sábado, 4 de julho de 2009

Compras de supermercado


Qual é a mulher que não gosta de comprar? Acho que nunca conheci nenhuma. Agora qual é a mulher que gosta de todo o roteiro de fazer compras de supermercado? Encher o carrinho, passar item por item no caixa, voltar tudo para o carrinho, tirar novamente, encher o porta-malas do carro, esvaziá-lo ao chegar em casa, enchendo novamente outro carrinho, até chegar ao apartamento. E a luta continua, pois há que se esvaziar pela terceira vez o carrinho, desfazer as compras e guardar tudo. Nossa, é uma insanidade.

Não que eu goste de guardar compras, mas gosto de tudo muito bem organizado e ainda não tive a felicidade de ter uma secretária do lar que fizesse o trabalho bem feito. Assim, tomo a tarefa de arrumar geladeira, freezer e armários para mim. Não tem nada pior do que a certeza de que compramos algo e na hora de usar, não achamos o mesmo. Fico verde de raiva. Se é que raiva deixa alguém verde.

Tinha muito tempo que não fazia compras grandes. Faço minhas compras no Pão de Açúcar online ou físico. E semanalmente. Mas ontem, não sei o que me deu (ou o que faltou nos armários) que resolvi ir a um hipermercado fazer compras, só eu de adulto e as duas crianças.

Decidi que reporia tudo de uma vez na despensa e quando ainda estava na metade do supermercado, meu carrinho já estava cheio. Pedi para que minha filha pegasse outro carrinho e prosseguimos, enchendo os dois.

Queria entender em que momento minha atitude foi mais burra, o de resolver comprar em hipermercado (que particularmente não gosto) ou o de fazê-lo com duas crianças. Meu filho, quando foi programado, saiu com a palavra “compra” infinitamente. Assim, não há absolutamente nada que ele veja, que não pede para comprar. Os seus apelos, aos três anos de idade, são os piores: “mamãe, nunca mais na minha vida eu comi isso”; “mamãe, nunca na minha vida eu tive isso”; “mamãe, eu vi no Discovery Kids que isso tem vitamina e vitamina faz crescer”; “mamãe, eu estou com muita vontade de comer esse chocolate, essa bolacha, esse iogurte, esse pão, esse bombom”. E acreditem, quando chega na parte das frutas, ele ensandece: quer comprar bananas, maçãs, peras, abacaxis e principalmente melancia. O detalhe é que ele tem diariamente todas as frutas em casa.

Depois de três horas entre sair de casa e voltar (quase) viva com as crianças e as compras, ainda faltava a segunda parte, que deixei para mais tarde. Tive que refletir sobre o ato suicida que havia acabado de cometer e assim, conclui que a internet é a melhor invenção da humanidade. Ou ao menos da mulher que precisa fazer compras.

2 comentários:

  1. Qualquer tipo de compra é horrível, mas compra de mercado é uma das obrigações mais dolorosas e sofridas do ser humano. Vc ainda esqueceu de falar das tiazinhas que andam beeeem devagar com o carrinho no meio do corredor, fechadno todo o espaço. Cansei de deixar minhas compras todas no meio do mercado, só pra não pegar a fila do caixa...
    Rolou um stress só de pensar nisso...
    bjoca

    ResponderExcluir
  2. Nossa MV, eu mandei fazer uma gd despensa no apartamento novo, só para ir ao mercado o menor número de vezes possíveis... bejokas

    ResponderExcluir