Estávamos com a cabeça cheia de coisas para resolver, muitas decisões a tomar e juntando isso com todo o estresse que vem se acumulando ao longo dos últimos anos, teve um momento que achei que surtaríamos. Claro que depois de passado o momento de desespero, tudo se resolve.

Conseguimos vender nosso apartamento, o que nos deu um grande alívio, pois só assim conseguiríamos dinheiro para poder quitar o novo, sem ter que fazer um longo e burocrático financiamento. O melhor de tudo, porém, foi que assinamos o contrato de venda na segunda-feira. E no mesmo dia, arrebentaram três casas de frente ao nosso condomínio. É o quarto empreendimento que estão fazendo na nossa rua, nos últimos dois anos. Cheguei ao absurdo de fazer um tour pelos arredores e contar: catorze empreendimentos em um espaço de quatro quilômetros. Mais dois meses e estarei livre das nuvens de poeira que estão se formando ao nosso redor. E onde vamos morar, não há mais espaço para novos condomínios, portanto, estarei livre de grandes obras por algum tempo, até que a família decida mudar-se novamente.

O atraso de quatro meses na entrega do nosso novo apartamento atrapalhou em tantas coisas nossa vida. A contar pelo nosso espaço físico. Como a previsão da nossa mudança era em primeiro de junho, compramos geladeira, freezer, fogão, máquina de lavar louças, forno elétrico, aparelho de jantar. Tivemos que conviver acampados com toda a parafernália na sala, já que aqui, os armários foram feitos sob medida e comprei tudo de acordo com as medidas dos armários do novo apê.

Sinto que agora as coisas estão bem perto de acontecer. Nossa sacada já está com a churrasqueira prontinha e já compramos até os apetrechos para fazer o churrasco. Só falta meu irmão voltar da Irlanda, pois aqui em casa, só entendemos de comer.

E finalmente, segunda-feira, após um longo e incansável período de férias, voltaremos todos para nossa rotina, até a hora de começar a colocar caixas no caminhão. Mas aí é outra história.

4 comentários:

  1. Caraca! Ainda bem que existe blog para os exilados ficarem sabendo da situação do mercado imobiliário no Brasa. Parabéns pela venda... hehehe
    bjunda

    ResponderExcluir
  2. Afe... foram vários comprimidos de dormir a menos.... he he he... mas vc vai ver q tristeza q dá qd vc um dia vender sua casinha... vc fica meio sem teto...hehehe... love ú

    ResponderExcluir
  3. acredite: alugar a sua casa já dá tristeza. luv ya

    ResponderExcluir
  4. Buá, buá, buá.... é melhor ser sem teto...rs...

    ResponderExcluir