quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Alexandre Graham Bell


Eu acho feio dizer que odiamos alguém ou que temos inimigos. Ao menos, faço de tudo na vida para não odiar ninguém, tampouco ter inimigos. Mas eu tenho o direito de odiar a invenção de alguém e o meu ódio se deve a maior invenção do cidadão título deste post.

Gente, queria que as pessoas entendessem o seguinte: antigamente, a vida das pessoas era muito mais simples. Ninguém conservava relacionamentos por anos a fio. Ninguém saia de um trabalho para o outro com tanta constância, e, portanto, não conhecia um infinito número de amigos. Não existiam tantos barzinhos, as redes de relacionamentos das pessoas eram muito menor. Assim, ficava mais fácil manter contato, dar um alô de vez em quando, fazer uma visitinha rápida ou um grande dia de bate-papo.

Vejo o meu caso. Estudei em várias faculdades. Passei por três escolas. Morei em três países. Em várias cidades. Em diversas casas. Ao todo, mudei mais de vinte vezes. Trabalhei em vários lugares e por ter trabalhado como consultora, tive a oportunidade de conhecer muito mais pessoas do que os trabalhadores comuns, que tem suas cadeiras fixas diariamente em um escritório.

Não é anti-socialismo meu. Não tenho fobia de telefone. Só não dou conta de bater papo de uma hora com cada uma das pessoas que conheço, todos os dias. Acho que a internet é a invenção do futuro, uma vez que através dela, é possível dar e receber notícias rápidas, dizer para as pessoas queridas que estamos vivos e sabermos sobre elas também. Só que o dia-a-dia de hoje já não permite mais tanto tempo de atenção para uma única pessoa.

Queria perder minha fama de “você não atende ao telefone”, “nunca conseguimos falar com você”, “ninguém tem notícias suas”. Eu estou aqui. No Planeta Terra. Cuidando da minha família, da minha casa, dos meus estudos, e ainda tentando preservar em minhas relações tantas pessoas queridas. Mas, infelizmente, o dia acaba quando o relógio bate as doze badaladas e mais um dia começa, cheio de compromissos e cobranças.

Para quem entender, agradeço imensamente. Não medimos o carinho que temos pelas pessoas pelas horas que passamos com elas ao telefone, mas sim, por estar ao lado delas no momento em que realmente é preciso.


p.s.: pior que a invenção do telefone, é a invenção do identificador de chamadas!
p.s.2: Graham Bell foi um grande homem e quem se interessar, leia um pouco sobre sua vida, para saber que a invenção do telefone foi um mero detalhe dentro do grande trabalho social que ele desenvolveu com deficientes auditivos

Nenhum comentário:

Postar um comentário