domingo, 10 de maio de 2009

O show particular do High School Music 3


Aproveitando que hoje acordei mais cedo que o normal e compensando tantos dias sem blogar, vou comentar meu último assunto do dia, algo que já falei anteriormente, sobre festas de aniversário.

Ontem, minha sobrinha fez quatro anos. O tema da festa: “High School Music 3”. Chega a ser engraçado uma criança tão pequena se interessar por um tema, digamos assim, velho, para sua idade. Mas é influência da irmã mais velha, só por parte de pai, que tem 15 anos e está em plena idade “High School Music”.

Há poucos meses, minha cunhada, irmã do meu marido, mudou-se de casa e de bairro e está ainda em adaptação com os serviços locais. Mora em frente a um dos melhores buffets infantis que já fui (e falo de cátedra sobre conhecimentos de buffets). Em janeiro, procurou o local para realizar a festa da filha, mas só tinha vaga para o ano que vem. Resolveu usar dos salões de festa do condomínio e fazer a comemoração lá mesmo. Contratou animadores para a festa, alugou pula-pula, um gigante escorregador inflável (ambos para crianças e adultos), levou barraquinhas com cachorro-quente, hambúrguer, pipoca, batata-frita, mini-pizza, pastel, salgados diversos, alugou a mesa com o tema da festa, mandou fazer o bolo decorado com pasta americana, dois andares, todo decorado também com o tema, no melhor lugar que encontrou, a tia mandou fazer becas e capelos em quatro tamanhos diferentes para as dezenas de crianças da festa, assim como os canudos para o suposto diploma (que continham dentro um jogo americano de duas peças). A tia paterna e a avó, que moram em Belém, fizeram deliciosos pratos típicos da região e de lá enviaram todos os docinhos para a festa, em formatos e sabores nada parecidos com o que estamos acostumados. Houve um show de uma hora de duração, com todos os personagens do filme, que após interpretar toda a trilha sonora, distribuiu autógrafos para a criançada e posou para foto com cada um deles. Na saída, além de todos os mimos já distribuídos e a indumentária da “balada” (entenda-se óculos, tiaras, marabús, boás, colares, gravatas, etc.), as crianças ainda foram presenteadas com uma grande bolsa vermelha, bordada com o logo HSM3, nome da aniversariante com a data da festa e para delírio de todos eles, ao abrir o presente e deslizar o zíper da bolsa, havia o filme do HSM3 dentro.

Com a chuva que caiu ontem à noite em São Paulo, entramos no carro ensopados, mas com os pacotes de presentes das crianças intactos (que ainda incluíam um vaso personalizado com flores de bala de goma para cada um, além de um enorme pacote com M&M, Twist, pirulitos, balas, chicletes, chocolates variados, Dadinhos, apitos com sabores de tuti-fruti e nem me lembro mais o que).

Viemos conversando sobre a festa no caminho. O pequeno falou que só demos dois “pesentes pala a pima” e que ela havia dado muitos presentes para eles. É isso que encanta as crianças hoje, os presentes que eles ganham do aniversariante.

A festa foi linda, nos impressionou como as crianças tão pequenas mexiam os lábios acompanhando cada música do show, sem saber o que estavam pronunciando, mas mexendo seus corpinhos para imitar a coreografia do grupo e os olhinhos brilhando, cheios de atenção a cada movimento dos atores. O único problema depois de cada festa-espetáculo em que vamos, é a expectativa enorme que as crianças criam para a próxima festa, e os próximos anfitriões, para não decepcionarem, procurarão melhorar cada vez mais cada detalhe da última festa. E assim, as crianças entram e saem das festas, na maioria das vezes, sem sequer dar um abraço de “Feliz Aniversário” para o aniversariante.

Ao final do espetáculo, minha sobrinha estava feliz, mas exausta e já não querendo olhar para ninguém, sem qualquer ansiedade sequer para abrir a enorme cachoeira de presentes que agora ocupava parte da entrada do salão. Mas com a recordação, bem lá dentro do seu coraçãozinho, de uma festa inesquecível que meus cunhados puderam lhe oferecer. Que ela seja sempre muito feliz, amada e independente de mega-festas, tenha todos os seus anos de vida comemorados com aquelas pessoas que a amam.
Úrsula Hummel

Um comentário:

  1. A parte boa de ficar velho é que acaba essa preocupação com festa. Basta escolher o boteco e dar o endereço para o povo. Não precisa nem gastar com convite. Basta email ou msg de texto. Cada um paga a própria bebida. E tudo é uma verdadeira festa...

    ResponderExcluir