sexta-feira, 17 de abril de 2009

www.naoquerofazernadaporalgunsdias.com.br

http://www.naoquerofazernadaporalgunsdias.com.br/

Quem não gosta de feriado, que atire a primeira pedra. Os motivos que levam as pessoas a gostar tanto de dias seguidos sem compromisso sério são diversos: uns gostam de viajar, outros ficam felizes por não trabalhar, muitas crianças comemoram por não ter que ir a escola e os preguiçosos como eu, ficam felizes por não ter que levantar da cama tão cedo.

Não tenho o menor problema em acordar cedo. Durante anos e anos, mantive uma rotina quase que insana. Acordava por volta de cinco e meia da manhã, colocava um moletom, camiseta, tênis, pegava o cabide com a minha roupinha social, mala esportiva com toalhas, secador de cabelos, maquiagem, shampoos, cremes, sabonete, pente, escova, e claro, meu sagrado par de saltos e lá ia eu, rumo à academia. Malhava por duas, três horas, tomava um belo banho e ia trabalhar com uma energia fenomenal. Depois de um dia cheio de trabalho, reuniões e compromissos, passava em casa para dar um beijo na minha filha, colocá-la no berço e era a vez do meu lado intelectual entrar em ação. Aulas na faculdade até por volta das dez e meia, onze horas da noite e lá ia eu para o último turno do dia: baladas de segunda até as quintas-feiras.

Quando olho para trás, não consigo imaginar que tinha uma vida tão insana e conseguia ser feliz com noites de três, quatro horas de sono. Aquilo não era vida, mas naquele momento, era o que eu gostava de fazer e sentia prazer. Hoje em dia, quando tenho a oportunidade de ficar na cama até tarde, deitada, a maior parte das vezes já acordada, de olhos fechados, orando, abraçada ao meu marido, agradecendo por um momento tão sagrado, sou a pessoa mais feliz que se pode encontrar.

Eis então o meu motivo de gostar do feriado: a orquestra sinfônica dos Hummel não começa a tocar as cinco da madruga, sapatos andando pela casa, portas abrindo e fechando, mochila se arrastando pelo chão, batuque nas tigelas de cereais, abre e fecha de geladeira e o pior de todos os instrumentos: o relógio tocando para dar início a todo este espetáculo matinal.

Cada um tem sua maneira de aproveitar o feriado. Enquanto muita gente lota as estradas, vivendo nos raros momentos de descanso o mesmo estresse que se vive diariamente no trânsito, nossa família gosta de aproveitar a cidade para ler, assistir a filmes novos ou repetidos, fazer compras, passear ou para simplesmente ouvir o silêncio, este sim, o melhor de todos os sons.

Desejo que estas mini-férias de Tiradentes, na sequência das mini-férias de Páscoa e antecedendo as mini-férias do Dia do Trabalho sejam proveitosas para todos, cada qual ao seu modo. Sombra e água fresca para todos.

Um comentário:

  1. Concordo que vadiagem é uma delícia e também detesto estrada no feriado. Mas, como sempre trabalhei em todos os feriados, minha opinião não importa muito mesmo... Então, pq diabos eu fui comentar? Tsc, tsc...

    ResponderExcluir