segunda-feira, 22 de junho de 2009

Causos de traição conjugal



Quantos amigos e amigas não se perguntam: “se você visse meu parceiro (marido, esposa, namorados, etc.) com outra pessoa, você me contaria?”. Acho a questão da traição conjugal, aquela traição carnal, uma das mais complicadas que existe. Já tive amigos que traíram suas esposas e amigas que traíram seus maridos. Já tive amigas que foram traídas e relevaram a questão e já tive amigos que foram traídos e deram um pé no traseiro daquela que lhes enfeitou a cabeça. Mas saber por mim? Não. Acho que o casal tem que ser “casal” ao ponto de saber, de entender, de conseguir “ler” os sinais que o parceiro vai dando. A traição não acontece da noite para o dia. Ela é um processo de evolução. Ninguém sai de casa, logo pela manhã, decidido que a partir daquele dia trairá seu parceiro com o primeiro que encontrar pela frente.

Conheço pessoas que traem. Algumas, já vi traindo. Outras, me contaram. E por não ser da minha conta, sempre jurarei até a morte que não tenho nada que ver com a história, porque não tenho mesmo.

Tempos atrás, mas não tanto tempo assim, tinha um casal que “freqüentava” um dos círculos sociais em que vivíamos. Casados, pais de uma linda menina loira de olhos azuis, modelo de casamento perfeito. Mas o cara era um canalha. E não estou expressando meu julgamento, são os olhos da sociedade. Final de ano, mandava a mulher para Long Beach. Tirava férias. Inventava que ainda estaria trabalhando e fazia a festa. A mulher, enquanto todos a achavam uma coitada, tinha sua parcela de 50% de culpa na situação. Afinal, quem não marca presença, abre concorrência. E vamos falar uma coisa: tem gente que pede para ser chamado de otário. Essa traição, no caso, já durava anos, mas o que importava para aquele casal era a aparência da família perfeita.

Outra conhecida se vangloriava por mandar no marido. Mais um modelo de família perfeita. Da parte dela. Era tão óbvio que o marido a traia, que toda roda que se fazia em eventos, era pra falar das traições do cara. No fundo, essa minha conhecida sabia sim das escapadelas do marido; só que o ideal dela era construir uma família. E quem disse que a família não é perfeita quando há traição?
Um amigo meu traia sua esposa havia quinze anos. Tinha uma amante fixa havia dez. E outras espalhadas pelo território nacional (seu campo de traição era bem restrito). Todas as filiais sabiam que havia uma matriz e uma filial fixa e todas elas achavam ser “a única” na vida do meu amigo. A filial fixa nem sonhava que havia mais alguém além dela e da matriz. Ele não largava a mulher por causa dos filhos (será?). Nunca vi marido mais romântico e apaixonado. Dá até para desconfiar do meu.
Teve um caso do marido que abandonou a mulher para ficar com a chefe. Já que ele era totalmente incapaz de ascender profissionalmente, usou de caminhos escusos para tanto. A chefe era a própria beata. Devota de todos os santos possíveis, freqüentadora assídua de um segmento da igreja Católica Apostólica Romana, dizia-se “filha de Maria”. Mas sabia perfeitamente que o amante era casado e, pior, que a esposa dele estava grávida. Casaram-se e tiveram mais filhos (pois a filha de Maria já era separada). Pouco tempo depois, ele trocou a senhora (bem mais velha que ele), por uma mocinha recém-chegada na empresa. E o casamento da filha de Maria acabou. O relacionamento do garanhão também.

Uma moça se vangloriava em seu meio social, pelo casamento perfeito que tinha. Sempre desconfio das pessoas que falam demais. Ninguém precisa ficar cantando o casamento perfeito do mesmo modo que se cantam bolinhas no bingo. Primeiro porque não existe casamento perfeito. Segundo porque quem atinge um nível de excelência em uma relação, que quase chega à perfeição, jamais vai precisar sair por aí contando vantagem. Mas essa moça aproveitava-se, inclusive, da ingenuidade de uma colega da turma, que sempre expôs as dificuldades do seu casamento. Até que um dia, os amigos descobriram que ela traia seu marido há muito tempo. E sob suas barbas. A turma toda já desconfiava que ele a traia, devido à profissão que ele exercia. Mas nunca veio nada a tona que o desabonasse. Já com ela...

O marido de uma amiga minha a traia e ela sabia. Terminava a relação e arrumava outro. No processo de conhecimento do outro, o marido se arrependia, pedia perdão e os dois voltavam. E ele saia da situação de traidor e passava a ser o traído, já que minha amiga estava a todo vapor com o novo parceiro. Assim, viveram por muitos anos. Até que separaram-se de vez. E viveram felizes para sempre, cada um com seu parceiro. Sou amiga dos dois e hoje sei que nenhum dos dois trai. Pode ser que a maturidade tenha batido a porta deles. Pode ser que o amor nunca tenha existido e só chegou agora. Mas também pode ser que eles resolveram amar, em primeiro lugar, a eles mesmos.

Não sou ninguém para julgar as pessoas. Apenas tenho meus princípios dentro de uma relação. Ninguém está com ninguém obrigado, não nos dias de hoje. A obrigação que existe entre as pessoas é moral. Quem quiser ter relação com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, exponha a situação ao parceiro e abra a relação. Se ele não quiser, é porque acabou, vai cada um para seu lado, viver sua vida e ser feliz.

Muitos e muitos anos atrás, minha cunhada quase se separou do marido. Ninguém da família sabia e ela me chamou para jantar e confidenciar a situação. Disse que veio ao mundo para ser feliz, que o amava, mas que não suportava mais várias coisas nele. Cada um sabe onde seu calo aperta, mas como sabia, pela sua idoneidade e seu caráter, que ela não tinha outra pessoa em sua vida, aconselhei com o coração: “tente relevar os defeitos e elevar as qualidades”. Para mim, essa é a máxima de toda e qualquer relação. Não foi pelo meu conselho, foi pelo amor entre eles que estão juntos há quase duas décadas. E vivendo felizes, enquanto o amor durar.

Conheço os amigos e amigas que tenho e, mais uma vez, antes que alguém me pergunte se é um dos traídos, vou me antecipar: quem disse que alguma das histórias acima é verdade?

p.s.: buscando uma figura para ilustrar meu post, encontrei algo interessante: a Confraria dos Chifrudos. Queria deixar aqui a dica, juntamente com outra: cuidado para não encontrar seu parceiro por lá!

7 comentários:

  1. Nossa Ursa, será que eu também tenho amigos chifrudos ou sou uma das chifrudas citadas?

    ResponderExcluir
  2. Caraca, vc só tem amigo corno mulé???

    ResponderExcluir
  3. Amiga, eu estou entre este bando de chifrudo???

    ResponderExcluir
  4. Ué... pq todo mundou comentou esse post como anônimo??

    ResponderExcluir
  5. Afe, nem tinha me atido ao detalhe, mas acho que é tudo CORNO... he he he... alguma outra teoria?

    ResponderExcluir