quarta-feira, 11 de março de 2009

Meu tamanho é G, e o seu?

Quando meus pais me fizeram, não puderam optar pelo tamanho P, M ou G. Eu simplesmente fui confeccionada tamanho G, sem uso de moldes. Em partes é bom; vejo frequentemente minhas amigas reclamando do tamanho P.
Acham que é duro ser baixinha ou ser pequena. Na adolescência, achava o máximo ser baixinha. Meu raciocínio era o seguinte: as baixinhas podem namorar os meninos pequenos e os grandes e eu, como sou grande, só posso namorar os grandes, ou seja, havia certa limitação. Depois de chegar à vida adulta, me acostumei a ser grande e passei a tirar proveito do meu tamanho, com roupas, calçados e acessórios. Só que a vida não é só feita de flores e o tamanho grande continua tendo seus inconvenientes.
Vira e mexe, me pego pensando e questionando algumas coisas e tamanho de roupa é um dos meus questionamentos constantes. Toda vez que vou comprar alguma roupa, tenho que apelar para a sorte de encontrar aquela peça que gostei em tamanho G. Salvo quando chego em início de coleção, ouço sempre as mesmas coisas: senhora, o tamanho G já se esgotou e o M está no final. Oras, qual o motivo de não confeccionarem mais tamanho G e menos P?
Quando minha filha engessou o braço, nos deparamos com o problema roupa. Ela precisaria voltar à escola, mas era impossível entrar a camiseta do uniforme pelo seu braço. Vendo sua dificuldade, ela mesma deu a solução: “mamãe, tenho aqui uma blusinha que amarra no pescoço e não tem manga, não teremos problema”. Bingo para ela, mas havia apenas uma daquelas blusinhas no armário. Corremos até a C&A para procurar mais daquelas peças milagrosas. E qual não é a minha surpresa? Minha filhinha, que até ontem era um pequeno bebê, não encontra mais roupas na ala infantil. E olha que a loja diz vender roupas infantis até 14 anos e minha filha só tem 9.
“That’s the life”, minha filha também é tamanho grande. Não ainda, mas caminha para ser. Comprei na seção de adultos algumas blusinhas tamanho pequeno, mas trouxemos duas tamanho médio. Ela é magrinha, tem 32 quilos distribuídos em seus quase 1,40cm. Acho que, tal como a mãe, parte do peso se aloja na região dos quadris, outra parte nos ossos grandes e largos, o que faz com que uma menina da idade dela use uma roupa tamanho M. Tudo bem, não há padronização de tamanhos, uma coisa que me mata.
Ontem mesmo, fomos comprar uma rasteirinha para ela. Entrei na loja e pedi tamanhos 31-32 e 33-34. O problema é que a numeração maior já é de adulto e a menor já é de criança. Pedimos uma pequena variedade para ver o que ficaria melhor. Houve pares da numeração menor que ficaram, digamos assim, espaçosos e pares da numeração maior que ficaram justos.
Descobri que minha filha também tem o colo do pé alto e, assim como sua mamãe, terá dificuldades em encontrar calçados, pois apenas os de forma larga calçam bem. Tal mãe, tal filha. Agora sabe a pior parte dessa conversa toda? Minha filha está virando uma mulher, ou melhor, um mulherão.

2 comentários:

  1. Amiga

    Até nas roupas há uma massificação como se fossemos obrigadas a caber nos tipos pré estabelecidos dentro do P,M,G e GG ou Ala Inântil e Adulto...

    Não pensam numa moda diversificada onde cada pessoa possa expressar o seu ser e mostrar o que há de belo em cada um!

    E mesmo nas grifes se paga um fortuna e não satisfaz todas as exigências...

    Não importa o nosso tamanho amiga... P, M G ou GG deveria ter a moda diversificada para todos e ao mesmo tempo que amplificada onde caberia todas as formas única de ser.

    Quem sabe assim não nos chocaríamos com tanta vulgaridade e com tanta "ridículo" nas ruas... Como alguém às vezes com tão pouco dinheiro e às vezes com um corpo eu diria difícil a nível de roupa pode conseguir dentro dessa padronização ridícula nas lojas conseguir comprar algo que "realmente goste" e não algo que "pelo menos caiba"!

    Revoltante amiga... E você independente de ser grande é linda, seu marido que o diga!

    Chris

    ResponderExcluir
  2. Ave Maria, vc é a maior blogueira q conheço... amo seus posts e seus comments, mas amo mais vc. Beijos amiga

    ResponderExcluir