domingo, 29 de março de 2009

Será que há vez para o pinguim?


A geladeira é um eletrodoméstico que, a priori, tinha as funções de conservar e gelar alimentos. Agora é um aparelho com mil e uma utilidades. Dizer “vou comprar uma geladeira” é algo que há muito tempo deixou de ser tarefa simples; tomar tal decisão implica em ter que escolher não mais apenas a voltagem correta, a cor (bege, branca ou caramelo) e se duplex ou não. Antigamente, dentre as poucas opções, havia também pouca variação de preço. Ainda na época da minha avó (nem vou dizer da minha mãe, que é praticamente a mesma que a minha), acho que era mais fácil ainda, bastava gostar do azul ou do vermelho. Pronto. E fogão então? Não sei dizer ao certo, mas deveria ter apenas a opção de comprar com abas ou sem (e é hilário lembrarmos-nos das caixas de fósforo que ficavam sobre as abas).

Comprar um eletrodoméstico nos tempos em que vivemos exige quase que curso universitário. A variedade existente é infinita. Para adquirir uma geladeira e um fogão, são necessárias semanas e mais semanas de pesquisa, envolvendo um complexo trabalho que vai muito além de efetuar o pagamento. Se a opção da geladeira for por um modelo “side-by-side”, pode se preparar, pois até no encanamento será necessário mexer. Pode-se escolher para que lado a porta abrirá e em um modelo duplex, ainda se escolhe se o freezer ficará na parte de cima ou de baixo do refrigerador; escolhe-se se haverá saída de água pela porta e um computadorzinho de bordo para programar o tempo que cada item levará para gelar. Claro que não para por aí. Pode-se optar por um modelo com bar portátil, descongelamento automático, tipos e quantidades de compartimentos e divisórias interna, adesivos decorativos e a porta ainda pode servir de lousa para crianças desenharem. Há até a opção de geladeira com televisor de LCD já embutido na porta. Não se pode esquecer também que é necessário verificar o consumo de energia do aparelho e saber se ele foi fabricado de forma ecologicamente correta. Vale dizer que além de tudo citado anteriormente, as geladeiras de hoje em dia ainda servem para conservar os alimentos.

Estamos em fase de mudanças e no afã de manter a estabilidade da nossa casa por um longo tempo, estamos pesquisando todo e qualquer modelo e possibilidades de combinações, afinal, não se pode jamais esquecer que se trata de dois geminianos. Podemos adquirir uma geladeira simples (digo sem freezer) e com um freezer a parte, já que os modelos “side-by-side”, apesar de unirem dois aparelhos em um, tem o inconveniente de serem mais estreitos, porém, são mais bonitos e modernos. Podemos optar por um fogão de quatro bocas, que poderá ser embutido ou de piso. Ainda de quatro bocas, podemos escolher um modelo “cooktop” ou fogão de mesa, tendo então que escolher o tipo de forno: elétrico ou a gás; se escolhida essa opção de fogão, há ainda que decidir onde embutir o forno, se na parte de baixo do “cooktop” ou em um nicho separado da cozinha. Com o trabalho de compra quase que terminado, só falta escolher o sistema de exaustão, se usaremos coifa ou depurador, embutido ou não, qual a velocidade da sucção e qual o método de filtragem e limpeza.

Depois de toda a demora, indecisão na escolha e finalmente efetuada a compra, basta aguardar os bens em casa e vê-los funcionar assim que chegarem, certo? Errado. Durante o complexo processo de aquisição, ainda é preciso acionar a marmoraria, para cortar a pia ou complementar a pedra que vai ao redor do fogão; a marcenaria ficará com a parte de confecção dos móveis onde se encaixarão os eletrodomésticos. E será preciso aguardar pela instalação de tudo, para que não se perca a garantia, uma vez que a tarefa de colocar todos os brinquedinhos em uso é das mais complexas.

E pensar que depois de todo o trabalho descrito, ainda temos que ir ao mercado, escolher o que cozinhar e guardar na geladeira, preparar as refeições e sujar toda essa maravilha. Posto tudo isso, que tal comer comida do restaurante? Assim, ainda pouparemos a parte da máquina de lavar louças. Mas na cidade de São Paulo, depois de trabalhar a semana inteira e pensar que domingo é o dia de descanso, nem um restaurante mais se encontra em paz. Há fila de espera que exige muita paciência. Será que no futuro, viveremos todos como astronautas, alimentando-nos apenas com pílulas e assim, conseguiremos um pouco mais de tempo para viver?

4 comentários:

  1. Por isso eu digo: Consulte sempre uma decoradora!

    ResponderExcluir
  2. Paulinha, sou totalmente a favor! Aliás, o q seria dos mortais sem vcs? Mas tem coisas que envolvem apenas o gosto (ou a indecisão eterna) dos moradores...rs... Um beijo bem grandão (e que sorte de não nos ter como clientes, pq nem eu nos aguento!!!!)

    ResponderExcluir
  3. Ursa, eu particularmente acho decoradora uma coisa impessoal demais. Conhecendo você então, é piração para uma das duas, você ou a coitada da decoradora. Amiga, você tem um jeito despojado, original e autêntico de ser, seja na casa, seja no visual, seja na vida. Seja sempre você. Beijos, Tati

    ResponderExcluir
  4. Ursula,

    tivemos o prazer de encontrar na sua postagem http://ursulahummel.blogspot.com/2009/03/sera-que-ha-vez-para-o-pinguim.html , a imagem do adesivo decorativo modelo pinguim que é o carro chefe das nossas vendas.
    Por gentileza, visite o nosso site www.rmadesivos.com.br. e confira nossos novos lançamentos.
    abs.
    Marli Faccioli
    marli@rmadesivos.com.br

    ResponderExcluir