quarta-feira, 1 de abril de 2009

Mentira não tem pernas


Para mim, a mentira é aleijada e, cedo ou tarde, acaba mostrando que também não tem face, assim que sua máscara cai. Se fosse silogismo, a última sentença seria: logo, mentira não existe. Infelizmente, não é silogismo e, portanto, ela existe sim e está ai, todos os dias, em todos os nossos momentos, para que possamos crescer e aprender com as coisas ruins que ela acarreta nas vidas das pessoas.

Quando eu era criança, adorava pregar peças no dia da mentira. Era tão bom, pois aguardava com avidez este dia, mais até que o dia do meu aniversário. Depois fui crescendo e conhecendo o verdadeiro sentido da palavra, muitas vezes na própria pele, e aquela fantasia de criança foi-se embora.

Contam os historiadores que o dia da mentira teve sua origem na França. No século XVI, o rei Carlos XI adotou o calendário gregoriano, mudando a data de festejo de ano novo, que era comemorado durante a semana de 25 de março até primeiro de abril, para a data que comemoramos nos dias de hoje. Com os escassos meios de comunicação, a notícia demorou a se propagar e levou cerca de duzentos anos para chegar ao país vizinho, a Inglaterra. O povo passou a fazer então do dia 1 de abril, um dia de grandes gozações. No Brasil, o advento das comemorações neste dia tem sua origem em Pernambuco, com a notícia da morte do príncipe Dom Pedro, em 1848. Mas o óbito foi desmentido no dia seguinte.

Walt Disney usa a mentira de forma lúdica para trazer ao público infantil as características de um dos seus mais famosos personagens, o Pinnochio, boneco de madeira que acaba se dando mal por contar mentiras. Pinocchio é um exemplo para crianças do mundo inteiro de que mentir não é o melhor caminho. No Brasil, o escritor Ziraldo traz a tona a mentira através do personagem Menino Maluquinho, no conto “O Ilusionista”, quando o menino descobre os males que se provocam por mentir.

Faz parte da infância pregar peças e fazer brincadeiras neste dia, não se esquecendo de que a brincadeira só é saudável se não prejudicar a ninguém. A verdade é a base para quaisquer relações.

Um comentário: