quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Uma Cris que é o Máximo


Estou devendo uma mensagem para minha amada Mestra Cristina Máximo, que anda meio ressabiada comigo desde o dia em que lhe contei sobre uma comunidade no orkut em sua homenagem e que, já no primeiro dia, 150 membros associaram-se. Tudo mentira, mas deixei-a ficar pensando um pouquinho, coloquei uma pulguinha bem pequenininha atrás da orelha dela (a pulga tinha que ser bem pequenininha, pois nossa Cris também é fisicamente bem pequenininha). Mas pelo amor que tenho por ela, venho agora publicamente contar-lhe a verdade e a verdade é que não há comunidade alguma, foi simplesmente uma idéia que me veio ao adentrar a sala de aula naquele dia.

Já falei para a Cris inúmeras vezes o quanto gosto dela, da pessoa Maria Cristina Máximo de Almeida. E também das suas aulas de Língua Portuguesa. Em minha trajetória acadêmica, não houve melhor professora desta disciplina. Não sei como dentro de alguém tão pequeno, pode haver tanto conhecimento armazenado. Mas além do conhecimento, a Cris tem uma capacidade ímpar de ensinar a Língua Portuguesa e todas as suas complexidades, de forma simples e fazer-nos capaz de entender a tudo.

Como nada no mundo é perfeito, ao invés da Universidade deixar com que a Cris seja ÚNICA E SIMPLESMENTE docente desta disciplina, colocaram-na para ministrar Metodologia de Ensino da Língua Portuguesa. E a matéria é chata. Muito chata. Ainda não conheci alguém que goste da matéria. Claro que nem todo mundo fala isto para a Cris, mas como sei diferenciar muito bem professor de disciplina, continuo com a minha sinceridade e afirmo meu desgosto, sempre.

A professora Cristina é o Màximo. Máximo², por tratar-se do seu sobrenome. Adoro a Cris desde a primeira vez que a vi no ano passado, substituindo algum professor na nossa classe em dia de Avaliação da Coordenação (AC). Fiquei feliz neste ano, quando soube que ela seria minha professora. E continuo feliz por tê-la como docente. A disciplina por ela ministrada é extremamente teórica e todos se atrapalham na hora de colocar toda a teoria em prática. Vira tudo um grande nó. Sinto-me mal por ver o quanto àquele grande ser de um metro e meio se esforça para dar a melhor aula da sua vida todos os dias e, mesmo assim, eu consigo não gostar de nenhuma. Mas reforço, quantas vezes for preciso: ela é a melhor professora de Língua Portuguesa de todos os tempos. Não sei como alguém com aquela estatura é capaz de armazenar tanto conhecimentos gramaticais, lexicais, sintáticos etc. dentro do seu ser. Talvez, ela tenha um armário em casa cheio de cérebros reserva e “veste” cada dia um, de acordo com o conteúdo do dia.

Desejaria imensamente ter a oportunidade de estudar um ano inteiro na Uniban, tendo aulas diárias com a Cris e com a Neide, apenas Língua Portuguesa e Inglesa e, tenho certeza, não chegaria à genialidade destas duas professoras queridas, mas absorveria o máximo do saber de cada uma delas! Um brinde às professoras por excelência, por amor e por vocação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário